Ócio, lazer e turismo: avanços e recuos das formas do entretenimento humano / Idleness, leisure and tourism: advances and retreats of the human entertainment forms

Luzia Neide Coriolano

Abstract


O texto analisa ócio, lazer e turismo como formas de entretenimento humano, no processo civilizatório. A sociedade flexível, ao recuperar a crise industrial, coloca os serviços em evidência e torna ócio, lazer e turismo novas centralidades. Mas a dialética do trabalho e do tempo livre, da produção fabril não tira a possibilidade de, no tempo marcado pela obrigação do trabalho, surgirem momentos de ócio, posto que nem o trabalho, nem o capital dominam por completo o trabalhador. E as pessoas encontram formas de resistência aos modelos de lazeres convencionais. O que se explica são mudanças de forma de entretenimento humano, no decorrer do tempo, e as do turismo, em decorrência da passagem do capitalismo industrial para o flexível. Adota-se metodologia dialética, caminho que se propõe a desvendar a realidade estudada pela contradição inerente ao fenômeno e mudanças que ocorrem dialeticamente na sociedade. O objeto investigado e sempre visto como processos inacabados, em movimento, sempre em via de se transformar e desenvolver, sendo fim sempre um novo começo. Assim, os avanços e recuos do entretenimento nem sempre são provenientes de mudanças nos aspectos cotidianos das pessoas, muitas vezes de revoluções políticas e econômicas implantadas pelos grupos de interesses, com hegemonia no espaço mundial. Conclui-se que a metamorfose do trabalho cria novas centralidades, em especial a do lazer. E embora o ócio tenha sido associado a ociosidade, a análise crítica exige reconsideração do conceito e da prática do ócio, admitindo-o associado ao lazer da sociedade contemporânea. É o que se defende neste ensaio.

  


Keywords


trabalho, ócio, lazer, turismo, totalidade

References


ADORNO, Theodor; HORKHEIMER Max, Dialética do Esclarecimento. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editores 1992.

BAPTISTA, MARIA MANUEL. Ócio, temporalidade e existência: uma leitura à luz da fenomenologia e hermenêutica heideggereanas. In: BAPTISTA, M. M; AVENTURE, Anne. Do Ócio: Debates no contexto Cultral Contemporâneo. Coimbra: Gráfico Editor 1ª Edição de abril de 2014

BAUMAN, Zigmut. Modernidade liquida. Rio de Janeiro, Jorge Zahar Editores 2001.

CAMPBELL, C. A ética romântica e o espírito do consumismo moderno. Brasil Blackwell, 1987.

CASTELLS, Manuel. A era da informação: economia, sociedade e cultura. In: ______. A Sociedade em rede. São Paulo: Paz e terra. 2000,v.1.

CHESNAIS, François. A Mundialização do Capital. Tradução Silvana Finzi Foá. São Paulo: Xamã, 1996.

CORIOLANO, Luzia Neide, VASCONCELOS, Fabio P. Lazer e Turismo: novas centralidades da sociedade contemporânea. Revista Brasileira do Lazer. Belo Horizonte. V. 1 n.2 p. 3-22, agosto de 2014.

CORIOLANO, Luzia Neide. O Turismo nos discursos nas políticas e no combate a pobreza.

CUENCA CABEZA, M. (2003). Ócio e Desarrolo humano. Universidad de Deusto/ World Leisure. 2000.

______. Ocio humanista, dimensiones y manifestaciones actuales del ocio (Documentos de Estudios de Ocio, Num.16). Bilbao, España: Instituto de Estúdios de Ócio/ Universidad de Deusto. 2003.

______. Uma nova forma de entender o ócio. 2009. Disponível em: . Acesso em 20 jul. 2016.

DE MASI, Domenico. O Futuro do Trabalho: Fadiga. Ócio na sociedade pós-industrial. Tradução: FIGUEIREDO, Yadyr A. Rio de janeiro: José Olympio; Brasília. DF: Ed da UnB, 2000.

______. O ócio criativo. Rio de Janeiro: Sextante, 2000.

ELIAS, Norbert. O Processo Civilizador. Uma História dos Costumes. Trad. RIBEIRO Janine Renato. Rio de Janeiro: Zahar 1968

FOURASTIÉ, Jean. Ócio e Turismo. Rio de Janeiro: SALVAT Ed. do Brasil S.A, 1979.

GRAZIA, Sebastian de. Tiempo, trabajo y ócio. Madrid: Tecnos, 1966.

HARVEY, David. Do Fordismo à acumulação flexível. In. ______. A condição Pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1993. p.135 -176.

______. Espaços de Esperança. Trad. De Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. São Paulo: Edições Loyola, 2004.

HERN, A. The Seaside Holidsy. Londres, Cresset Press, 1967.

HIERNAUX, Daniel. La promocion inmobiliaria y el turismo residencial: el caso meicano. Scripta Nova. Barcelona: Universidad de Barcelona, vol. n.194, agosto de 2005. Disponível em: . Acesso em: 17 jul. 2016.

HUBERMAN, Leo. História da riqueza do homem. Tradução DUTR, Waltensir. Rio de Janeiro: LTC/S.A, 1986.

IGARZA, ROBERTO. Burbujas de ócio. Nuevas formas de consumo cultural. Buenos Aires: La Crujia, 2009.

KURZ, R. A ditadura do tempo abstrato. In: Lazer numa sociedade globalizada. São Paulo: SESC/ WLRA, 2000.

LAFARGUE, PAUL. O Direito à preguiça. São Paulo, Hucitec, 2000.

MARTINS. J. Clerton de O. Tempo livre, ócio e lazer: Sobre palavras, conceitos e experiências. In: BAPTISTA, M. M; AVENTURE, Anne. Do Ócio: Debates no contexto Cultural Contemporâneo. Coimbra: Gráfico Editor 1ª Edição de abril de 2014.

MAX-NEEF, Manfred A. Desenvolvimento á escala humana. Concepçoes,, aplicação e reflexão posteriores. Blumenau: Edifurb, 2012.

OATES, W. Confessions of a workaholic: the facts about work addiction. New York: World Pub- lishing, 1971.

ODA, Orlando. O verdadeiro valor e significado do trabalho. Disponível em: http://www.gazetaonline.com.br/_conteudo/2014/01/oportunidades/1476304-o-verdadeiro-valor-e-significado-do-trabalho.html. Acesso em: 16 maio 2016.

ORTIZ, Renato. Um outro território: ensaios sobre a mundialização. São Paulo: Olho D'água Editora, 1996.

PASTORE, Jose. Crescimento de 6%: e a mão de obra? O Estado de S. Paulo, 08/12/2009. Disponível em: Acesso em: 23 jun. 2012.

RHODEN, IEDA. Atributos das experiências do Ócio e Implicações contraditórias decorrentes do estilo de vida contemporâneo. In: BAPTISTA, M. M; AVENTURE, Anne. Do Ócio: Debates no contexto Cultral Contemporâneo. Coimbra: Gráfico Editor 1ª Edição de abril de 2014.

ROBERTSON, Simon. Nietzsche e Valor: florescimento e esses cia. IN Cad. Nietzsche vol.37 no.1 São Paulo Jan./June 2016. In http://dx.doi.org/10.1590/2316-82422016v3701sr Acesso em 22/04/17.

RUSSEL Bertrand. Em Louvor ao Ócio. Ensaio sobre o trabalho. 1932 sitehttp://rendimentobasico.pt/bibliografia/bertrand-russell . Acesso em 3 de julho de 2016.

_____. O Elogio do ócio. Rio de Janeiro: Editora Sextante, 2002.

SANTOS, Figueiredo. Turismo mosaico de sonhos. Incursões sociológicas pela cultura turística. Portugal, Universidade de Algarve. Edições Colibri, 2002.

SANTOS, Milton. Pobreza Urbana. São Paulo, Hucitec, 1978.

______. A Natureza do espaço habitado: técnica, espaço, tempo e emoção. São Paulo: HUCITEC, 1996.

SENSE, J.E. A Sociedade do Conhecimento e as reformas educacionais. In Colóquio Internacional de Geocrítica, 10. Anais Eletrônicos... 2008. Barcelona: Universidade de Barcelona, 2008. Disponível em: . Acesso em: 25 maio 2015.

SOUZA, Michel Aires de. O modo de produção flexível e o novo perfil do trabalhador do século XXI. 05/09/2013. Disponível em: Acesso em: 30 jul. 2016.

URRY, JOHN. O Olhar do Turista. Tradução: MOURA, C. E. M. São Paulo: NOBEL, SESC, 1996.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-306

Refbacks

  • There are currently no refbacks.