Perfil de prescrição de psicotrópicos em uma unidade básica de saúde do Paraná / Profile of prescription of psychotropics in a basic health unit of Paraná

Maria Paula Claro, Cristiano Massao Tashima, Camila Dalcól, Edna Aparecida Lopes Bezerra Katakura

Abstract


A prescrição de psicotrópicos para tratamento de transtornos psiquiátricos ou sofrimento emocional parece ser uma prática comum na Atenção Primária, e sua utilização prolongada e de forma abusiva pode comprometer a saúde do indivíduo. Este estudo teve como objetivo analisar a prescrição de medicamentos psicotrópicos para usuários da Atenção Básica, através da análise de prontuários.Trata-se de um estudo documental com uma amostra de 130 prontuários analisados em uma Unidade Básica de Saúde do Paraná. Foram selecionados os prontuários de usuários acima de 18 anos de idade, com prescrições de psicotrópicos, no período entre janeiro de 2018 a julho de 2019. Quanto ao perfil sociodemográfico a amostra foi predominantemente feminina, a maioria vive com companheiro e com baixo nível de escolaridade, o consumo expressivo se deu na população idosa, com predominância profissional não formal, donas de casa. Entre os antidepressivos o mais utilizado foi a a Fluoxetina. Quanto ao diagnóstico das patologias, a maioria não estava relacionado ao diagnóstico de transtornos mentais e poucos pacientes foram encaminhados para o serviço especializado. A terapia medicamentosa é a principal estratégia de tratamento de sintomas e doenças.

 


Keywords


Atenção Primária à Saúde, Psicotrópicos, Saúde Mental.

References


ANDERSON P. Meditation may reduce depression in primary care. Medscape. 2018.

ASSEM HILGER E, et al. Benzodiazepine use in the elderly: an indicator for inappropriately treated geriatric depression? Geriatrics Psychiatry. 2009; 24(6):563-9

ARAUJO CLO, CEOLIM MF. Sleep quality of elders living in long term care institutions. Revista Escola de Enfermagem USP. 2010; 44(3):619-26.

BRASIL. Resolução CFM nº 1.638. Define prontuário médico e torna obrigatória a criação da Comissão de Revisão de Prontuários nas instituições de saúde. 2002.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Coordenação de Saúde Mental e Coordenação de Gestão da Atenção Básica. Saúde Mental e Atenção Básica – o vínculo e o diálogo necessários. Brasília, 2003.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde, D.A.P.E., Coordenação Geral de Saúde Mental. Reforma psiquiátrica e política de saúde mental no Brasil. Documento apresentado à Conferência Regional de Reforma dos Serviços de Saúde Mental:15 anos depois de Caracas. OPAS. Brasília (DF); 2005.

BRASIL. Ministério da Saúde. Saúde Mental Brasília: Ministério da Saúde.

ESCRIVÁ R, et al. Prescripción de benzodiacepinas en un centro de salud: prevalencia, cómo es su consumo y características del consumidor. Atención Primaria. 2000; 25(2):107-10.

FIGUEIREDO, ACD. Consumo e gastos com psicotrópicos no Sistema Único de Saúde no estado de Minas Gerais: análise de 2011 a 2013. Dissertação (Mestrado em Saúde Coletiva) - Universidade de Brasília, Brasília, 2015; 63f.

FONSECA AA, et al. Representações Sociais da Depressão em Jovens

Universitários Com e Sem Sintomas para Desenvolver a Depressão Psicologia: Reflexão e Crítica. 2008; 21 (3):492-498.

FOURRIER A, et al. B. Benzodiazepine use in an elderly communitydwelling popula-tion. Characteristics of users and factors associated with sub-sequent use. 2001; 57(5):419-25.

GUERRA CCM, et al. Perfil epidemiológico e prevalência do uso de psicofármacos em uma unidade referência para saúde mental. Revista de enfermagem UFPE. Recife. 2013; v. 7, n. 6, p. 4444-51.

HILDEBRANDT LM, et al. Prevalência no consumo de psicotrópicos pela população assistida por um serviço municipal de saúde. 2009.

JÚNIOR GAS et al. Transtornos de ansiedade medicina ambulatorial. In: Ducan BB, Schmidt MI, Giugliani ERJ, Duncan MS, Giugliani C. Medicina ambulatorial: condutas de atenção primária baseadas em evidências. 4. ed. Porto Alegre (RS): Artmed. 2014; p. 1691-718.

KRPAN KM, et al. An everyday activity as a treatment for depression: The benefits of expressive writing for people diagnosed with major depressive disorder. 2013; 150(3): 1148–1151

LANCET GLOBAL MENTHAL HEALTH GROUP: Scaling up services for mental disorders a call for action. 2007.

MARTINS FEG. Avaliação da eficácia do tratamento homeopático na depressão: uma análise da literatura (monografia). Brasília: Universidade de Brasília; 2016.

MENDONÇA RT. Corpo feminino medicado e silenciado: gênero e performance. Saúde & Transformação Sociológica. 2011; 1(2):43-50.

MORENO RA, et al. Psicofarmacologia de antidepressivos. Revista Brasileira de Psiquiatria. 2001; 21: 24-40.

NOGUEIRA MI. Entre a conversão e o ecletismo: de como médicos brasileiros tornam-se “chineses”. Tese de doutorado. Rio de Janeiro: IMS/ UERJ, 2003.

OLIVEIRA AD, et al. A intersetorialidade nas políticas públicas para o envelhecimento no Brasil. Revista Kairós Gerontologia. 2014.

ONOCKO CAMPOS, et al. Avaliação de estratégias inovadoras na organização da Atenção Primária à Saúde. Revista Saúde Pública. 2012; v.46, n.1, p.43-50.

RODRIGUES, et al. Modificações nos padrões de consumo de psicofármacos em localidade do Sul do Brasil. Revista de Saúde Pública.

; vol.40, n.1, pp. 107-114.

SCHRAIBER, L. B. Quando o 'êxito técnico' se recobre de 'sucesso prático': O sujeito e os valores no agir profissional em saúde. Ciência & Saúde Coletiva. 2011; 16(7),3041-3042).

SEBASTIÃO ECO, PELÁ IR. Consumo de medicamentos psicotrópicos: análises de receitas médicas ambulatoriais como base para estudos de problemas relacionados com medicamentos. Seguimento Farmacoterapêutico. 2004; 2 (4): 250-266.

SERENO, Victória Maria Bezerra; SILVA, Aline Santos; DA SILVA, Gabriela Cavalcante. Perfil epidemiológico das intoxicações por medicamentos no Brasil entre os anos de 2013 a 2017/Epidemiological profile of drug intoxications in Brazil between 2013 and 2017. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 6, p. 33892-33903, 2020.

SILVA FG, TAVARES NETO J. Avaliação dos prontuários médicos de hospitais de ensino do Brasil. Revista Brasileira Educação Médica. 2007; 31: 113-26.

SILVA, et al. Medicamentos psicotrópicos dispensados em unidade básica de saúde em grande município do estado de São Paulo. Revista Eletrônica Gestão e Saúde. 2013; n. 1, p. 2004-2015.

SOUZA ARL, et al. Contextos e padrões do uso indevido de benzodiazepínicos entre mulheres. Ciência Saúde Coletiva. 2013; 18(4):1131-40.

VASCONCELLOS MM, et al. Registros em saúde: avaliação da qualidade do prontuário do paciente na atenção básica. Rio de Janeiro, Brasil. Caderno de Saúde Pública. 2008; 24: S173-82.

VERONESE A, et al. Benzodiazepine use in the real world of psychiatric practice: low-dose, long-term drug taking and low rates of treatment discontinuation. Clinic Pharmacology. 2007; 63(9):867-73.

WANDERLEY TC, et al. Práticas de saúde na atenção primária e uso de psicotrópicos: uma revisão sistemática da literatura. Revista de Ciências Médicas e Biológicas, v. 12, n. 1, p. 121-126, 2013.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-167

Refbacks

  • There are currently no refbacks.