Sala de recursos multifuncionais-surdez: lugar de aprendizagem, autoestima e interação / Multifunctional resources room-deafness: place of learning, self-esteem and interaction

Makswell Sanatana dos Santos, Silvana Delli Colli Morales

Abstract


Este artigo tem como objetivo apresentar um estudo sobre o ensino e aprendizagem dos alunos surdos, bem como a inclusão desses alunos e o papel do professor intérprete de LIBRAS na Sala de Recursos Multifuncional - Surdez. A problemática aqui apresentada questiona em como atender os alunos surdos de forma que todos se desenvolvam como cidadãos participativos em uma sociedade extremamente excludente? Desse modo, se esclarecerá que a escola precisa valorizar as ações pedagógicas, mas, ao tempo, precisa entender que as relações humanas são imprescindíveis para que o aluno surdo conquiste a sua independência. Neste contexto de escola, pensa-se no aluno como principal componente do fazer educativo, e o tradutor intérprete como coadjuvante, pois cabe a ele apresentar possibilidades de conhecimento para que o educando surdo trilhe seu próprio caminho com sucesso e autonomia. A metodologia empregada neste trabalho conta com a pesquisa de cunho bibliográfico, pois esta metodologia permite que os dados coletados sobre o assunto, sejam analisados e discutidos, oportunizando melhor coerência e coesão ao trabalho realizado.

 


Keywords


Aprendizagem. Escola. Inclusão. Surdez.

References


ARANHA, Maria Salete F. Inclusão social e municipalização. In: MANZINI, Eduardo J. (Org.).Educação especial: temas atuais. Marília: UNESP, Publicações, 2001.

ARANHA, M.S.F.Formando Educadores para a Escola Inclusiva.2002. Disponível em: http://www2.fc.unesp.br/educacaoespecial/material/Livro10.pdf . Acesso em: 12 de maio de 2017.

BRASIL. Constituição Federal. 1988. Disponível em: http: www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicaocompilado.htm. Acesso em: 09 de abril de 2017.

BRASIL. Decreto 5.626. Brasília: Casa Civil, 2005

BRASIL.ConvençãoSobreOsDireitosDasPessoasComDeficiência,2007. Disponível em: http http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007- 2010/2009/decreto/d6949.htm. Acesso em: 01 de maio de 2017.

BRASIL. Declaração de Salamanca e Linhas de Ação sobre Necessidades Educativas Especiais. Brasília: Ministério da Justiça/Secretaria Nacional dos Direitos Humanos, 2. ed., 1997.Disponível em:http://www.portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf.Acesso em: 14 de abril de2017.

BRASIL, Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial. Projeto Escola Viva:Garantindo o acesso e permanência de todos os alunos na escola-Alunos com necessidades educacionais especiais, Adaptações curriculares de pequeno porte. Brasília: MEC/SEESP, 2000, vol.6

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial.Lei nº 10.436, 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais –Libras e dá outras providências.

CARVALHO, Rosita Edler.Educação inclusiva: com os pingos nos “is”. Porto Alegre: Mediação, 2004.

CARVALHO, RositaEdler.Escola Inclusiva – a reorganização do trabalho pedagógico. Porto Alegre: Mediação, 2008, p. 115-119. Disponível em

www.diaadia.pr.gov.br/deein/arquivos/File/dce_ed_especial.pdf. Acesso em: 10de

maio de 2017.

CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Câmara de Educação Básica. Resolução CNE/CEB2/2001.DiárioOficialdaUnião,Brasília,14desetembrode2001.Seção 1E, p. 39. Disponível em:http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf. Acesso em: 01 de maio de 2017.

CEREZUELA, Cristina.Política Nacional De Educação Inclusiva: Um Estudo Sobre Sua Efetivação Nas Cinco Regiões Brasileiras. Tese de Doutorado em Educação. Maringá: EDUEM,2016.

DAMAZIO, Mirlene Ferreira Machado.Atendimento educacional especializado: pessoa com surdez. São Paulo: MEC/SEESP, 2007.

GIL, A. C.Como elaborar projetos de pesquisa.4. ed. 9. reimpr. São Paulo: Atlas, 2007. GOLDFELD, Márcia. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sócio-interacionista. São Paulo: Plexus, 1997.

GUGEL, Maria Aparecida.A pessoa com deficiência e sua relação com a história da humanidade.Maiode2008. Disponível em:http://www.ampid.org.br/Artigos/PD_Historia.php Acesso em: 01 de abril de2017.

LAROSA, M. A.Como Produzir uma Monografia Passo a Passo. 4ª. Ed. Rio de Janeiro: Wak, 2003.

MANTOAN, Maria Teresa Eglér.Inclusão é o Privilégio de Conviver com as Diferenças.In Nova Escola, maio, 2005.

MANTOAN, Maria Tereza Eglér (Org.).Para uma Escola do Século XXI.Campinas

/SP: Unicamp/BCCL, 2013.

MEC/SEESP.Programa de Educação Inclusiva:Direito à Diversidade.(2004). Disponível em:http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/fundamentacaofilosofica .pdf. Acesso em: 08 de abril de 2017.

PARANÁ, Secretaria de Estado da Educação. Superintendência da Educação.Instrução nº 008/16 de 19 de outubro de 2016. Estabelece critérios para o Atendimento na Sala de Recursos Multifuncionais – Surdez.

SACKS, O.Vendo Vozes: Uma jornada pelo mundo dos surdos. Rio de Janeiro: Imago, 1989.

SASSAKI. Romeu Kazumi.Inclusão. Construindo uma sociedade para todos. 8ª ed. Rio de Janeiro, RJ: WVA, 1997.

STROBEL, Karin.História da Educação de Surdos. Florianópolis. UFSC: 2009. Disponível em:

http://www.libras.ufsc.br/colecaoLetrasLibras/eixoFormacaoEspecifica/historiaDaEducacaoDeSurdos.pdf. Acesso em: 06 de maio de 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-063

Refbacks

  • There are currently no refbacks.