As práticas de saúde e a realidades dos profissionais de educação física em polos de academia da saúde / Health practices and the realities of physical education professionals in health academy poles

Laura Maria Vieira Bezerra do Valle, Maria Luci Esteves Santiago, Renata Batista dos Santos Pinheiro, Joseline Lima e Silva Pinho, Michelle Vicente Torres, Francisca Islandia Cardoso da Silva

Abstract


Este estudo tem como objetivo identificar as ações e atividades desenvolvidas no Programa Academia da Saúde e caracterizar as dificuldades e potencialidades de modo a ampliar o corpo de conhecimento acerca desse espaço emergente de atuação no campo de práticas corporais/atividade física na saúde. Os resultados mostram que as atividades mais desenvolvidas observa-se a prevalência da ginástica (aeróbica e localizada). A principal dificuldade apontada entre os entrevistados foi na estrutura/material para realização das atividades nos Polo Academia da Saúde, e como potencialidade no trabalho nos Polo Academia da Saúde está a adesão aos alunos as atividades propostas. Destaca-se que nenhum dos profissionais se utiliza do sistema de informação da atenção básica (e-SUS) para monitoramento de ações. O Programa Academia da Saúde em Teresina enfrenta o desafio de concretizar a Promoção da Saúde, especialmente para estabelecimento de parcerias para atividades; co-gestão dos espaços  e metodologias de avaliação das  ações realizadas.


Keywords


Promoção da Saúde, Programa Academia da Saúde, Profissionais.

References


ALMEIDA, A.R,; ATHAYDE, F.T.S. Promoção da saúde, qualidade de vida e iniquidade em saúde: reflexões a saúde pública. Tempus Actas de Saúde coletiva, brasília, v.9, n.2, p.165-172, jun.2015. Disponível em: . Acesso em: 23/12/2019.

ANJOS TC, DUARTE ACGO. A Educação Física e a estratégia de saúde da família: formação e atuação profissional. Physis. 2009;19(4):1127-4. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S010373312009000400012&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 23/12/2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Promoção à Saúde. Brasília, 2006. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_saude_3ed.pdf. Acesso em: 12/12/2019.

______. Ministério da Saúde (BR). Política Nacional de Promoção da Saúde. 3ª. Ed. Brasília: Ministério da Saúde; 2010. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/politica_nacional_promocao_saude_3ed.pdf. Acesso em: 14/12/2019.

______. Ministério da Saúde. Portaria no 2.681, de 7 de novembro de 2013. Redefine o Programa Aca¬demia da Saúde no âmbito do Sistema Único de Saúde (SUS). Diário Oficial da União 2013. Disponivel em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2013/prt2681_07_11_2013.html. acesso em: 14/12/2019.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. e-SUS Atenção Básica: Sistema com Coleta de Dados Simplificada : CDS / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2013. Disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/documentos/manual_CDS_ESUS_1_3_0.pdf. acesso em 18/01/2020.

______. Ministério da Saúde (BR). Academia da Saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2014. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/academia_saude_cartilha.pdf. Acesso em: 14/12/2019.

______. Ministério da Saúde. Portaria no. 1707, de 23 de setembro de 2016. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília. 2016. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/saudelegis/gm/2016/prt1707_23_09_2016.html. Acesso em: 14/12/2019.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Panorama nacional de implementação do Programa Academia da Saúde: monitoramento nacional da gestão do Programa Academia da Saúde: ciclo 2016 [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/panorama_academia_saude_monitoramento_programa.pdf. Acesso em: 14/12/2019

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬______. Ministério da Saúde. Curso de aperfeiçoamento em implementação da Política Nacional de Promoção da Saúde: Programa Academia da Saúde / Ministério da Saúde; Universidade Federal de Santa Catarina. – 2. ed. – Brasília : Ministério da Saúde, 2017. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/curso_aperfeicoamento_politica_nacional_academia.pdf. Acesso em: 23/12/2019.

¬¬______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. Panorama nacional de implementação do Programa Academia da Saúde : monitoramento do Programa Academia da Saúde : ciclo 2017 / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância de Doenças e Agravos não Transmissíveis e Promoção da Saúde. – Brasília : Ministério da Saúde, 2018ª. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/panorama_academia_saude_monitoramento_programa.pdf. Acesso em 23/12//2019.

______. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Programa Academia da Saúde : caderno técnico de apoio a implantação e implementação [recurso eletrônico] / Ministério da Saúde, Secretaria de Atenção à Saúde, Departamento de Atenção Básica. – Brasília: Ministério da Saúde, 2018b disponível em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/implatacao_academia_saude.pdf. acesso em: 04/01/2020.

CASTRO ED, SILVA DM. Atos e fatos de cultura: territórios das práticas, interdisciplinaridade e as ações na interface da arte e promoção da saúde. Rev Terapia Ocupacional 2007; 18(3):102-112. Disponível em: http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/14013/15831. Acesso em 22/12/2019.

COELHO CS, VERDI MIM. Políticas e programas de atividade física: uma crítica à luz da promoção da saúde Transform Soc. 2015;6(3);96-108. Disponível em: http://incubadora.periodicos.ufsc.br/index.php/saudeetransformacao/article/view/3556/4488. Acesso em 23/12/2019.

COTTA RMM, SCHOTT M, AZEREDO CM, FRANCESCHINI SCC, PRIORE SE, DIAS G. Organização do trabalho e perfil dos profissionais do Programa Saúde da Família: um desafio na reestruturação da Atenção Básica em Saúde. Epidemiol Serv Saúde. 2006;15(3):7-18. Disponível em: http://scielo.iec.gov.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1679-49742006000300002. Acesso em 23/12/2019.

FERNANDES AP; ANDRADE ACS; COSTA DAS; DIAS MAS; MALTA DCM; CAIAFFA WT. Programa Academias da Saúde e a promoção da atividade física na cidade: a experiência de Belo Horizonte, MG, Brasil.

FLORINDO AA, NAKAMURA PM, FARIAS JC Jr, SIQUEIRA FV, REIS RS, CRUZ DKA, et al. Promoção da atividade física e a da alimentação saudável e a saúde da família em municípios com academia da saúde. Rev Bras Educ Fís Esp. 2016;30(4):913-24. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1807-55092016000400913&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em 23/2019.

Ciênc. saúde colet. 22 (12) Dez 2017. Disponível em: https://doi.org/10.1590/1413-812320172212.25282017. Acesso em: 18/01/2020.

FORJAZ CLM, TRICOLI V. A fisiologia em educação física e esporte. Rev bras educ fís esporte. 2011;25 (spe):7-13. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/rbefe/v25nspe/02.pdf. Acesso em 08/12/2019.

FURTADO RP, OLIVEIRA MFM, SOUSA MF, VIEIRA PS, NEVES RLR, RIOS GB, SIMON WJ. O trabalho do professor de Educação Física no CAPS: aproximações iniciais. Movimento, Porto Alegre, v. 21, n. 1, p. 41-52, jan./mar. de 2015. Disponível em: file:///C:/Users/asus/Downloads/43457-223019-1-PB.pdf. Acesso em 04/01/2020.

GONÇALVES LB, ALMEIDA RCA, OLIVEIRA TMO, PALÁCIO MAV, Pinto AGA. Prograna Academia da Saúde: Operacionalidade, ações e integração. Rev Bras Promoç Saúde. 2019; 32:8381.

GUARDA FRB. SILVA RN. FEITOSA WMN. Neto PMS. JÚNIOR JLACA. Caracterização das equipes do Programa Academia da Saúde e seu processo de trabalho. Rev Bras Ativ Fis Saúde. Pelotas/RS 20(6):638-640 Nov2015. Disponível em: file:///C:/Users/asus/Downloads/6123-Texto%20do%20Artigo-25194-1-10-20160303%20(3).pdf. Acesso em 23/12/2019.

HALLAL PC. Atividade física e saúde no Brasil: pesquisa, vigilância e políticas. Cad Saúde Pública 2014; 30: 2487-9. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csp/v30n12/pt_0102-311X-csp-30-12-02487.pdf. Acesso em 22/12/2019.

KLEIN, CH. BLOCH, KV. Estudos Seccionais. In: Medronho, Roberto A. Epidemiologia. São Paulo: Editora Atheneu, 2005

MALTA DC, NETO OLM, SILVA MMA. Política Nacional de Promoção da Saúde (PNPS): capítulos de uma caminhada ainda em construção. Ciência & Saúde Coletiva, 21(6):1683-1694, 2016. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232016000601683&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 10/12/2019.

MARQUI ABT, JAHN AC, Resta DG, Colomé ICS, Rosa N, Zanon T. Caracterização das equipes da Saúde da Família e de seu processo de trabalho. Rev Esc Enferm USP. 2010;44(4):956-61. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.hp?script=sci_arttext&pid=S0080-62342010000400014. Acesso em: 22/12/2019.

MEDEIROS CRG, JUNQUEIRA AGW, SCHWINGEL G, CARRENO I, JUNGLES LAP, SALDANHA OMFL. A rotatividade de enfermeiros e médicos: um impasse na implementação da Estratégia de Saúde da Família. Ciênc saúde coletiva. 2010;15( Suppl 1):1521-31. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1413-81232010000700064&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 23/12/2019.

MORETTI AC, ALMEIDA V, WESTPHAL MF, BÓGUS CM. Práticas corporais/atividade física e políticas públicas de promoção da saúde. Saude Soc 2009; 18(2):346-354. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/sausoc/v18n2/17.pdf. Acesso em: 22/12/2019.

MORAES P, SEBASTIÃO E, COSTA JLR, GOBBI S. Projeto Saúde na Praça: uma experiência de promoção da saúde em Araraquara-SP. Revista Brasileira de Atividade Física & Saúde. V 15 • N 4 2010. . Disponível em: file:///C:/Users/asus/Downloads/735-Texto%20do%20Artigo-1235-1-10-20120906%20(1).pdf. Acesso em: 14/12/2019.

OLIVEIRA TS, SANTIAGO MLE, FILHO LASF, LEITINHO MC. O profissional de educação física atuando no sistema único de saúde: dificuldades e suas estratégias de superação. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 6, n. 6, p.37687-37699, jun. 2020. Disponível em: file:///C:/Users/asus/Downloads/11686-30217-1-PB.pdf. Acesso em: 22/06/2020.

SÁ GBAR, DORNELLES GC, CRUZ KG, AMORIM RCA, ANDRADE SSCA, OLIVEIRA TP, et al. O Programa academia da Saúde como estratégia de promoção da saúde e modos de vida saudáveis: cenário nacional de implementação. Cienc Saúde Colet. 2016;21(6):1849-60. Disponível: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232016000601849. Acesso em: 14/12/2019.

SANTOS MC, TESSER CD. Um método para a implantação e promoção de acesso às Práticas Integrativas e Complementares na Atenção Primária à Saúde. Cien Saude Colet 2012; 17(11):3011-3024. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/csc/v17n11/v17n11a17.pdf. Acesso em: 23/12/2019

SILVA EC, PELICIONI MCF. Participação social e promoção da saúde: estudo de caso na região de Paranapiacaba e Parque Andreense. Ciênc saúde colet. 2013;18(2):563-72. Disponivel em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1413-81232013000200028&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 04/01/2019.

SILVA RN, GUARDA FRB, HALL PC, MARTELLI PJL. Avaliabilidade do Programa Academia da Saúde no Município do Recife, Pernambuco, Brasil. Cad Saúde Pública. 2017;33(4):1-16. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2017000405005&script=sci_abstract&tlng=pt. Acesso em: 14/12/2019.

SKOWRONSK M, FRAGA AB. Academia da saúde e os diferentes saberes para atuação do profissional de educação física. In Educação Física e Saúde Coletiva: cenários, experiências e artefatos Culturais / Felipe Wachs, Ueberson Ribeiro Almeida, Fabiana F. de Freitas Brandão, organizadores. – Porto Alegre: Rede UNIDA, 2016. Disponível em: http://historico.redeunida.org.br/editora/biblioteca-digital/serie-interlocucoes-praticas-experiencias-e-pesquisas-em-saude/educacao-fisica-e-saude-coletiva-cenarios-experiencias-e-artefatos-culturais-pdf. acesso em: 03/01/2019.

SOUZA SC, LOCH MR. Intervenção do profissional de educação física nos Nú-

cleos de Apoio à Saúde da Família em municípios do norte do Paraná. RBAFS 2011. Disponível em: http://rbafs.org.br/RBAFS/article/view/549. Acesso em: 03/01/2020.

TAVEIRA ZZ, SOUZA RA, MACHADO MH. Precarização dos vínculos de trabalho na Estratégia Saúde da Família: Revisão de literatura. Divulg saúde debate. 2012;47(1),102-10. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/registro/Precarizacao_dos_vinculos_de_trabalho_na_estrategia_saude_da_familia__revisao_de_literatura_/458. Acesso em: 14/12/2019.

TRAVERSO-YEPEZ, MA.. Dilemas na promoção da saúde no Brasil: reflexões em torno da política nacional. Interface (Botucatu) [online]. 2007, vol.11, n.22, pp.223-238. Disponivel em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S1414-32832007000200004&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 23/12/2019.

TOMASI E, FACCHINI LA, PICCINI RX, THUMÉ E, SILVEIRA DS, SIQUEIRA FV, et al. Perfil sociodemográfico e epidemiológico dos trabalhadores da atenção básica à saúde nas regiões Sul e Nordeste do Brasil. Cad Saúde Pública. 2008;24(sup 1):193-201. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_abstract&pid=S0102-311X2008001300023&lng=en&nrm=iso&tlng=pt. Acesso em: 23/12/2019.

WERMELINGER M, MACHADO MH, TAVARES MFL, OLIVEIRA ES, MOYSÉS MNM. A força de trabalho do setor de saúde no Brasil: focalizando a feminização. Divulg saúde debate. 2010;45:55-71. Disponível em: http://www.ensp.fiocruz.br/observarh/arquivos/A%20Forca%20de%20Trabalho%20do%20Setor%20de%20Saude%20no%20Brasil%20.pdf. Acesso em: 23/12/2019.

WERNECK MAF. Protocolo de cuidados à saúde e de organização do serviço / Marcos Azeredo Furkim Werneck. Belo Horizonte: Nescon/UFMG, Coopmed; 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-226

Refbacks

  • There are currently no refbacks.