Variabilidade espacial-temporal da comunidade fitoplanctônica no reservatório da usina hidrelétrica de Curuá-Una / Spatio-temporal variability of the phytoplankton community in the reservoir of the Curuá-Una hydroelectric power station

Paulo Roberto Brasil Santos, Jael Saray Coelho de Sousa, Keid Nolan Silva Sousa, Sérgio de Melo, Andreia Cavalcante Pereira

Abstract


A Amazônia ainda é o centro da expansão da construção de inúmeras represas para geração de energia elétrica. Esses empreendimentos grandes impactos que podem alterar os padrões de distribuição espaço-temporal de parâmetros limnológicos assim como da comunidade fitoplanctônica. Objetivo desse estudo foi identificar os padrões de distribuição espaço-temporal da comunidade fitoplanctônica e suas relações com as variáveis limnologicas do reservatório de Curuá-Una. As amostragens foram realizadas entre maio de 2016 a fevereiro de 2017. As variáveis limnológicos coletadas foram: Transparência da água, condutividade, turbidez, oxigênio dissolvido, pH, DBO, nitrato, sílica, fósforo total, clorofila-a. As amostras do fitoplâncton foram quantificadas a densidade expresso em individuos.mL-1. Para analisar a variação espaço-temporal, foi efetuada uma ANOVA two-way, e uma Análise de Correspondência Canônica (CCA) para avaliar quais as variáveis limnológicas estão fortemente associadas com densidade de algas no reservatório. A comunidade estudada esteve composta por 214 espécies distribuídas em oito grupos taxonômicos, sendo 98 Chlorophyta, 70 Bacillariophyta, dois Cryptophyta, quatro Dinophyta, cinco Cyanophyta, 22 Euglenophyta, 11 Crysophyta e 3 Heterokontophyta. Na análises ANOVA e CCA, ficou bem claro que padrão de distribuição sazonal é fortemente significativo, pois altos valores de densidade na estação seca, coincidem com maiores valores de clorofila-a, fósforo total.

 


Keywords


Amazônia; Reservatório; Comunidade fitoplanctônica; Variação sazonal

References


Aguiar, CPO, Peleja JRP, Sousa, KNS. 2014. Qualidade da água em microbacias hidrográficas com agricultura nos municípios de Santarém e Belterra, Pará. Revista Árvore, 38(6):983-992. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-67622014000600003.

Almeida FF, Melo S. 2011. Phytoplankton community structure in an Amazon

floodplain lake (Lago Catalão, Amazonas, Brazil). Neotropical Biology and Conservation 6(2): 112-123.

Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL). 2020. Banco de Informações de Geração. Disponível em: https://www2.aneel.gov.br/aplicacoes/capacidadebrasil/capacidadebrasil.cfm (Acesso: 08 Janeiro 2020).

American Public Health Association (APHA). 2012. Standard Methods For The Examination of Water and Wastewater. 22 ed. Washington.

Dubelaar GBJ, Geerders PJF, Jonker RR. 2004. High frequency monitoring reveals phytoplankton dynamics. J. Environ. Monit., 6:946-952.

Edwards KF, Klausmeier CA, Litchman E. 2011. Evidence for a three-way tradeoff between nitrogen and phosphorus competitive abilities and cell size in

phytoplankton. Ecology, 92(11):2085–2095.

ELETROBRAS. 2018. Potencial Hidrelétrico Brasileiro, Institucional. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2018.

Faria AMM. 2006. Hidroelétricas Amazônicas: Fontes energéticas apropriadas para o desenvolvimento regional? Paper do NAEA, 190:1-37.

Fearnside PM. 2015. Hidrelétricas e hidrovías na Amazônia: Os planos do governo brasileiro para a bacia do Tapajós. pp. 85-98. In: Fearnside, P. M. (Ed.). Hidrelétricas na Amazônia: Impactos Ambientais e Sociais na Tomada de Decisões sobre Grandes Obras. Vol. 2. Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus. 297pp.

Gunkel G, Lange U, Walde D, Rosa JWC. 2003. The environmental and operational impacts of Curuá-Una, a reservoir in the Amazon region of Pará, Brazil. Lakes & Reservoirs: Research and Management. 8:201–216.

Huszar VLM, Reynolds CS. 1997. Phytoplankton periodicity and sequences of dominance in an Amazonian flood-plain lake (Lago Batata, Pará, Brasil): Response to gradual environment change. Hydrobiologia 346:169-181.

Junk WJ, Robertson BA, Darwich AJ, Vieira I. 1981. Investigações limnológicas e ictiológicas em Curuá-Una, a primeira represa hidroelétrica da Amazônia Central. Acta Amazonica, 11(4):689-716.

Legendre P, Legendre L. 2012. Numerical Ecology, 3nd English edition. Elsevier, 853p.

Lund JWG, Kipling C, Le Cren D. 1958. The inverted microscope method of estimating algal numbers and statistical basis of estimating by counting. Hydrobiologia 11:143-170.

Melo S, Huszar VLM. 2000. Phytoplankton in an Amazonian floodplain lake (Lago

Batata, Brasil): Diel variation and species strategies. Journal of Plankton Research, 22:63–76.

Mischke, U. 2003. Cyanobacteria associations in shallow polytrophic lakes: influence of environmental factors. Acta Oecologica, 24:511-523.

Nabout, J C, Nogueira IS, Oliveira LG. 2006. Phytoplankton community of floodplain lakes of the Araguaia River, Brazilian the rainy and dry seasons. Journal Plankton Research. 28(2):181–193.

Padisák J, Borics G, Grigorszky I, Soróczki-Pintér E. 2006. Use of phytoplankton assemblages for monitoring ecological status of lakes within the Water Framework Directive: the assemblage index. Hydrobiologia, 553:1-14.

Pereira, AC, Torgan, LC, MELO S. 2017. Variação da riqueza de Pinnularia (Bacillariophyta) no lago Tupé (Bacia Amazônica) e sua relação com o ciclo hidrológico. Biota Amazônia, 7:15-18.

Raupp SV, Torgan L, MELO S. 2009. Planktonic diatom composition and abundance in the Amazonian floodplain Cutiuau Lake are driven by the flood pulse. Acta Limnologica Brasiliensis, 21(2):227-234.

Reynolds CS, Huszar VLM, Kruk C, Flores-Naselli L, MELO, S. Towards a funtional classification of the freshwater phytoplankton. Journal of plankton research, 24(5): 417-428. 2002.

Santos ES, Cunha AC, Cunha HFA. 2017. Usina Hidrelétrica na Amazônia e impactos socioeconômicos sobre os pescadores do município de Ferreira Gomes-Amapá. Ambiente & Sociedade. 20(4):197-214.

Santos, PRB. Zarzar, CA. Sousa, NSS. 2018. Avaliação do estado trófico atual do reservatório da Usina Hidrelétrica de Curuá-Una, a mais antiga represa construída na Amazônia central. Biota Amazônia. 8(4), p.45-48. http://dx.doi.org/10.18561/2179-5746/biotaamazonia.v8n4p45-48.

Silva RGC, Conceição FS. 2017. Agronegócio e campesinato na Amazônia brasileira: transformações geográficas em duas regiões nos estados de Rondônia e Pará. GEOgraphia, 19(41): 54-72. https://doi.org/10.22409/GEOgraphia2017.v19i41.a13819.

Ter Brak CJF, Smilauer P. 2002. CANOCO reference Manual and CanoDraw for

Windows User’s Guide, Software for Canonical Community Ordination (version 4.5), Biometris, Wageningen and Česke Budějovice, Netherlands, 500 p.

Thornton KW, Kimmel BL, Payne FE. 1990. Reservoir Limnology: Ecological

perspectives. John Wiley & Sons Inc. 246 p.

Utermöhl H. 1958. Zur Vervollkommnung der quantitativen Phytoplankton. Methodik. Mitt int Ver theor angew Limnol, 9:1-38.

Vale RS, Gomes ACS, Santana RAS, Tóta J, Miller SD, Sousa RAF. 2016. Hydroclimatic variables associated with El Nino and La Nina events at the Curuá-Una hydroelectric reservoir, Central Amazonia. Acta Amazonica, 46(3):303-308. http://dx.doi.org/10.1590/1809-4392201600083.

Vieira I, Darwich AJ. 1999. Sinecologia da ictiofauna de Curuá-Una, Amazônia: Características hidroquímicas, Climáticas, vegetação e peixes. Acta Limnologica Brasiliensia, 11(2):41-64.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-035

Refbacks

  • There are currently no refbacks.