Ativismo digital no Brasil contemporâneo / Digital activism in contemporary Brazil

Davi Barboza Cavalcanti, Fábio Jardelino, Raíssa Nascimento

Abstract


Este artigo busca compreender o papel das novas mídias na formação de redes de indignação, a partir de reflexões sobre o ativismo digital no Brasil contemporâneo. Metodologicamente, foi feito um debate sobre ciberativismo e grupos de pressão nacionais a partir de dois exemplos, o Movimento Brasil Livre (MBL) e o Vem pra Rua (VPR). A temática é importante por abarcar desafios da comunicação, uma vez que a área enfrenta mudanças significativas nas últimas décadas, com o desenvolvimento de mídias interativas e a convergência tecnológica.


Keywords


Ciberativismo; ativismo digital; mídias digitais

References


ALI; et al. Occupy: movimentos de protesto que tomaram as ruas. São Paulo: Boitempo Editorial, 2012.

AMARAL, M; et al. Por que gritamos golpe?: Jabuti não sobe em árvore: como o MBL se tornou líder das manifestações pelo impeachment. São Paulo: Boitempo Editorial, 2016.

BANDA, Fackson; MUDHAI F. Okoth; TETTEY J. Wisdom (Eds.). African Media and the Digital Public Sphere. New York: Palgrave Macmillan, 2009.

BARABÁSI, Albert. Linked - a nova ciência dos networks. São Paulo: Leopardo editora, 2009.

CASTELLS, M. Redes de indignação e esperança. Rio de Janeiro: Zahar editora, 2013.

CAVALCANTI, B. Davi. Articulação política de grupos brasileiros no séc. XXI: um estudo sobre as origens e bandeiras do Movimento Brasil Livre e do Vem pra Rua. 9º Congresso Latinoamericano de Ciência Política, ALACIP. Montevidéu, junho de 2017.

CHRISTAKIS, Nikolas. Connected: the surprising Power of our social networks and how they shape our lives. New York: Little Brown Co, 2009.

Datafolha. Democracia e consumo [on-line]. 15ª edição, maio de 2015. Disponível em: . Acesso em: 05 jan. 2018.

DONK, D.V.W; LOADER, D.B; NIXON, G.P. & RUCHT, D. (eds.). Cyberprotest - New Media, Citizens and Social Movements. London: Routledge, 2004.

Fundação Getúlio Vargas (FGV). Robôs, redes sociais e política no Brasil: Estudo sobre interferências ilegítimas no debate público na web, riscos à democracia e processo eleitoral de 2018. Rio de Janeiro: FGV, 2017.

FIRMINO, G. C. Conservadorismo liberal e classes médias: uma análise do ‘Vem Pra Rua’ e do ‘Movimento Brasil Livre’. In: X Seminário do Trabalho. Trabalho, crise e políticas sociais na América Latina, 2016, Marília/SP. Anais X Seminário do Trabalho. Trabalho, crise e políticas sociais na América Latina, 2016.

GOMES, C; SORJ, B. Corpo, geração e identidade: a Marcha das Vadias no Brasil. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 29, n.2, p. 433-447, 2014.

MOURA F. J; YAMAMOTO Y. E. A criação de uma comunidade imaginada e o verdeamarelismo: análise do discurso do ideal de Brasil e de liberdade do Movimento Brasil Livre. Intercom – Sociedade Brasileira de Estudos Interdisciplinares da Comunicação. XVII Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sul. Curitiba, 2016.

MCADAM, Doug; TARROW, Sidney; TILLY, Charles. Para mapear o confronto político. São Paulo: Lua Nova, 2009.

NANSU PARK, M. A; KERK F. K. M. A; SEBASTIAN V. M. A. Being immersed in social networking environment: Facebook groups, uses and gratifications, and social outcomes. Cyberphychology & Behavior, vol. 12, nº 6, 2009.

OMENA C. J. JANNA; ROSA M. Jorge. 15 de Março: “O brasil foi pra rua” – de novo! - Estudos dos protestos nas redes sociais. IX Congresso Sopcom. pp. 49-72. Coimbra, 2015.

ORTIZ M. Javier; RUIZ E. P. Álvaro; VEJARES, S. Sótero. Redes sociales como herramientas de ciberactivismo: el caso de los grupos de Facebook en Chile y el Gran Concepción (2009). Ecos de la Comunicación, Año 4, Nº 4, 2011.

PEREIRA, C. Coalitional presidentialism and side payments: Explaining the Mensalão scandal in Brazil. In Corruption and Democracy in Brazil: The Struggle for Accountability, edited by Timothy Power and Matthew Taylor, University of Notre Dame Press, 2011.

RECUERO, R. Contribuições da Análise de Redes Sociais para o estudo das redes sociais na Internet: o caso da hashtag #Tamojuntodilma e #CalaabocaDilma. Revista Fronteiras – estudos midiáticos, pp. 60-77, maio/agosto 2014.

SOUSA, M. Cidoval; SOUZA A. Arão. (Orgs.). Jornadas de junho: repercussões e leituras. Campina Grande-PB, Eduepb, 2013.

SINGER, A. Os sentidos do lulismo: reforma gradual e pacto conservador. São Paulo: Editora Companhia das Letras, 2012.

SORJ, Bernardo. Online/off-line: o novo tecido do ativismo político. In: Ativismo político em tempos de internet. SORJ, Bernardo; FAUSTO Sergio (Orgs.). São Paulo: Edições Plataforma Democrática, 2016.

SORJ, Bernardo; FAUSTO Sergio (Orgs.). Ativismo político em tempos de internet. São Paulo: Edições Plataforma Democrática, 2016.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-029

Refbacks

  • There are currently no refbacks.