Avaliação de estrutura prisional para assistência de enfermagem à saúde materno-infantil / Evaluation of prison structure for nursing assistance to childhood and children

Daiany Maria Castro Nogueira, Emilia Soares Chaves Rouberte, Ana Claudia Rodrigues Ferreira, Rebecca Silveira Maia, Bianca Leslie Feitosa dos Santos, Fernanda Pereira de Sousa, Marcia Regia do Nascimento Duarte

Abstract


O Sistema Único de Saúde apresenta como uma de suas diretrizes o atendimento integral. Dentre os diversos ambientes para realizar atendimento em saúde encontra-se o ambiente prisional, que apresenta diversas limitações quanto a assistência e apresenta-se como um ambiente pouco priorizado nas questões de saúde, apesar de todas as determinações do Plano Nacional de Saúde no Sistema Penal e legislações específicas. Além disso, a população carcerária feminina apresenta demandas diferenciadas em relação à saúde, como por exemplo, a manutenção dos filhos no ambiente penal em média até os 18 meses de idade. Desta forma, o objetivo deste trabalho foi avaliar a estrutura oferecida para a realização do trabalho em saúde em uma penitenciária feminina. A pesquisa foi realizada em dois momentos: a observação da assistência de enfermagem prestada às mães e crianças e verificação da estrutura oferecida para a assistência em saúde, bem como entrevista, norteada por questionário, aos profissionais de saúde. Observou-se que a referida penitenciária segue, dentro de suas limitações, as recomendações contidas no plano estadual de saúde no sistema penitenciário (Ceará), todavia há necessidade de uma estrutura compatível com a demanda de mulheres, assim como ações educativas em saúde para minimizar disseminação de doenças.


Keywords


prisões, assistência de enfermagem, saúde da mulher, saúde da criança.

References


BRASIL. Câmara dos Deputados. Estatuto da criança e do adolescente. Lei n° 8.069, de 13 de julho de 1990, e legislação correlata. Biblioteca Digital da Câmara dos Deputados. 9ª edição, 2012. Disponível em: Acesso em 26 de março de 2018.

________. Congresso Nacional. Lei nº 11.942, de 28 de maio de 2009.Dá nova redação aos arts. 14, 83 e 89 da Lei no 7.210, de 11 de julho de 1984 – Lei de Execução Penal, para assegurar às mães presas e aos recém-nascidos condições mínimas de assistência. [2009] Disponível em: Acesso em 26 de março de 2018.

________. Constituição da República Federativa do Brasil. Vade mecum. 19ª ed. São Paulo: Saraiva, 2015.

________. Ministério da Saúde. Agenda de Compromissos para a Saúde Integral da Criança e Redução da Mortalidade Infantil. Brasíllia. 1° edição, série A, 2004. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/agenda_compro_crianca.pdf. Acesso em: 20/092016 as 22:52.

________. Ministério da Saúde. Cadernos de atenção básica. Atenção ao pré natal de baixo risco. Brasília. 1° edição, Série A, n. 32. 2012.

________. Ministério da Saúde. Cadernos de atenção básica. Saúde da criança: crescimento e desenvolvimento. Brasília. 1° edição, n. 33. 2012.

________.Ministério da Saúde. Saúde da criança. Série Cadernos de Atenção Básica. n°11.Brasília/DF, 2002. Disponível em: < http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/crescimento_desenvolvimento.pdf > Acesso em: 26 jan. 2016

________.Ministério da Saúde. Saúde no sistema penitenciário.Brasília/DF, 2010. Disponível em: Acesso em: 26 jan. 2016.

________. Ministério da Saúde. Política Nacional da Atenção Básica. Brasília. V. 4, 2006.

CEARÁ. Censo penitenciário do estado do Ceará. Fortaleza, 2014. Disponível em: http://www.sejus.ce.gov.br. Acesso em 20/09/2016 as 22:37.

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA. População carcerária feminina aumentou 567% em 15 anos no Brasil. Disponível em: http://www.cnj.jus.br/noticias/cnj/80853-populacao-carceraria-feminina-aumentou-567-em-15-anos-no-brasil . acesso em: 20/09/2016 às 22:24.

DESSEN, M. A.; POLONIA, A. C. A Família e a Escola como contextos de desenvolvimento humano.Universidade de Brasília, Paidéia, Distrito Federal, v. 17, n. 36, p. 21-32, 2007.

MARCIANE, K. O.; ORATI P. L.; ABRÃO, A. C. F. V. Educação em saúde: repercussões no crescimento e desenvolvimento neuropsicomotor do recém- nascido. Rev Bras Enferm, Brasília, v. 65, n. 1, p. 141-147, jan-fev, 2012.

MARCONDES, N. A. V.; BRISOLA, E. M. A. Análise por triangulação de métodos: um referencial para pesquisas qualitativas. Revista univap. São José dos Campos-São Paulo.v.20, n. 15, jul/2014.

MARCONI, M. A.; LAKATOS, E. M. Fundamentos da metodologia científica. 5. Ed, São Paulo: Atlas, 2003.

NEVES, E. P.; ZAGONEL, I. P. S. Pesquisa-cuidado: uma abordagem metodológica que integra pesquisa, teoria e prática em enfermagem. CogitareEnferm.; v.11, n.1, p. 73-79 jan/abr, 2006.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-191

Refbacks

  • There are currently no refbacks.