Constituição histórica, direito à educação e políticas educacionais no Recôncavo da Bahia / Historical Constitution, right to education and educational policies in the Recôncavo region of Bahia State

Elizabete Pereira Barbosa

Abstract


Para pensar sobre a História da Educação da Infância e situá-la no Recôncavo da Bahia é necessário considerar sua constituição,  situá-la no seu tempo, na sociedade em que ocorre e nas instituições que as abriga, descortinando os sujeitos coletivos da história.  A História da Educação no Recôncavo da Bahia ainda é pouco investigada, sendo uma área lacunar no campo de produção. Esta constatação coaduna com a ausência de investigações sobre a constituição das políticas voltadas para educação da infância neste lugar. O presente texto tem como objetivo analisar a educação para a infância no Recôncavo da Bahia no período de 1925 a 1946, estudando sua constituição histórica e a implementação de políticas educacionais imbricadas nesses processos. A perspectiva metodológica é de natureza qualitativa que, conforme Triviños (1992) é o tipo de estudo que possibilita a apreensão das múltiplas dimensões do fenômeno. Ao considerar essa abordagem e usando como principal fonte o jornal “Correio de São Félix” acredita-se na possibilidade de descrever a complexidade de determinado problema, analisando a interação de certas variáveis, compreendendo e classificando processos dinâmicos vividos por grupos sociais. A concepção do conceito de infância, considerada nesse texto é enquanto categoria social. O texto exibe uma breve apresentação da constituição histórica do atendimento á infância no Brasil, e uma discussão da infância no contexto do Recôncavo baiano, ratificando que no estado da Bahia como um todo, é fato a relação existente entre  processo de escolarização e a assistência à infância em instituições de atendimento: como asilos, abrigos, educandários e escola maternal. O texto ressalta, porém, a multiplicidade de infâncias vivenciadas em locais de educação diferenciadas segundo as condições econômicas e sócio–culturais tanto das crianças quanto da família, principalmente tomando como base o contexto histórico. Os resultados evidenciam o Recôncavo da Bahia além de ter vivenciado um processo de escolarização tardio, as primeiras experiências educacionais estiveram relacionados ao sindicato dos trabalhadores do fumo, ou seja, tem sua origem ligada a iniciativas isoladas deixando de fora a grande maioria, portanto a execução das políticas de educação para a infância não parou de se afastar dos cidadãos.

Keywords


Recôncavo, Política Educacional, Infância.

References


BARBOSA, Elizabete Pereira; ALMEIDA, Luciana Freitas de Oliveira. O trabalho pedagógico com jogos e brincadeiras na educação infantil do Campo. In: SOUSA, Ivan Vale de (org.) Letras, Linguística e Artes: Perspectivas Críticas e Teóricas; v. 2; [recurso eletrônico]. Ponta Grossa (PR): Atena Editora, 2019.

BARBOSA, Elizabete Pereira. A Fábrica, a Casa e a Escola: As Políticas de Educação para a Infância no Recôncavo Fumageiro da Bahia (1925 -1946). Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Bahia. Salvador, p. 228. 2015. Disponível em: https://repositorio.ufba.br/ri/handle/ri/18531. Acesso em: 16 de junho de 2020.

______ Os sujeitos e suas histórias de escolarização no Recôncavo fumageiro da Bahia. In: DICK, S. M.; CARRERA, G. O.; VENAS, R. F.(org) A Bahia na história da Educação. Salvador, Edufba, 2018, p. 125- 141.

BRANDÃO, M de A. (org.) Recôncavo da Bahia; Sociedade e Economia em Transição. Salvador: Academia de Letras da Bahia (ALB/UFBA), 1997, 261 p.

CEI. Centro de Estatística e Informação. S.L. 1940.

CORSARO, W. A. Sociologia da Infância. Porto Alegre: Artmed, 2011.

COSTA PINTO, L. A. (1959) Recôncavo: Laboratório de uma experiência humana. In: BRANDÃO, M de A. org. Recôncavo da Bahia; Sociedade e Economia em Transição. Salvador: Academia de Letras da Bahia (ALB/UFBA), 1997, 261 p.

CURY, C. R. J. Ideologia e educação brasileira: católicos e liberais. 3.ed. São Paulo, Cortez, 1996.

KISHIMOTO, T. M. A pré-escola em São Paulo(1877 a 1940). São Paulo: Loyola, 1986.

KUHLMANN Jr, M. Infância e educação Infantil: Uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

__________ O jardim-de-infância e a educação das crianças pobres: final do século XIX, início do século XX. In: MONARCHA, C. (org.) Educação da infância brasileira, 1875-1983. 2001, p.3-30.

REDIN, M. M. e MÜLLER, F. Sobre as crianças, a infância e as práticas escolares. In. REDIN, M. M. e MÜLLER, F. Infâncias: cidades e escolas amigas das crianças. Porto Alegre: mediação, 2007. p.11-23

RIZZINI, I. Pequenos Trabalhadores do Brasil. In: DEL PRIORI, M.(org.) História das crianças no Brasil. São Paulo, Contexto, 2007.

ROSEMBERG, F . O estado dos dados para avaliar políticas de Educação Infantil. In: Estudos em avaliação educacional. Fundação Carlos Chagas. São Paulo, v.1, nº 20, 2000. p. 05- 57, jul/dez.

SARMENTO, M. J. Sociologia da Infância: correntes e confluentes. IEC/ Universidade do Minho, Braga, 2008.

_______. Crianças: educação, culturas e cidadania activa. Perspectiva, Florianópolis, v. 23, n. 01, 2005.p. 17-40.

SAVIANI, D. História das idéias pedagógicas no Brasil. Campinas, São Paulo: Autores Associados, 2010.

TRIVIÑOS, Augusto N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1992.

VIANA FILHO, Luis. O negro na Bahia: um ensaio clássico sobre a escravidão. 4ª Ed. Salvador: EDUFBA: Fundação Gregório de Mattos, 2008.

VILHENA, L. dos P. A Bahia no século XVIII. V. 2, Salvador-Bahia. Itapuã. 1969.156 p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-266

Refbacks

  • There are currently no refbacks.