IMC e alterações do comportamento alimentar em pacientes com Transtorno do Espectro Autista / BMI and variations of eating behavior in patients with Autism Spectrum Disorder

Letícia de Araújo Melo, Giovana Barreto Silvério, Paulo Vitor Pina Felício, Renata Pessoa Chein Jorge, Fernanda Mendes De Paula, Talita Braga, Karla Cristina Naves de Carvalho, Mariana Figueiredo Guedes D'Amorim

Abstract


Introdução: O autismo é uma síndrome do comportamento que resulta em dificuldades na interação social, na comunicação e na cognição, tendo como uma das caraterísticas centrais o comportamento estereotipado. Neste sentido, vários estudos atuais mostram a relação entre alterações do comportamento alimentar e do Índice de Massa Corporal (IMC) em pacientes com Transtorno do Espectro Autista (TEA). Objetivo: analisar a frequência de sobrepeso, obesidade e baixo peso para idade em portadores do Transtorno Autístico assistidos pela Associação de Pais e Amigos de Excepcionais (APAE) em Goiânia e Anápolis e relacionar as variações de IMC com a prevalência de alterações do comportamento alimentar. Métodos: Trata-se de um estudo transversal quantitativo, realizado através da aplicação do questionário Escala de Avaliação do Comportamento Alimentar em responsáveis de pacientes diagnosticados com Transtorno Autista em acompanhamento nas APAE de Goiânia e Anápolis. Resultados: Distúrbios da alimentação e ingestão foram encontrados em 100% da amostra, em diversos graus. A amostra foi de 32 pacientes dos quais 84,4% são do sexo masculino e 15,6% do sexo feminino. A média de estatura e do índice de massa corporal (IMC) foi de 1,43 metros e 19,4kg/m², respectivamente. A mediana de massa corporal foi de 35,0 kg. Em relação ao IMC 25% encontrava-se com baixo peso para idade e 18,8% como sobrepeso e 18,8% com obesidade e 37,4% apresentavam-se eutróficos. Conclusão: Os distúrbios alimentares são bastante presentes na população autista, entretanto, não foi possível relacionar a presença de alterações do comportamento alimentar a variações (para menos ou para mais) do IMC.

 

 


Keywords


transtorno autístico, apetite, transtornos da alimentação e da ingestão de alimentos.

References


Posar A, Visconti P. Autism in 2016: the need for answers. J Pediatr (Rio J). 2017; 93(2):111-9.

Pinto RNM, Torquato IMB, Collet N, Reichert APdS, Souza Neto VLd, Saraiva AM. Autismo infantil: impacto do diagnóstico e repercussões nas relações familiares. Revista Gaúcha de Enfermagem. 2016;37(3); 1-9.

de Freitas PM, Nishiyama PB, Ribeiro DO, de Freitas LM. Deficiência Intelectual e o transtorno do espectro autista: fatores genéticos e neurocognitivos. Pedagogia em Ação. 2016; 8(2): 1-11.

Wang C, Geng H, Liu W, Zhang G. Prenatal, perinatal, and postnatal factors associated with autism: A meta-analysis. Medicine (Baltimore). 2017;96(18):1-7.

Association AP. Diagnostic and statistical manual of mental disorders (DSM-5®): American Psychiatric Pub; 2013.

Caetano MV, Gurgel DC. Perfil Nutricional de Crianças Portadoras do Transtorno do Espectro Autista. Rev Bras Promoç Saúde. 2018; 31(1): 1-11.

Wallace GL, Llewellyn C, Fildes A, Ronald A. Autism spectrum disorder and food neophobia : clinical and subclinical links. The American Journal of Clinical Nutrition. 2018; 108(4): 701-707.

Lázaro CP. Construção de escala para avaliar o comportamento alimentar de indivíduos com Transtorno do Espectro do Autismo (TEA). Salvador. Tese [Doutorado em Medicina e Saúde Humana]. 2016.

Grillo E, da Silva RJ. Manifestações precoces dos transtornos do comportamento na criança e no adolescente. Jornal de Pediatria. 2004; 80(2): 21-7.

World Health Organization. BMI-for-age (5-19 years). WHO; 2007.

Loomes R, Hull L, Mandy WPL. What Is the Male-to-Female Ratio in Autism Spectrum Disorder? A Systematic Review and Meta-Analysis. J Am Acad Child Adolesc Psychiatry. 2017; 56(6) :466-74.

Lázaro CP, Caron J, Pondé MP. Escalas de avaliação do comportamento alimentar de indivíduos com transtorno do espectro autista. Revista Psicologia-Teoria e Prática. 2018; 20(3): 23-41.

Toscano CV, Ferreira JP, Gaspar JM, Carvalho HM. Growth and weight status of Brazilian children with autism spectrum disorders: A mixed longitudinal study. J Pediatr. 2019; 95(6): 705-712.

Kummer A, Barbosa IG, Rodrigues DH, Rocha NP, Rafael MS, Pfeilsticker L, et al. Frequência de sobrepeso e obesidade em crianças e adolescentes com autismo e transtorno do déficit de atenção/hiperatividade. Revista Paulista de Pediatria. 2016; 34(1): 71-77.

Broder-Fingert S, Brazauskas K, Lindgren K, Iannuzzi D, Cleave JV. Prevalence of overweight and obesity in a large clinical sample of children with autism. Academic pediatrics. 2014; 14(4): 408-414.

Silva DV, Santos PNM, Silva DAV. Excesso de peso e sintomas gastrointestinais em um grupo de crianças autistas. Revista Paulista de Pediatria. 2020; 38(5): 1-6.

de Araújo Almeida, A. K., de Almeida Fonseca, P. C., Oliveira, L. A., Santos, W. R. C. C., Zagmignan, A., de Oliveira, B. R., ... & de Carvalho, C. A. (2018). Consumo de ultraprocessados e estado nutricional de crianças com transtorno do espectro do autismo. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, 31(3).




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-305

Refbacks

  • There are currently no refbacks.