Parâmetros físico químicos e resíduos cianogênicos em farinhas de mandioca de diferentes casas de e um município do estado do Pará, Brasil / Physical chemical parameters and cyanogenic waste in cassava flours from different houses in a municipality in the state of Pará, Brazil

Caroline Carvalho Pinto, Murilo Tavares Amorim, Renato Gonçalves da Cunha, Beatriz Oliveira Amaro, Suzana Ribeiro de Melo Oliveira, Maria da Conceição Nascimento Pinheiro, Eliene dos Santos da Silva Costa, Cláudia Simone Baltazar de Oliveira

Abstract


O objetivo foi avaliar os parâmetros físicos químicos resíduos cianogênicos livre e total em farinha de mandioca produzida em um município paraense. Foram coletadas 11 amostras de farinha de diferentes casas de produção do município de Irituia-PA. O ph foi medido com auxílio de um pHmetro. Para a determinação de sólidos solúveis (º Brix) foi utilizado o método refratométrico pela leitura direta dos graus Brix a 20 ºC. Para o parâmetro da umidade, foi realizada através da secagem direta em estufa a 105ºC, já a acidez total por titulação com hidróxido de sódio (NaOH). As amostras de farinha de mandioca foram analisadas em duplicata para quantificação do cianeto total e livre por espectrofotometria. As análises apresentaram variações, no qual a umidade teve resultados de 50% a 57%; pH entre 4,04 e 5,87; acidez titulável de 1,83% e 6,83% meq NaOH/100mL; corpos estranhos presentes em todas as amostras. A média de cianeto total obtida foi de 14,24, a mínimo de 7,5 e máximo de 22,1 mg/HCN/Kg. Quanto a análise de cianeto livre, a média encontrada foi de 1,46 mg/HCN/Kg e mínimo de 1,28 mg/HCN/Kg, máximo de 1,60 mg/HCN/Kg.

 

 


Keywords


Mandioca; farinha; cianeto; físico químico

References


CARDOSO, T. N. Residual de compostos cianogênicos em farinhas de mandioca comercializadas no estado de Pará. In: Encontro nacional, 20.; Congresso latino americano de analistas de alimentos, 2017, Belém, PA. Segurança e qualidade de alimentos. Belém, PA: LACEN: UFPA, 2017.

AMORIM, A. G.; SOUSA, T. A.; SOUZA, A. O. Determinação do pH e acidez titulável da farinha de semente de abóbora. Congresso norte e nordeste pesquisa e inovação. Tocantins, 2012.

ARAÚJO, J.S.P, LOPES, C.A. Produção de farinha de mandioca na agricultura familiar, Niterói-RJ, Programa Rio Rural. Manual Técnico; n. 13.2009.

AZEVEDO, F. A., NASCIMENTO E.S., CHASIN, A.M. Metais: gerenciamento da toxicidade. São Paulo: Atheneu; 2003. p. 299-352.

AZEVEDO, F.A., COLASSO, C.S., MATOS, C.E. 27 de janeiro: Toxicologia e História, um triste uso da toxicidade – o zyklon. Revista Intertox-EcoAdvisorde Toxicologia Risco Ambiental e Sociedade, v. 8 n. 1, p. 58-81.2015

BARROS, G.S. Melhoria da competividade da cadeia agroindustrial de mandioca no Estado de São Paulo. São Paulo: SEBRAE. Piracicaba, SP: ESALQ: CEPEA, p.347, 2004.

BENEVIDES, C.M.J. SANTOS, A.J.S. LIMA, LSS. TRINDADE. B, A. LOPES, M. V. MONTES, V.V. SOUZA, A.C.S. Aspectos tecnológicos do subproduto de panc (farinhas de cajanus cajan e phaseolus lunatus): fortalecimento da agricultura familiar. Brazilian Journal of Developement. Curitiba, v. 5, n. 11, p. 23221-23233, nov. 2019.

BRASIL. Agência Brasileira das Indústrias de Massas Alimentícias - ABIMA. Regulamento técnico para produtos de cereais, amidos, farinhas e farelos. RDC n.263, de 22 de setembro de 2005. Acesso em: 13/11/2019. Online. Disponível em: http://portal.anvisa.gov.br/documents/33880/2568070/RDC_263_2005.pdf/d6f557da-7c1a-4bc1-bb84-fddf9cb846c3

BRASIL. Agência Nacional de VigilIn: Encontro nacional, 20.; Congresso latino americano de analistas de alimentos, 6., 2017, Belém, PA. Segurança e qualidade de alimentos. Belém, PA: LACEN: UFPA, 2017.Vigilância Sanitária. Resolução RDC nº 14, de 28 de março de 2014. Dispõe sobre matérias estranhas macroscópicas e microscópicas em alimentos e bebidas, seus limites de tolerância e dá outras providências. Brasília, 2014.

BRASIL. Ministério da Agricultura e do Abastecimento. Instrução normativa nº 52, de 7 de novembro de 2011. Estabelece o Regulamento Técnico da Farinha de Mandioca. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 8 nov. 2011. Seção 1.

BRANDÃO, T. B. C. Caracterização da qualidade da farinha de mandioca produzida no agreste alagoano. Dissertação de mestrado. Maceió, AL. p. 12-13, 2007.

CAGNON et al., (2002) Avaliação do teor dos compostos cianogênicos e identificação dos pontos críticos de controle químico no processamento de massa puba. Universidade Federal da Bahia, Salvador – 2010.

CAMPOS, A.P.R; CARMO, J.R; CARVALHO, A.V; MATTIETTO, R.A. Avaliação das Características Físico-Químicas e Microbiológicas de Tucupi Comercial, 2016.

CAMPOS, R. COHEN, K. MATHIAS. E. JÚNIOR, A. Estudo das propriedades físico-químicas e microbiológicas no processamento da farinha de mandioca do grupo d’água. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 27(2): 265-269, abr.-jun. 2007.

CASCUDO, Luiz da Câmara. História da alimentação no Brasil. 4. ed. São Paulo: Global, 2011.

CECCHI, H. M. Fundamentos teóricos e práticos em análise de alimentos. 2.ed. Campinas: Editora UNICAMP, 2003. 207p.

CEREDA, M. P. Agricultura: tuberosas amiláceas Latino Americanas. São Paulo: Fundação Cargill, 2002. 540 p. (Culturas de Tuberosas Amiláceas Latino Americanas, 2).

CETESB, Companhia Ambiental do Estado de São Paulo. Cianetos. Ficha de informação toxicológica, outubro, 2014.

CHISTÉ, R. C. et al. Qualidade da farinha de mandioca do grupo seca. Ciênc. Tecnol. Aliment., v. 26, n. 4, p. 861-864, 2006.

CHISTÉ, R.C. COHEN, K.O. OLIVEIRA, S.S. Estudos das propriedades físico- químicas do tucupi. Ciênc. Tecnol. Aliment, Campinas, v. 27, n. 3, p. 437-440, jul./set. 2007.

COHEN, Kelly; OLIVEIRA, Suzi; CHISTÉ, Renan; Quantificação de Teores de Compostos Cianogênicos Totais em Produtos Elaborados com Raízes de Mandioca, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Ed.). ISSN 1517-2201, 2007.

CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA DE ALIMENTOS. CAMPOS, A.P.R.; CARMO, J. R.; CARVALHO, A.V; MATTIETTO, R.A. Avaliação da qualidade do tucupi comercializado na cidade de Belém – PA, Gramado. 2016.

COSTA, I. R. S.; SILVA, S. de O. Coleta de germoplasma de mandioca no nordeste (Pernambuco, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. Revista Brasileira de Mandioca, Cruz das Almas, v.11. n. 1, p. 19-27, 1992.

CUTOLO, P.T.M. Estudo dos Agentes Tóxicos Naturalmente presente nos Alimentos: Glicosídeos cianogênicos e Glicosinolatos, 2015.

DIAS, L. T; LEONEL, M. Caracterização físico-química de farinhas de mandioca de diferentes localidades do Brasil. Ciência e Agrotecnologia, v. 30, n. 4, p. 692-700, 2006.

DRISCOLL, B. Getting a handle on foreign materials. Food Quality & Safety magazine, 20, pp. 38-41. 2013.

EDWARDS, M. C., & STRINGER, M. F. (2007). Observations on patterns in foreign material investigations. Food Control, 18, 773-782.

ENCICLOPÉDIA BARSA. São Paulo, 1987. t. 10, p. 321-2.

ESSERS, A.J.A.; BOSVELD, M.; GRIFT, R.M.V.; VORAGEN, A.G.J. Studies on the quantification of specific cyanogens in cassava products and introduction of a new chromogen. Journal of the Science of Food and Agriculture, 63: 287-296.1993

GONÇALVES, José Reginaldo Santos. A fome e o paladar: a antropologia nativa de Luís da Câmara Cascudo. Estudos Históricos, n. 33, 2004.

GOMES, C. A. Mandioca em Pernambuco. Conab – companhia nacional de abastecimento. 2016.

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ. CULINÁRIA: Um universo de cores e sabores. Disponível em: . Acesso em 20 de maio 2019.

GREGUS, Z.; KLAASSEN, C. Mechanisms of toxicity. In: CASARETT AND DOULL’S. Toxicology: the basic science of poisons. USA: McGraw-Hill Companies., 2001. p. 35-81.

IBGE. Produção Agrícola Municipal (2015). Disponível em Acesso em: 24 de maio de 2019.

IBGE. Cidade e estados (2018). Disponivel:https://www.ibge.gov.br/cidades-eestados/pa/irituia.html. Acesso em: 04.05.2019.

IBGE. 2007. Produção Agrícola Municipal: Culturas temporárias e permanentes, Rio de Janeiro, 34: 1-69. (http://www.ibge.gov.br). Acesso: 23/11/2019.

JÚNIOR, M. S. N.; ALVES, R. N. B.; Cultura da mandioca. Embrapa. 1 Ed, p.1- 48; Brasília, DF, 2016.

INSTITUTO ADOLFO LUTZ. Normas Analíticas do Instituto Adolfo Lutz. v. 1: Métodos químicos e físicos para análise de alimentos, 3. ed. São Paulo: IMESP, 1985. p. 21-22.

Farinheiras do Brasil: tradição, cultura e perspectivas da produção familiar de farinha de mandioca / Organizadores: Valdir Frigo Denardin; Rosilene Komarcheski. - Matinhos: UFPR Litoral, 2015.

FUKUDA, W. M. G.; IGLESIAS, C. Desenvolvimento de germoplasma de mandioca para as condições semi-áridas. Revista Brasileira de Mandioca, v.14, n.1/2, p.17-38, 1995.

FURTADO, O.L.B., BEZERRA, C.W.B., MARQUES, E.P., MARQUES, A.L.B. Cianeto em tiquiras: riscos e metodologia analítica. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, v. 27, n.4, p.694-700. 2007.

FREITAS, G. C. FARIAS. S C. VILPOUX, F. O.A produção camponesa de farinha de mandioca na Amazônia sul ocidental. B.goiano.geogr, Goiânia, v. 31, n. 2, p. 29-42, jul./dez. 2011

LIMA, U. A. Manual técnico de beneficiamento e industrialização da mandioca. São Paulo: Secretaria de Ciência e Tecnologia, 1982. 56 p. (Programa Adequação).

MATTOS, P.L.P. de; Gomes, J. de C.; Farias, A.R.N; Fukuda, C. 2002. Cultivo da mandioca nas regiões norte e nordeste do Brasil, p. 274-301. In: Cereda, M.P. (Coord.). Cultura de tuberosas amiláceas latino-americanas. Vol. 2. Fundação Cargill, São Paulo, São Paulo. Acesso: 24/03/2019.

MATSUURA, M. I. da S. F.; MATSUURA, F. C. A. U.; FERREIRA FILHO, J. R. A indústria da farinha de mandioca. In: SOUZA, L. da S.; FARIAS, A. R. N.; MATTOS, P. L. P. De; FUKUDA, W. M. G. (Ed.) Processamento e utilização da mandioca. Brasília, D.F.: Embrapa Informática Tecnológica, 2005. p. 61-141.

MENDONÇA, H. A.; MOURA, G. M.; CUNHA, E. T. Avaliação de genótipos de mandioca em diferentes em diferentes épocas de colheita no estado do Acre. Pesquisa Agropecuária Brasileira, Brasília, v. 38, n. 6, p. 761-770, jun. 2003.

MONTAGINAC, J. A.; DAVIS, C. R.; TANUMIHARDJO, S. A. Processing techniques to reduce toxicity and antinutrientes of cassava for use as a staple food. Comprehensive Reviews in Food Science and Food Safety, Oxford, v. 8, n. 1, p. 17-27, 2009.

NEVES, O.S.C; SOUZA, A.S; COSTA, M.A; SOUSA, L.A; VIANA, A.E.S; NEVES, V.B.F. Persistencia do cianeto e estabilização do pH em manipueira. Revista brasileira de tecnologia agroindustrial. Paraná. ISSN: 19813686, v.8,n.01,p.1274-1284, 2014.

OGA, S., CAMARGO, M.M.A., BATISTUZZO, J.A.O. Fundamentos de Toxicologia, 4. ed. São Paulo: Atheneu, 2014. 685p

OLIVEIRA.N.T, PEREIRA.S.C.U, ALVES.J.M.A.A,SEDIYAMA T, LBUQUERQUE.J.A A), SOUZA.E.D e MELVILLE.C.C . Ácido cianídrico em tecidos de mandioca em função da idade da planta e adubação nitrogenada. Pesq. agropec. bras., Brasília, v.47, n.10, p.1436-1442. 2012

Organização mundial de saúde (OMS). (2013). Common Minimum Technical Standards and Protocols for Biological Resource. Lyon: International Agency for Research on Cancer. 2013, a partir de http://w2.iarc.fr/en/publications/pdfs-online/wrk/wrk2/

PAIS-RIBEIRO, J., Honrado, A., & Leal, I. (2004). Contribuição para o estudo da adaptação portuguesa das escalas de Depressão Ansiedade Stress de Lovibond e Lovibond. Psychologica, 36, 235-246.

PINTO, P. SILVA. Farinha, feijão e carne-seca. Um tripé culinário no Brasil colonial. Editora: Senac. São Paulo. 2005.

RUPPENTHAL, J.N. Toxicologia. Santa Maria. Colégio Técnico Industrial da Universidade Federal. 2013. Disponível em: http://estudio01.proj.ufsm.br/cadernos_seguranca/sexta_etapa/toxicologia.pdf. Acesso em: 15.04.2019.

SANTOS, A.P. Farinha de batata (solanum tuberosum l.): obtenção, caracterização físico-química, funcional, elaboração e caracterização de sopas desidratadas. 2009. 105 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia de processos de Alimentos) - Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia. Programa de pósgraduação em Engenharia de Alimentos.

SIMAS, R. Levantamento da geração de resíduos galvânicos e minimização de efluentes contendo cianeto. Universidade Federal do Paraná. Dissertação. Curitiba 2007.

SILVA, Cirlene do Socorro Silva da. Casas de farinha: espaço de (con)vivências, saberes e práticas educativas. 179f. Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade do Estado do Pará, Belém, 2010.

SOARES, A. G. et al. Curso de higiene e sanificação na indústria de alimentos. Rio de Janeiro: Embrapa – CTAA, 97 p. 1992. (Apostila)

SOARES, M. O. S. Sistema de produção em casas de farinha: uma leitura descritiva na comunidade de Campinhos - Vitória da Conquista (BA). 2007. 96 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente) - Programa Regional de Pós Graduação em Desenvolvimento e Meio Ambiente (PRODEMA) - Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, 2007.

SOUZA, J. M. L. de et al.. Variabilidade físico-química da farinha de mandioca. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 28, n. 4, p. 907-912, 2008.

TEÓFILO, T.J.S; GUBERT, F.A; TELES, F.F.F; FEIJÃO, D.M.J. Toxicidade cianogenica de raízes de mandioca (manioht esculenta crantz), vendidas em dois supermercados de sobral CE. 2004.

VELTHEM, L. H. van. Farinha, casas de farinha e objetos familiares em Cruzeiro do Sul (Acre). Revista de Antropologia, São Paulo, v. 50, n. 2, p. 605-631, 2007.

VELTHEM, L. H. van. KATZ, E. A ‘farinha especial’: fabricação e percepção de um produto da agricultura familiar no vale do rio Juruá, Acre. Boletim do Museu Paraense Emílio Goeldi, Belém, v. 7, n. 2, p. 435-456, 2012.

Vilpoux, O. Produção de farinha d´água no estado do maranhão. In: CEREDA, M. P.; Vilpoux, O. F. Tecnologias, usos e potencialidades de tuberosas amiláceas latino americanas. São Paulo: Fundação Cargill, 2003. v. 3, p. 621–642.

ZOLDAN, Gláucia. (Coord.). Manual de referência para casas de farinha. Maceió: Serviço de Apoio às Micro e Pequenas Empresas do Estado de Alagoas (SEBRAE), 24 p.200.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-095

Refbacks

  • There are currently no refbacks.