Prevalência de óbitos maternos na microrregião do Cariri Do Ceará / Prevalence of maternal deaths in the micro-region of Cariri Do Ceará

José Leonardo Gomes Coelho, Cicero Jerfesson Ferreira Silva, Francisco Leonardo da Silva Feitosa, Willma José de Santana, Francisca Eritânia Passos Rangel, Rafael de Carvalho Mendes, Thiago Adolfo Sobreira Miranda, Emanuela Machado Silva Saraiva

Abstract


Introdução: A mortalidade materna constitui uma grande problemática para a Saúde Pública, sendo considerada como uma violação dos direitos humanos, já que se trata de uma tragédia evitável em cerca de 92% dos casos. Objetivo: Verificar a prevalência de óbitos maternos na microrregião do Cariri. Método: Trata-se de um estudo ecológico, descritivo e exploratório com abordagem quantitativa, realizado junto ao banco de dados do DATASUS, referente às notificações ocorridas no período de 2000 a 2017 nos municípios que compreendem a microrregião do Cariri cearense, sendo estes: Barbalha, Crato, Jardim, Juazeiro do Norte, Missão Velha, Nova Olinda, Porteiras e Santana do Cariri. Analisaram-se as seguintes variáveis: escolaridade, estado civil, faixa etária, raça, gravidez puerpério, local da ocorrência, óbito investigado e tipos e causas. Resultados: Verificou-se um total de 108 notificações, durante o recorte temporal analisado; a cidade de Juazeiro do Norte possui maior índice, com 49 notificações (45,4%); o ano de 2003 apresentou o maior número de notificações (9,3%).  O óbito ocorreu durante o puerpério até 42 dias (34,3%), o principal local de ocorrência foi no hospital (88%), com relação a investigação do óbito a maioria das notificações não se aplicam (42,6%) e o principal tipo e causa foi a morte materna obstétrica direta (55,6%). Conclusão: O elevado número de casos de óbitos relacionados às causas obstétricas diretas revela que pode haver déficit na assistência à saúde da mulher em período gestacional. É necessário a compreensão dos determinantes socioeconômicos, educacionais e assistenciais envolvidos nesta problemática, no intuito de propor e implementar estratégias efetivas de prevenção à mortalidade materna puerperal.


Keywords


Epidemiologia. Mortalidade Materna. Puerpério

References


BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Ações Programáticas e Estratégicas. Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher: princípios e diretrizes. Brasília (DF): Ministério da Saúde; 2009.

CIRELLI JF et al. The Burden of Indirect Causes of Maternal Morbidity and Mortality in the Process of Obstetric Transition: A Cross-Sectional Multicenter Study. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia/RBGO Gynecology and Obstetrics; v. 40, n. 3, p. 106-114, 2018.

FERRAZ L, BORDIGNON M. Mortalidade materna no Brasil: uma realidade que precisa melhorar. Rev Baiana de Saúde Pública, v. 36 n. 2, p. 527-538, 2012.

FIGUEIREDO, K. M. S.; GONÇALVES, G A. A.; BATISTA, H. M. T.; AKERMAN, M.; PINHEIRO, W. R.; NASCIMENTO, V. B. Actions of primary health care professionals to reduce maternal mortality in the Brazilian Northeast. International Journal for Equity in Health, 2018.

GUIMARÃES TA et al. MORTALIDADE MATERNA NO BRASIL ENTRE 2009 E 2013/MATERNAL MORTALITY IN BRAZIL BETWEEN 2009 AND 2013. Revista de Pesquisa em Saúde; v. 18, n. 2, 2018.

KONGNYUY EJ, BROEKS N. The difficulties of conducting maternal death reviews in Malawi. BMC Pregnancy and Childbirth; v. 8, p. 42, 2008.

RAY, J. G. ; PARK, A. L. ; DZAKPASU, S. ; DAYAN, N.; DEB-RINKER, P.; LUO, W; JOSEPH, K. S. . Prevalence of Severe Maternal Morbidity and Factors Associated With Maternal Mortality in Ontario, Canada. JAMA Network Open, 2018.

SAINTRAIN S. V. ; OLIVEIRA, J. G. R. de ; SAINTRAIN, M. V. L. de; BRUNO, Z. V. ; BORGES, J. L. N. ; DAHER, E. F. de ; JR G. B. S. da. Factors associated with maternal death in an intensive care unit. Rev. Bras. Ter Intensiva, 2016.

SAINTRAIN, SILVA, B. G. C. da; LIMA, N. P.; SILVA, S. G. da; ANTÚNEZ, S. F.; SEERIG, L. M.; RESTREPO-MÉNDEZ, M. C.; WEHRMEISTER, F. C. Mortalidade materna no Brasil no período de 2001 a 2012: tendência temporal e diferenças regionais. Rev. Bras. Epidemiol. Jul-Set, 2016.

VEJA, C. E. P.; SOARES, V. M. N.; NASR, A. M. L. F. Mortalidade materna tardia: comparação de dois comitês de mortalidade materna no Brasil. Cad. Saúde Pública, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-156

Refbacks

  • There are currently no refbacks.