O uso de sequência didática no ensino de química orgânica para educação de jovens e adultos / The use of teaching sequence in teaching organic chemistry for youth and adult education

Renata Aparecida Rossieri, Alcides Goya

Abstract


Este trabalho apresenta uma sequência didática como metodologia para o ensino de Química Orgânica na Educação de Jovens e adultos-EJA, utilizando o tema corantes naturais, com o intuito de despertar nos alunos o interesse pela química e o gosto pela pesquisa, além de proporcionar a construção e reconstrução de conceitos químicos e científicos. A sequência didática investigativa seguiu os três momentos pedagógicos de Delizoicov. Foi dado um destaque especial ao segundo momento pedagógico, organização do conhecimento, no qual os alunos desenvolveram experimentos investigativos de luz e cor, onde eles desvendaram os fenômenos de absorção e reflexão da luz e sua relação com as cores. Ainda dentro do segundo momento pedagógico, os alunos realizaram a extração de corantes e fizeram uma pesquisa sobre a obtenção, fórmula estrutural, tipos de ligação e função orgânica dos corantes extraídos.  Os resultados dessa pesquisa foram coletados pelos questionários aplicados antes e depois da sequência didática. Nesse trabalho foram analisados respostas de três estudantes que responderam aos dois questionários, por meio das aprendizagens de Ausubel. Os resultados mostram indícios de saberes que propiciam os conhecimentos de formação das cores, de métodos de extração, constituição, funções orgânicas oxigenadas, estruturas e propriedades dos corantes existentes em alguns alimentos.

 


Keywords


Química orgânica, Ensino de Química, Corantes.

References


AUSUBEL, David P. Aquisição e Retenção de Conhecimentos: Uma perspectiva Cognitiva. Grafo. 1º edição, 2003.

CAMPOS, Maria Cristina da Cunha; NIGRO, Rogério Gonçalves. Didática de ciências. São Paulo: FTD, 1999.

CARVALHO, Anna Maria Pessoa de. Ensino de Ciências por investigação: condições para implementação em sala de aula. São Paulo: Cengage Learning, 2013.

CHASSOT, A. I. Para que(m) é útil o ensino? Alternativas para um ensino (de química) mais crítico. Canoas. RS: ULBRA, 1995.

 DELIZOICOV, D.; ANGOTTI, J. A.; PERNAMBUCO, M. M. Ensino de ciências: fundamentos e métodos. São Paulo: Cortez, 2002.

DELIZOICOV, D. Problemas e Problematizações. In: Pietrocola, M. (Org.). Ensino de Física: Conteúdo, Metodologia e Epistemologia em uma Concepção Integradora. Florianópolis: UFSC, p. 1-13, 2005.

DEL PINO, J.C et al. Estudo de Caso: uma proposta para abordagem de funções da Química Orgânica no Ensino Médio. R. B. E. C. T.,vol 6, núm. 2, mai-ago.2013.

FREIRE, A. M. A. A pedagogia da libertação em Paulo Freire. São Paulo: Unesp, 2001, 330p.

FONSECA, J. J. S. Metodologia da pesquisa científica. Fortaleza: UEC, 2002. Apostila.

GOUVEIA, J T. (1987). Relação teoria e prática no ensino de Ciências do 1 e 2 graus. Londrina, UEL. (Monografia apresentada ao curso de especialização do ensino superior).

LABURÚ, C.E. Problemas abertos e seus problemas no laboratório de física: uma alternativa dialética que passa pelo discurso multivocal e univocal. Investigações em Ensino de Ciências – V8 (3) pp. 231-256, 2003.

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2001.

MORIN, E. A cabeça bem-feita: repensar a reforma, reformar o pensamento. 8ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. 128p.

PARANÁ. Secretaria Estadual de Educação - SEED, Diretrizes Curriculares da Educação de Jovens e Adultos - EJA, 2006.

TRIVIÑOS, A. N. S. Introdução à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-265

Refbacks

  • There are currently no refbacks.