O jogo como ferramenta de ensinagem dos saberes concernentes ao tecido adiposo na educação básica / Game as a teaching tool of knowledge concerning to adipose tissue in basic education

Jefferson de Lira Barros, Gabriel Soares Pereira

Abstract


A mutabilidade do cenário educacional, decorrente das transformações sociais da contemporaneidade, se nos apresenta como imperativa no que concerne ao desenvolvimento de materiais didático-pedagógicos voltados à mitigar as situações-problemas enfrentadas pelo profissional docente do componente curricular de Biologia ao lecionar o conteúdo da Histologia no primeiro ano do Ensino Médio da Educação Básica. De acordo com Messeder Neto e Moradillo (2017) “os jogos vêm ganhando destaque no espaço escolar uma vez que os professores em formação tendem a pensar no mesmo como uma prática inovadora facilmente aplicada no Ensino Médio”. Nesta perspectiva, os jogos apresentam-se como recursos de ensinagem de fácil desenvolvimento e capazes de dirimir a dificuldade, outrora encontrada pelo educando, de compreender as especificidades de cada tecido que lhe é lecionado, pois, frente às múltiplas características de cada tecido torna-se fulcral uma abordagem diferenciada e contextual do conteúdo. Partindo dessa premissa, o presente trabalho objetiva explorar o conhecimento dos discentes acerca do tecido adiposo por meio da utilização de um jogo desenvolvido a partir de materiais de baixo custo, tais como: cartolinas, colas, canetas, disco de vinil, papel couchê colorido e papel linho. O jogo de trilha desenvolvido aborda conceitos gerais e específicos relacionados ao tecido em tela, indo desde a sua caracterização, até os processos bioquímicos relacionados à digestão dos lipídios que os constituem e, através dos elementos diversos que compõem tal recurso, tais como a sequência de perguntas presentes no trajeto do tabuleiro e a roleta giratória funcional, o discente poderá contemplar os saberes acerca da Histologia e colocar a prova o que aprendeu nas aulas junto aos seus colegas. Além disso, o material lúdico elaborado promove uma imersão gradual no que se refere ao grau de complexidade das questões por ele apresentadas, tendo em vista que ao longo do percurso da trilha os educandos serão apresentados à questões cada vez mais difíceis, capazes de articular diversos saberes em uma mesma problemática e até mesmo contextualizar o conteúdo através de situações-problemas do cotidiano social dos jogadores. Frente a este material concluído, verifica-se que o mesmo dispõe de um acervo teórico consistente o suficiente para caracterizar-se enquanto recurso didático-pedagógico, contudo, a impossibilidade de abarcar um grande quantitativo de educandos, quando da realização de uma partida neste jogo, limita sua execução em uma sala de aula e torna-se um desafio ao docente, que deverá adequar o mesmo a sua realidade escolar. Por fim, assim como Moser e Lamim-Guedes (2018) afirmam em seu trabalho, podemos depreender que “a utilização de jogos didáticos favorece o ensino-aprendizagem, uma vez que desenvolve habilidade, como a interpretação de mapas e a percepção socioambiental, assim como permitir uma melhor interação entre alunos e professores além de propiciar melhor compreensão da temática envolvida”. Nesta perspectiva, o presente estudo se configura enquanto uma sugestão ao professor do componente curricular de Biologia na Educação Básica para que o mesmo possa integrar ao seu acervo didático-pedagógico o jogo enquanto ferramenta para ensinagem da Histologia e demais saberes das Ciências Biológicas.


Keywords


Metodologias Ativas, Ferramenta Educacional e Jogo histológico

References


MESSEDER NETO, H. S.; MORADILLO, E. F. O jogo no ensino de química e a mobilização da atenção e da emoção na apropriação do conteúdo científico: aportes da psicologia histórico-cultural. Ciência & Educação (Bauru), v.23, n.2, Bauru – SP, p. 523-540, 2017. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/ciedu/v23n2/1516-7313-ciedu-23-02-0523.pdf >.

MOSER, M. A. C., LAMIM-GUEDES, V. Jogo “TRILHA NA ILHA”: A educação ambiental a partir do conhecimento da Ilha de Santa Catarina, Revista Educação Ambiental em Ação, n.61, a.XVI, Novo Hamburgo – RS, 2018. Disponível em: < http://www.revistaea.org/artigos.php?idsecao=29 >.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-317

Refbacks

  • There are currently no refbacks.