O processo de escolarização formal enquanto mediação educativa das pessoas em privação de liberdade / The formal schooling process as the educational mediation of people deprived of their freedom

Alexandre Felipe Oliveira Guimarães, Maria Fabiana da Silva Costa, Elione Maria Nogueira Diógenes

Abstract


A educação não pode mais ser entendida de modo unívoco, assim, melhor nos remetermos a essa categoria como educações. Daí que existem três tipos: a formal, a não formal e a informal. A educação de jovens e adultos é uma modalidade de educação formal. Em tal sentido, pode ser compreendida como um processo de mediação educacional de pessoas em privação de liberdade. Esta perpassa dois temas de análise: 1) a educação enquanto processo educacional e suas mediações ao longo da vida; 2) a prisão como local temporário de confinamento de pessoas. Posto assim, o objetivo geral deste trabalho é apresentar a educação escolar na formação humana de pessoas privadas de liberdade. Partimos do pressuposto que a educação faz-se essencial em qualquer sociedade e tempo histórico, constituindo-se em categoria ontológica que permite compreender homem/mulher em um contexto de sociabilidade capitalista. Há, na educação formal, possibilidades e limites que derivam das contradições do mundo capitalista. O presente trabalho está organizado da seguinte forma:  introdução ao tema, contexto histórico social em suas dimensões particulares e universais e, aspectos que cercam o tema educação escolar formal no sistema prisional. Desse modo, para atingir o objetivo deste trabalho, utilizamos a mediação enquanto categoria ontológica através das contribuições de Mészáros (1981), que se subdivide em mediação de primeira e segunda ordem. Onde as mediações de segunda ordem da educação no sistema público no contexto capitalista, fluem como reflexo do metabolismo social capitalista, que sobrepõe as primeiras mediações às necessidades do mercado, ao alienar o homem de sua condição humana aos interesses da reprodução e expansão do capital, no mesmo sentido apresentamos as mediações de primeira ordem, que no contexto educacional revela-se na formação dos sujeitos sociais, como ordem reflexo da totalidade dos processos sociais que possibilitam acesso ao gênero humano e ao conhecimento historicamente produzido capaz de transformar a realidade pessoal do sujeito frente a uma formação plena. Desse modo a investigação, caracterizada como pesquisa de abordagem qualitativa de perspectiva crítica, fez uso de referenciais bibliográficos, textos legais e estudo de caso partindo de dois pressupostos. O primeiro da educação enquanto mediação imprescindível para a formação humana em qualquer sociedade e tempo histórico; e o segundo da mediação da educação enquanto formação para o trabalho simples e anseios de expansão do mercado.


Keywords


Educação Formal. Mediação. Sistema Prisional

References


AGUIAR, Alexandre da Silva. Educação de jovens e adultos privados de liberdade e o programa nacional de inclusão de jovens em unidades penais do Estado no Estado do Rio de Janeiro, Belo Horizonte: UFMG,2012.

BIAR, Marcelo. Arquitetura da dominação: o Rio de Janeiro, Suas prisões e seus presos. 1ª ed. Rio de Janeiro: Revan, 2016.

BRASIL, Conselho Nacional de Justiça. Existem hoje no país 800 mil pessoas cumprindo penas alternativas para 454 mil encarcerados, Disponível: http://www.cnj.jus.br/noticias/67292-numero-de-penas-alternativas-ja-representa-quase-o-dobro-de-presos, acesso em 25 de janeiro de 2018.

______. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei número 9394, 20 de dezembro de 1996.

______. Constituição Federal de 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br /ccivil_03/constituicao/ConstituicaoCompilado.htm. Acesso em 01 de dezembro de 2015.

______. Lei 7.209/1984 Código Penal, Disponível em: http://www.planalto.gov.br /ccivil_03/decreto-lei/Del2848.htm. Acesso em 06 de dezembro de 2015. http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/LEIS/L7210.htm. Acesso em 01 de setembro de 2015.

______. Ministério da Justiça, Levantamento Nacional DE INFORMAÇÕES PENITENCIÁRIAS INFOPEM. Disponível em: http://www.justica.gov.br/noticias/ mj-divulgara-novo-relatorio-do-infopen-nesta-terca-feira/relatorio-depen-versao-web.pdf. Acesso em: 01 de nov de 2015.

______. Ministério da Justiça: Departamento Penitenciário Nacional, Levantamento Nacional DE INFORMAÇÕES PENITENCIÁRIAS INFOPEM, Atualização em Junho de 2016, Disponível em: http://www.justica.gov.br/news/ha-726-712-pessoas-presas-no-brasil/relatorio_2016_junho.pdf. Acesso em 25 de dezembro de 2017.

______. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer CNE/CEB n° 4/2010. Rio de Janeiro: MEC, 2010.

______. Recomendação Nº 44 de 26/11/2013. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/busca-atos-adm?documento=1235. Acesso em 10 de junho de 2017.

CASTELO, Rodrigo. O social liberalismo: auge e crise da supremacia burguesa na era neoliberal. 1ª ed. São Paulo: Expressão Popular, 2013.

DARCOLETO, Carina Alves da Silva. Educação e mediação: limites e possibilidades da educação escolar a partir da categoria mediação em István Mészáros. Tese - Programa de Pós-Graduação em Educação Escolar, Universidade Estadual Paulista – UNESP. São paulo. 2009.

FISCHMANN, Roseli. Constituição brasileira, direitos humanos e educação. 2ª ed. Revista Brasileira de Educação. v. 14, n. 40, Rio De Janeiro, jan./abr. 2009. Disponível em:https://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-24782009000100013&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso 08 de maio de 2020.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere (Vol. 3). Maquiavel, notas sobre o Estado e a política. Trad. Carlos Nelson Coutinho. 3ª ed. RJ: Civilização Brasileira, 2002.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte,1978. MAEYER, Marc de. Na prisão existe a perspectiva da educação ao longo da vida?. Brasília: Revista de Educação de Jovens e Adultos Nº 19, julho de 2006.

MARX, Karl. O capital. Capítulo VI (inédito), São Paulo, Editora Ciências Humanas, 1978

MÉSZÁROS, István. A montanha que devemos conquistar: reflexões acerca do Estado. Tradução Maria Izabel Lagoa. São Paulo: Boitempo, 2015.

_______. Desemprego e precarização: um grande desafio para a esquerda, 2003b. Disponível em: www.resistir.info/crise/desemprego_precarização.html. Acesso em 27 de novembro de 2016.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Conheça a ONU. 2010. Disponível em: . Acesso em: 15 mar. 2016.

______. Regras mínimas para tratamento dos presos. Adotadas pelo Primeiro Congresso das Nações Unidas sobre Prevenção do Delito e Tratamento dos Presos, realizado em Genebra, 1955, Disponível em: < http://www.dhnet.org.br/direitos/militantes/herkenhoff/livro4/c7.html >. Acesso em: 15 mar. 2016.

PONTES, Reinaldo Nobre. A categoria de mediação em face do processo de intervenção do serviço social. 1995, disponível em: http://www.ts.ucr.ac.cr/binarios/congresos/reg/slets/slets-016-104.pdf Acesso em 12 de março de 2018.

TONET, Ivo. Democracia ou Liberdade? 2. Ed. Maceió´: EDUFAL, 2004.

TONET, Ivo. Educação contra o capital / Ivo Tonet. – São Paulo: Instituto Lukács, 2012.– 2. ed. rev. 93 p.

TONET, Ivo. LESSA, Sergio. Introdução a Filosofia de Marx. 2a edição Editora Expressão Popular. São Paulo, 2011

SANTANA, Rosimeiry Souza; SANTOS, Arlete ramos dos, FERNANDES, Rosilda Costa. CASTRO, Ricardo Alexandre; RAMOS, Rosenaide Pereira dos Reis. Educação e a formação humana: Um estudo sobre a concepção de emancipação nos espaços educacionais. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n7., p.42282-42299, jul. 2020.ISSN 2525-8761




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-364

Refbacks

  • There are currently no refbacks.