Plano de gerenciamento de resíduos sólidos em uma instituição de ensino superior / Solid Waste Management Plan in a Higher Education Institution

Mário Marcos Moreira da Conceição, Antônio Pereira Júnior

Abstract


O acúmulo de resíduos sólidos, torna-se um dos grandes problemas de poluição do meio ambiente da atualidade. Essa pesquisa tem como objetivo, elaborar e propor um plano de gerenciamento de resíduos sólidos para o Campus VI – Paragominas-PA, com adequação de práticas administrativas e manejo adequado e seguro. Para obtenção dos dados primários, foi utilizado um formulário semiestruturado para cada responsável dos 17 setores do Campus. Os objetivos foram: (1)identificar os tipos de resíduos produzidos diariamente (2) a forma de armazenamento; (3)  destinação/disposição final dada aos mesmos; (4) Efetuar a gravimetria dos resíduos sólidos produzidos bem como a classificação, pelos discentes, docentes e corpo administrativo, de acordo com o preconizado pela Norma Brasileira de Regulamentação – NBR, ABNT 10.004/04. Os dados obtidos foram tratados estatisticamente, com o uso de planilhas eletrônicas contidas no software Excel (2013). A exposição gráfica e tabular, foi efetuada com a utilização do software Origin. 8.5. A base para a elaboração do Plano de Gerenciamento dos Resíduos Sólidos (PGRS), foi a Política Nacional de Resíduos Sólidos, Lei n.12.305/10, com as seguintes proposições:  vantagens e desvantagens, aspectos operacionais, identificação das alternativas mais viáveis para cada setor, medidas de acondicionamento, coleta, manuseio, armazenamento e transporte. Os dados obtidos e analisados, para cada setor gerador de resíduos sólidos, indicaram que, dentre os vários tipos de resíduos gerados, os mais comuns foram: papel (n = 94,1%); papelão (n = 82,3%) e embalagens plásticas (n = 88,2%). Os dados também indicaram que vidros são descartados pela minoria (n = 5; 9,4%) dos  17 setores analisados. Foram confeccionados 49 cestos coletores seletivos para fornecimento de estrutura física que propicia o correto descarte dos resíduos sólidos em todos os setores. Os dados obtidos indicaram que foram gerados, nas quatro semanas analisadas, após a implantação do PGRS, 73,54 kg de resíduos, isso indica uma redução de 65,55 kg de resíduos, com base nos dados da primeira gravimetria (n = 139,09 kg). A análise dos dados obtidos indicou que houve geração residual de papel/papelão (n = 46,47%), plástico (n = 38,50%), metal (n = 7,08%), vidro (n = 5,19%) e orgânico n = (2,73%). A geração per capta desses resíduos variou entre os dois períodos de gravimetria de 0,04 a 0,05 kg/dia. Até antes da implantação do PGRS, esta IES apresentava falhas em todo processo de manejo desses materiais. A partir da elaboração do PGRS, foi possível conciliar as práticas desta comunidade, em todos os setores, ao estabelecido pela Política Nacional de Resíduos Sólidos.

 

 


Keywords


manejo adequado, mitigar, implantação.

References


ALMEIDA I. S. et al. Reciclagem de garrafas PET para fabricação de telhas, Ciências Exatas e Tecnológicas. Sergipe, v. 1, n.17, p. 83-90, out. 2013.

ALMEIDA JÚNIOR, A. R.; GOMES, H. L. R. Gestão Ambiental e interesses corporativos: imagem ambiental ou novas relações com o ambiente? Ambiente & Sociedade, São Paulo, v. 15, n. 1, 157 – 177, jan./abr. 2012.

ALMEIDA, J. A. Gestão de resíduos sólidos em instituições de ensino: experiências internacionais, nacionais e no município de Belo Jardim/PE. Revista Gestão e Sustentabilidade Ambiental, Florianópolis, v. 7, n. 1, p. 467-485, jan./mar. 2018.

ALVES, T. O.; VALENTINI, C. M. A.; PELEGRINE, R. A.; DE FARIA, G. Caracterização dos resíduos sólidos do IFMT-Campus Bela Vista. Enciclopédia Biosfera, Goiânia, v. 9, n. 17, p. 3292-3304, dez. 2013.

ARAÚJO, K. K.; PIMENTEL; A. K. A problemática do descarte irregular dos resíduos sólidos urbanos nos bairros Vergel do lago e Jatiúca em Maceió, Alagoas. R. gest. sust. ambient., Florianópolis, v. 4, n. 2, p. 626 - 668, out/mar. 2016.

BARROS, R. M. Trato sobre resíduos sólidos: gestão, uso e sustentabilidade. Rio de Janeiro. Interciência, Minas Gerais: Acta, 2012.

BRASIL, ABNT. Associação Brasileira de Normas Técnicas. NBR 10004: 2004. Resíduos Sólidos – Classificação. Rio de Janeiro, 2004. Disponível em: .

BRASIL. Lei n. 12.305, de 2 de agosto de 2010. Institui a Política Nacional de Resíduos Sólidos; altera a Lei no 9.605, de 12 de fevereiro de 1998; e dá outras providências. Diário Oficial da União 2010; 3 ago. [acessado 2018 set 15]. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2007-2010/2010/Lei/L12305.htm>.

BRASIL. Lei n. 9.795, de 27 de abril de 1999. Institui a Política Nacional de Educação Ambiental e dá outras providências. Diário Oficial da União 1999; 27 abr. [acessado 2018 set 10]. Disponível em: < http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9795.htm>.

CAMBRUZZI, J.; PFITSCHER, E. D. Logística reversa e logística verde: análise de um centro de ensino de uma universidade catarinense. Enciclopédia Biosfera. Goiânia, v.11, n.21, p. 2487-2501, jun. 2015.

CAMPOS, H. K. T. Renda e evolução da geração per capta de resíduos sólidos no Brasil. Engenharia Sanitária e Ambiental. São Paulo, v. 17, n. 2, p. 171-180, abr./jun. 2012.

CAMPOS, R. F. F.; COSTA, D. D. Análise do impacto ambiental pela dispersão de poluentes atmosféricos, através da queima de resíduos. Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade. São Paulo, v. 12, n. 1, p.182-191, jun. 2017.

CEREZINI, M. T.; AMARAL, K. M.; POLLI, H. Q. Avaliação dos aspectos e impactos ambientais em uma instituição de ensino com o uso da ferramenta FMEA. Saúde, Meio Ambiente e Sustentabilidade. São Paulo, v. 11, n. 1, p.13-12, jun. 2016.

CONCEIÇÃO, M.M.M. et al. Estudo de viabilidade da implantação de um Ponto de Entrega Voluntária (PEV) na Universidade do Estado do Pará, Campus VI: coleta de pilhas e baterias, RevBEA, São Paulo, v. 13, n. 2, p.351-371, jun. 2018.

CRUZ, G. V.; FERNANDES, L. F.; MARTINS, M. C. Gestão sustentável dos Resíduos Sólidos Urbanos em São Tomé e Príncipe: Contributos da Educação Ambiental. ambientalMENTEsustentable, Mato Grosso, v.1, n.23-24, p. 47-62, jan-dez. 2017.

ELEMILE, O.O.; ANA, G.R.E.E; SRIDHAR, M.K.C. The Journal of Solid Waste Technology and Management, Philadelphia, v. 43, n. 4, p.328-337, nov. 2017.

FAWZI. L. M. et al. Caracterização dos resíduos sólidos na UFT, Campus Gurupi- TO. Enciclopédia Biosfera. Goiânia, v.13 n.24; p. 1150-1159. dez. 2016.

GERBER, D.; PASQUALI, L.; BECHARA, F. C. Gerenciamento de resíduos sólidos domiciliares em áreas urbanas e rurais. Revista Ibero-americana de Ciências Ambientais, Aquidabã, v. 6, n. 1, p.293-306, mai. 2015.

GERHARDT, T. E.; SILVEIRA, D. T. Métodos de pesquisa. Porto Alegre: UFRGS, 2009.

GINDRI, A. C. de O.; LHAMBY, A. R.; A Situação da Logística Reversa em alguns Municípios da Campanha e Fronteira Oeste do Rio Grande do Sul/RS. Ciência e Natura, Santa Maria, v. 38, n. 02, p.1005-1017, ago.2016.

IBGE. INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. População do município de Paragominas. 2017. Disponível em:< https://cidades.ibge.gov.br/brasil/pa/paragominas/panorama>. Acesso em: 27 ago. 2018.

INTAHPHUAK, S. et al. Religion role on community movement for solid waste management. The Journal of Solid Waste Technology and Management. Philadelphia, v. 43, n.4, p. 321-327, mar. 2017.

JACOBI, P. R.; BESEN, G. R. Gestão de resíduos sólidos em São Paulo: desafios da sustentabilidade: sustentabilidade urbana e redução de resíduos. Estudos Avançados, Salvador, v. 25, n. 71, p.135-158, fev. 2011.

JULIATTO, D. L.; CALVO, M. J.; CARDOSO, T. E. Gestão integrada de resíduos sólidos para instituições públicas de ensino superior. Revista Gestão Universitária na América Latina-GUAL, v. 4, n. 3, p. 170-193, set/dez. 2011.

KAOJE, A. U. et al. Resident's perception of solid waste disposal practices in Sokoto, Northwest Nigeria. African Journal of Environmental Science and Technology, Nigeria, v. 11, n. 2, p.94-102, fev. 2017.

KRIEGER M.G. et al. Direito Ambiental: Terminologia das leis de meio ambiente. Revista de Direito de Ambiental, São Paulo, v.5, n.13, p.100-111, jan. 2010.

LEME, P. S.; MARTINS, J. L. G.; BRANDÃO, D. Guia prático para minimização e gerenciamento de resíduos. São Carlos: USP, 2012.

LIMA, E. B. et al. Relação sociedade e meio ambiente: os resíduos sólidos e suas implicações na cidade de Ibititá, Bahia. Enciclopédia Biosfera. Goiânia, v. 10, n. 18, p.105-117, abr. 2014.

LIMA, Gustavo Ferreira da Costa. Consumo e resíduos sólidos no Brasil: as contribuições da educação ambiental. Revista Brasileira de Ciências Ambientais (online), Rio de Janeiro, v. 43, n. 04, p.47-57, set. 2015.

MACEDO, R. G.; PIMENTA, H. C. D. Diagnóstico do gerenciamento de resíduos sólidos de uma instituição de ensino federal do Rio Grande do Norte. Revista de Engenharia Ambiental. Espírito Santo do Pinhal, v. 7, n. 4, p. 211-231, out/dez.2010.

MACORREIA, M. E. Contribuição da educação ambiental no âmbito de desenvolvimento de gestão residual no Instituto Agrário Chókwè, Moçambique. Revbea, São Paulo, v. 13, n. 3, p-245-262, ago-out. 2018.

MATIAS-PEREIRA. J. Manual de metodologia de pesquisa científica. 4. Ed. São Paulo: Atlas, 2016.

MICROSOFT Office. Microsoft Excel. Version 2016. [s,1.]: Microsoft Corporation, 2016.

MONTEIRO, P.H.P. et al. Manual de Gerenciamento Integrado de resíduos sólidos. Rio de Janeiro: IBAM, 2001.

NAVEEN, B. P.; SITHARAM, T.G.; SIVAPULLAIAH, P.V. Evaluation of Dynamic Properties of Municipal Solid Waste Sites by Geophysical Tests. The Journal of Solid Waste Technology and Management. Philadelphia, v. 43, n.4, p. 273-279, mar. 2015.

OLIVEIRA, E. L. et al. Logística reversa: uma análise do descarte de baterias e celulares nos pontos de coleta da Claro em Chapecó – SC. Simpósio Internacional de Gestão de Projetos, 2. 2013. São Paulo. Anais Eletrônicos. São Paulo. Disponível em: < http://revistas.unama.br/index.php/aos/article/viewFile/66/pdf>. Acesso em: 20 jun. 2018.

OLIVEIRA, M. F. Metodologia científica: manual para a realização de pesquisas em Administração. Goiás: Catalão, 2011.

ORIGINLAB. Graphing & Analysis. Version 8.0. [s.1.]: Origin Lab, 2016.

PINHEIRO, L. A; SILVA, E. R. Estudos sobre resíduos sólidos de serviços de Saúde e a educação ambiental. Revista Internacional de Ciências, Rio de Janeiro, v.6, n.1, p. 21-28, jan./jun. 2016.

RANA, R.; GANGULY, R.; GUPTA, A. K. Evaluation of solid waste management in satellite towns of mohali and Panchkula–India. The Journal of Solid Waste Technology and Management. Philadelphia, v. 43, n.4, p. 280-294, mar. 2017.

REZENDE, J. H. et al. Composição gravimétrica e peso específico dos resíduos sólidos urbanos em Jaú (SP). Engenharia Sanitária e Ambiental. Rio de Janeiro, v. 18, n. 01, p. 1-8, jan/mar. 2013.

ROCHA, A. C. Niveles éticos y gestión de residuos: Evaluando el sistema de recogida selectiva “puerta a puerta. Dilemata, Madrid, v. 5, n.13, p. 209-229, set. 2013.

ROSA, T.F.D. Produção de serrapilheira, concentração e acúmulo de nutrientes em povoamentos de teca. 2010. 59. Dissertação (mestrado) - Pós-Graduação em Ciências Florestais e Ambientais. Universidade Federal de Mato Grosso. Cuiabá-MT, 2010.

SILVA, J. X.; ZAIDAN, R. T. Geoprocessamento e Análise Ambiental: Aplicações. 6° ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2012.

SOUZA, V. O. Educação Ambiental na efetivação de práticas ecológicas: Um estudo de caso sobre práticas ecológicas e coleta seletiva na universidade estadual da paraíba. Revista Brasileira de Educação Ambiental, São Paulo, v. 9, n. 2, p.364-375, fev.2014.

SZABÓ, A. M. J. Educação Ambiental e Gestão de Resíduos. 3. ed. São Paulo: Rideel, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-261

Refbacks

  • There are currently no refbacks.