Gerenciamento de resíduos sólidos: Estudo sobre a proibição do uso de canudos descartáveis / Solid waste management: Study on the prohibition of the use of disposable harvesters

Filipe Do Amaral Navega, Lucas Buçard Ferreira, Andréia Boechat Delatorre, Cristiane De Jesus Aguiar, Thiago de Freitas Almeida, Michaelle Cristina Barbosa Pinheiro Campos

Abstract


O uso de plástico tem se tornado cada vez mais comum devido a sua versatilidade, baixo custo e variedade de aplicações, mas em contrapartida tem causado severos danos ambientais. Dentro os itens de consumo, o canudo se apresenta como um grande vilão, representando, aproximadamente, 4% do total de lixo plástico do mundo. O excesso de geração desse tipo de resíduos se deve ao curto tempo de uso. Este trabalho tem por objetivo analisar a luz da LEI Nº 3794/2018 a respeito da proibição dos canudos no Estado do Rio de Janeiro. Para tanto, foi realizado uma pesquisa exploratória com alunos da Universidade Estácio de Sá - Campus Macaé, por meio de questionário às cegas. Além de coleta de dados em estabelecimentos comerciais próximos ao Campus, a fim de saber a aderência à nova Lei. A pesquisa estudou se o conhecimento sobre a lei estava associado ao grau de escolaridade e os resultados mostraram que do total de entrevistado (200 pessoas) 87,5% possuem ensino superior incompleto e 12,5% ensino superior completo. Esse resultado amostral permite observar que, teoricamente, se trata de um público com leitura ativa, devida a fase de formação acadêmica. No levantamento de dados sobre o consumo de canudos plásticos, 80% dos alunos que possuem superior completo fazem uso de canudos e 20% não usam. Já os que possuem superior incompleto, 76% fazem uso de canudos enquanto apenas 24% não utilizam. Quando indagados sobre o conhecimento da existência da Lei, a maioria dos entrevistados com maior grau de instrução (80%) afirmou ter conhecimento sobre a legislação e 20% disseram não conhecer. Já com os de menor instrução foi possível observar 55% tinham conhecimento da lei e 45% informaram não ter conhecimento. Os resultados mostraram ainda que do total de entrevistas de 44% participantes sabem que a lei entrou em vigor em agosto/2018 e cerca de 56% informaram não ter conhecimento. Com base nos resultados obtidos na pesquisa, foi realizada a análise SWOT identificando os pontos fortes, fracos, oportunidades e ameaças acerca da aplicação da lei. O estudo concluiu que a proibição da utilização e comercialização dos canudos plásticos contribui para conscientização. No entanto, a sensibilização não está ligada ao grau de instrução e nem tão pouco a conscientização, visto que seguir regras ainda é um desafio para humanidade. Ainda é preciso evoluir na divulgação das Leis que norteiam assuntos ambientais para que em curto prazo a população exerça seu papel fiscalizador, assumindo seu ato de poluidor, mas buscando o uso consciente e sustentável, a fim e de se tornar um pagador, conforme preconiza o programa nacional de resíduos sólidos.


Keywords


Plástico, Le, Sustentabilidade.

References


ABNT - ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS. Norma NBR 10.004. 2004. Disponível em:ALLINGER, N. L.; CAVA, M. P.; JONGH, D. C. de; et al. Química orgânica. 2. Ed. Rio de Janeiro: LTC, 1976.

ARGÜELLO, C. C. Centro Pan-Americano de Engenharia Sanitária e Ciências do Ambiente. Guia para o manejo interno de resíduos sólidos em estabelecimentos de saúde – Brasília, DF: Organização Pan-Americana da Saúde, 2017.

ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO RIO DE JANEIRO. LEI 3794/2018 - Proibe a utilização de canudos de plástico, exceto os biodegradáveis, em restaurantes, bares, quiosques, ambulantes, hotéis e similares no âmbito do estado do rio de janeiro. De 7 de fevereiro de 2018.

BARBETTA, P. A. Estatística aplicada às ciências sociais. 5. ed. Santa Catarina: Ed. UFSC. 2017.

BRASIL. Lei n° 12.305, de 2 de agosto de 2010. Política Nacional de Resíduos Sólidos. 2010.Disponível em: .

BRINGHENTI, J. Coleta seletiva de resíduos sólidos urbanos: Aspectos operacionais e da participação da população. 2004. 234 f. [Tese de Doutorado – Faculdade de Saúde Pública da USP] São Paulo, 2014.

BRITISH PLASTICS FEDERATION, PlasticsRecycling. 2011. Disponível em: http://www.bpf.co.uk/sustainability/plastics_recycling.aspx. Acesso em 27.set. 2018.

BRITO, G. F.; AGRAWAL, P.; ARAÚJO, E. M.; MÉLO, T. J. A. Biopolímeros, Polímeros Biodegradáveis e Polímeros Verdes. Revista Eletrônica de Materiais e Processos, v.6 (2), 2011.

CANGEMI, J. M.; DOS SANTOS, A. M. E SALVADOR CLARO NETO, S. C. Biodegradação na redução de resíduos plásticos. Revista química nova na escola. N° 22, NOVEMBRO 2005

CARVALHO, P. O. de S.; OLIVEIRA, M. A. Análise de Embalagens: a Proposta de um Modelo Discriminante de Avaliação.VI Simpósio de Excelência em Gestão e Tecnologia, Rio de Janeiro, 2017.

CAVALCANTI, J. E. A Década De 90 é dos Resíduos Sólidos. 2004. Disponível em:.

CETESP-SP. Dioxinas e Furanos. São Paulo, SP, 2012. Disponível em: http://www.cetesb.sp.gov.br/userfiles/file/laboratorios/fit/Dioxinas-e-furanos.pdf.

CEMPRE - Compromisso Empresarial para Reciclagem “Política Nacional de Resíduos Sólidos - Agora é lei”. 2010. Disponível em:..

DIAS, M. do C. O. (coord.); PEREIRA, M. C. B.; DIAS, P. L. F.; VIRGÍLIO, J. F. Manual de Impactos Ambientais: Orientações Básicas Sobre Aspectos Ambientais de Atividades Produtivas. Fortaleza: Banco do Nordeste, 1999.

DIUANA, F. A. Coleta Seletiva - Projeto de Implementação. 2. ed. Rio de Janeiro: Rio de Janeiro, 2011.

DONAIRE, D. Gestão Ambiental na Empresa. 6.ed. São Paulo: Ed. Atlas S.A., 2015.

DONATO, M. O mundo do plástico: o plástico na história, o plástico no mundo, o plástico no Brasil. 12ª Ed. São Paulo: Goyana, 2016. FIUZA, G.M. & ROHLFS, D.B.. Dioxinas: causas e efeitos de um poluente orgânico persistente (POP). 2014. Disponível em: http://www.cpgls.ucg.br/6mostra/artigos/SAUDE/GABRIELLA%20MAYA%20FI%C3%9AZA.PDF.

FLORES, L. L. C; PULIDO, A. C. Problemas ambientais causados pelos resíduos sólidos urbanos. São Paulo, v. 5, n. 1, p.22, 2012.

FONSECA, M. R. M. da. Química: o meio ambiente, cidadania e tecnologia. 1. Ed. V.3. São Paulo: FTD, 2010. p. 283.

FRANCHETTI, S. M. M.; MARCONATO J. C. Polímeros BiodegradáveisUma solução parcial para diminuir a quantidade dos resíduos plásticos. Química Nova, vol. 29, No. 4, 811-816, 2006.

GONÇALVES, M. A. Ética e consumo: uma análise dos hábitos de consumo. Dissertação (Mestrado) – Universidade de Caxias do Sul, Programa de Pós-Graduação em Filosofia, 2012.

GOUVEIA N. Análise espacial dos riscos à saúde associados à incineração de resíduos sólidos: avaliação preliminar. RevBrasEpidemiol 2014.

GORNI, A. A. Introdução aos Plásticos. Revista plástico industrial, 2003. Disponível em:< http://www.gorni.eng.br/intropol.html> Acesso em: 15/09/2014. LOPES, A. R. C. Contribuições de Gaston Bachelard ao ensino de ciências. História e Epistemologia das Ciências, v. 11, n. 3, p. 324-330, 1993.

Kumar, M.; Mohanty, S.; Nayak, S. K.; Parvaiz, M. R. Effectofglycidylmethacrylate (GMA) onthethermal, mechanicalandmorphologicalpropertyofbiodegradable PLA/PBAT blendand its nanocomposites. Bioresource Technology, V. 101, n.21, 2010.

LIMA, L. M. Q. Lixo, tratamento e biorremediação. Rio de Janeiro: Hemus, 2014.

LUCAS, E.F.; SOARES, B.G. e MONTEIRO, E. Caracterização de polímeros. Rio de Janeiro: E-papers, 2001. p. 26.

MORTIMER, E. F.; MACHADO, A. H. Química 3. 1. Ed. São Paulo: Scipione, 2010, p. 249, 252, 253.

PADILHA, G. M. A e BOMTEMPO, J. V.“A inserção dos transformadores de plásticos na cadeia produtiva de produtos plásticos”, Polímeros: Ciência e Tecnologia,2015..

PARENTE, R. A. Elementos estruturais de plástico reciclado. Dissertação de M.Sc., Erro! A referência de hiperlink não é válida.USP, São Paulos, SP, Brasil, ., 2016.

PIMENTEL, A. K. S.; ARAUJO, K. K. S.; ROCHA , M. V. R. Coleta seletiva em uma empresa de limpeza publica de Maceió (AL). Maceió 2011.

PEREIRA, S. S.; MELO, J. A. B. Análise do impacto sócio-ambiental causado pela má gestão dos resíduos sólidos urbanos na cidade de Campina Grande/PB. 1º Simpósio Nordestino sobre Resíduos Sólidos – Gestão e Tecnologia de Reciclagem. Centro de Convenções Raimundo Asfora – Campina Grande – PB. Março de 2016

PIVA, A.M.; WIEBECK, H. Reciclagem do plástico. São Paulo: Artliber Editora, 2014.

RAMALHO, M. Plásticos Biodegradáveis Provenientes da Cana de Açúcar. São Paulo, Faculdade de Tecnologia da zona Leste, 2009.

RESÍDUOS SÓLIDOS. Processamento de Resíduos Sólidos Orgânicos: guia do profissional em treinamento: nível 2 / Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental (org.). – Belo Horizonte: ReCESA, 2007

REVISTA EXAME < http://planetasustentavel.abril.com.br/noticia/ambiente/6-pecados-ambientaissacolaplastica-630926.shtml>.

RIBEIRO, J. W.; ROOKE, J. M. S. Saneamento básico e sua relação com o meio ambiente e a saúde publica. Juiz de Fora, MG. 2010.

ROLIM, M. A. A reciclagem de resíduos sólidos pós-consumo em oito empresas do Rio Grande do Sul. Dissertação de M.Sc., UFRGS, Porto Alegre, RS, Brasil, 2000.

SANTOLERI, J. J., PollutionIssues, Incineration, 2011. Disponível em : http://www.pollutionissues.com/Ho-Li/Incineration.html>.

SOUZA, M. 2020 Sustentável: resíduos sólidos urbanos.2011. Dissertação de M.Sc., COPPE/UFRJ, Rio de Janeiro.

SANTOS, G. G. D. dos; Análise e Perspectivas de Alternativas de Destinação dos Resíduos Sólidos Urbanos: O Caso da Incineração e da Disposição em Aterros. Dissertação (mestrado) – UFRJ/ COPPE/ Programa de Planejamento Energético, Rio de Janeiro, 2011.

SANTOS, W. L. P. dos; MÓL, G. de S. Química cidadã: química orgânica, eletroquímica, radioatividade, energia nuclear e a ética da vida - 1. Ed. V.3. São Paulo: Nova Geração, 2010, p. 137,140, 142, 155.

SANTOS, H. M. M. Disposição final dos resíduos sólidos em Maringá-PR: Impactos e soluções. Dezembro 2010.

SCHALCH, V.; LEITE, W. C. de A.; FERNANDES JUNIOR, J. L.; CASTRO, M. C. A. A. Gestão e Gerenciamento dos Resíduos Sólidos. São Carlos (SC), 2002. Universidade de São Paulo, Escola de Escola de Engenharia de São Carlos, Departamento de Hidráulica e Saneamento da USP, (Apostila).

SPINACÉ, M.A.S, DE PAOLI, M.A. “A tecnologia da reciclagem de polímeros”, Quimica. Nova, v. 28, n. 1, 2015.

UNITEDNATIONSENVIRONMENTPROGRAMME - UNEP. ConventiononBiologicalDiversity: TextandAnnexes. Genebra, 2015.

WETON, P. Plásticos em Revista, n° 447, Ano 37. p. 25., 2011




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-143

Refbacks

  • There are currently no refbacks.