A educação em saúde como estratégia de prevenção, diagnóstico e tratamento das infecções do trato urinário, na comunidade interna do Câmpus Águas Lindas do instituto Federal de Goiás/Health education as a strategy for the prevention, diagnosis and treatment of urinary tract infections, in the internal community of the Águas Lindas Campus of the Federal Institute of Goiás

Hélio de Souza Júnior, Kélvia Donato da Silva, Fernando Agostinho da Silva Neto, Anna Clara de Aguiar Rodrigues

Abstract


As infecções do trato urinário (ITUs) decorrem da invasão e multiplicação de microrganismo, nos tecidos do trato urinário, compreendendo desde a uretra até os rins. As ITUs podem resultar em diversos problemas, principalmente em lactentes, gestantes e idosos, podendo resultar desde infecções assintomáticas, até levar o indivíduo à óbito. Conhecer o nível de conhecimento da comunidade interna do Câmpus Águas Lindas do IFG sobre as ITUs. Um questionário estruturado foi utilizado como instrumento de coleta dos dados. A aplicação do questionário ocorreu entre os meses de março e junho de 2019. Ao todo, tivemos 153 participantes. 90,8% afirmaram ser alunos e 9,2% servidores. 82,4% afirmaram ser do sexo feminino e 17,6% do sexo masculino. 53,7% afirmaram que vivem com 1 ou 2 salários mínimos. 70% dos participantes sabem o que são ITUs. 67,3% dos participantes sabem os sintomas das ITUs. 94,4% dos participantes afirmam que as crianças podem ter ITUs. 81,4% dos participantes responderam que o sexo feminino é o mais suscetível às ITUs. Aproximadamente 93% dos participantes acreditam que as gestantes podem ter complicações de saúde se estiverem com ITU. 77,1% afirmaram que sabem como devem coletar a amostra. 40,8% dos participantes afirmaram que já se automedicaram. 94,4% dos participantes afirmaram que a automedicação pode ocasionar problemas de saúde. Acredita-se que essa pesquisa contribui para o entendimento dessas infecções, sobretudo no ambiente escolar, e que poderá levar a novas discussões teórico-metodológicas internas e externas à instituição, sobretudo em relação à prevenção, diagnóstico e tratamento dessas infecções, entretanto, reconhecemos que as análises feitas neste trabalho representam o ponto de partida para futuras pesquisas científicas, projetos de ensino e/ou extensão.


Keywords


Infecções Urinárias, Prevalência, Educação em Saúde.

References


ARRAIS, P. S. D.; FERNANDES, M. E. P.; DAL PIZZOL, T. S.; RAMOS, L. R.; MENGUE, S. S.; LUIZA, V. L.; TAVARES, N. U. L.; FARIAS, M. R.; OLIVEIRA, M. A.; BERTOLDI, A. D. Prevalência da automedicação no Brasil e fatores associados. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v.50, s.2, p. 1-11, 2016.

BRASIL, Ministério da Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA. Resolução – RDC nº 44, de 26 de outubro de 2010. Dispõe sobre o controle de medicamentos à base de substâncias classificadas como antimicrobianos, de uso sob prescrição médica, isoladas ou em associação e dá outras providências. Presidente da ANVISA: Dirceu Raposo de Mello, out, 2010.

BRASIL, Ministério da Saúde. Blog da Saúde: Promoção da Saúde – Beber mais água é uma ótima meta para o novo ano, 2018. Disponível em: , acesso em 27 de jun de 2019.

CHU, C. M.; LOWDER, J. L. Diagnosis and treatment of urinary tract infections across age groups. American Journal of Obstetrics and Gynecology, St. Louis, v. 219, n. 1, p. 40-51, 2018.

DETWEILER, K.; MAYERS, D.; FLETCHER, S.G.; Bacteruria and Urinary Tract Infections in the Elderly. Urologic Clinics of North America, Philadelphia, v. 42, n. 4, p. 561-568, 2015.

FOXMAN, B. Urinary Tract Infection Syndromes Occurrence, Recurrence, Bacteriology, Risk Factors, and Disease Burden. Infectious Disease Clinics of North America, Philadelphia, v. 28, n. 1, p. 1-13, 2014.

HEIN, S.; BORTOLI, C.F.C.; MASSAFERA, G.L. Fatores relacionados à infecção de trato urinário na gestação: revisão integrativa. Journal of Nursing and Health, Pelotas, v. 1, n. 1, p. 83-91, 2016.

LACERDA, W. C.; VALE, J. S.; LACERDA, W. C.; CARDOSO, J. L. M. S. Infecção Urinária em Mulheres: Revisão da Literatura. Saúde em Foco, n.7, p. 282-295, 2015.

LO, D. S.; RODRIGUES, L.; KOCH, V. H. K.; GILIO, A. E. Aspectos clínicos e laboratoriais da infecção do trato urinário em lactentes jovens. Brazilian Journal of Nephrology, São Paulo, v. 40, n. 1, p. 66-72, 2018.

LOPES, H. V.; TAVARES, W. Diagnóstico das infecções do trato urinário. Revista da Associação Médica Brasileira, São Paulo, v. 51, n. 6, p. 306-308, 2005.

MCLELLAN, L. K.; HUNSTAD, D. A. Urinary Tract Infection: Pathogenesis and Outlook. Trends in Molecular Medicine, Oxford, v. 22, n. 11, p. 946-957, 2016.

MELO, L. S.; ERCOLE, F. F.; OLIVEIRA, D. U.; PINTO, T. S.; VICTORIANO, M. A.; ALCOFORADO, C. L. G. C. Infecção do trato urinário: uma coorte de idosos com incontinência urinária. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 70, n. 4, p.873-880, 2017.

MICROSOFT. Excel - Microsoft Office 2016, 2016.

NAJAR, M. S.; SALDANHA, C. L.; BANDAY, K. A. Approach to urinary tract infections. Indian Journal of Nephrology, Chandigarh, v. 19, n. 4, p. 129-139, 2009.

PANCOTTO, C.; VON AMELN LOVISON, O.; CATTANI, F. Resistance profile and prevalence of isolated pathogens from urine cultures ofpregnant women attended in a clinical analysis laboratory in the Veranópolis city, Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Análises Clínicas, Rio de Janeiro, v. 51, n. 1, p. 29-33, 2019.

PEZZLO, M. Laboratory Diagnosis of Urinary Tract Infections: Guidelines, Challenges, and Innovations. Clinical Microbiology Newsletter, New York, v. 36, n. 12, p. 87-93, 2014.

RAMOS, G. C.; LAURENTINO, A. P.; FOCHESATTO, S.; FRANCISQUETTI, F. A.; RODRIGUES, A. D. Prevalência de Infecção do Trato Urinário em Gestantes em uma Cidade no Sul do Brasil. Saúde, Santa Maria, v. 42, n. 1, p. 173-178, 2016.

SILVA, M. B. F.; BUENO, R. G. P. C. Perfil de uroanálise de pacientes com deficiência física em Imperatriz-MA. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 2, p. 8843-8871, 2020.

SIMÕES E SILVA, A. C.; OLIVEIRA, E. A. Update on the approach of urinary tract infection in childhood. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 91, n. 6, s.1, p. 2-10, 2015.

VETTORE, M. V.; DIAS, M.; VETTORE, M. V.; LEAL, M. C. Avaliação do manejo da infecção urinária no pré-natal em gestantes do Sistema Único de Saúde no município do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Epidemiologia, São Paulo, v. 16, n. 2, p.338-351, 2013.

ZAGAJEWSKA, A. M.; NOWICKI, M. New markers of urinary tract infection. Clinica Chimica Acta, Amsterdam, v. 471, p. 286-291, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-113

Refbacks

  • There are currently no refbacks.