A relação entre lógicas institucionais e práticas estratégicas organizacionais: o papel da agência nacional de saúde suplementar na regulação dos reajustes do setor / The relationship between institutional logics and strategic organizational practices: the role of the national supplementary health agency in regulating sector readjustments

Vanessa Castro Ferreira, Arnaldo Luiz Ryngelblum

Abstract


A relação entre operadoras de planos de saúde, usuários e a agência reguladora, ANS, é permeada por conflitos. Nesse sentido, este estudo examinou os motivos relacionados à  estratégia institucional adotada pela ANS, por sua omissão em relação aos reajustes de planos de saúde coletivos, analisando as lógicas que convergem e prevalecem no campo da Saúde Suplementar. Adotou-se para isso uma abordagem qualitativa, por meio de levantamento de dados, análise documental e de entrevistas com representantes da ANS, representantes de operadoras, e representantes do Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e do Procon. Os resultados sugerem que, embora diversas lógicas disputem a orientação da agência reguladora, prevalece a lógica de mercado, oriunda das operadoras de planos de saúde, no que se refere às práticas de reajustes de planos de saúde coletivos. A despeito da pressão dos demais participantes do campo para que haja a regulamentação dos limites máximos de reajustes, como ocorre com os reajustes dos planos de saúde familiares, a ANS adotou a estratégia de evasão, afrouxando as relações com as operadoras, abdicando de cumprir a regulamentação que a instituiu.

 


Keywords


Regulação, Lógicas institucionais, Estratégias, Setor de Saúde Suplementar.

References


ANS. Agência Nacional de Saúde Suplementar- Quem somos. Disponível em:

< http://www.ans.gov.br/aans/quem-somos>. Acesso em: 18 de set. 2016a.

______. Agência Nacional de Saúde Suplementar- Reajustes de preços de planos de saúde. Disponível em: . Acesso em: 13 de nov. 2016b.

_______. Agência Nacional de Saúde Suplementar- Reajustes de preços de planos de saúde. Disponível em:. Acesso em: 15 de abr. 2017.

. Caderno de Informação da Saúde Suplementar: beneficiários, operadoras e planos. Agência Nacional de Saúde Suplementar, dezembro de 2016f.

. Caderno de Informação da Saúde Suplementar: beneficiários, operadoras e planos. Agência Nacional de Saúde Suplementar, março de 2017e.

_______ Prisma Econômico-Financeiro da Saúde Suplementar- 4º tri 2015, ANS, 2017g.

_______ Prisma Econômico-Financeiro da Saúde Suplementar- 4º tri 2016 ANS, 2017h.

________ Lei nº 9.656, de três de junho de 1998 a. Dispõe sobre os planos privados de assistência à saúde. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 4 jun. 1998.

________. Lei nº 9.961, de 28 de janeiro de 2000. Cria a Agência Nacional de Saúde Suplementar ANS e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 29 jan. 2000. Seção 1, p. 5.

DIMAGGIO, P.J.; POWELL, W.W. The iron cage revisited: institutional isomorphism and collective rationality in organizational fields. American Sociológical Review. v.48, p.147-160, 1983.

DUNN, M. B.; JONES, C. Institutional Logics and Institutional Pluralism: The Contestation of Care and Science Logics in Medical Education, 1967-2005. Administrative Science Quarterly, 55(1), 114-149, 2010.

FRIEDLAND, R.; ALFORD, R.R. Bringing society back in: symbols, practices, and institutional contradictions. In: POWELL, W. W.; DIMAGGIO, P. J. The new institutionalism in organizational analysis. Chicago: University of Chicago Press, p.232–263.1991.

GUARIDO FILHO, E. R. A construção da Teoria Institucional nos Estudos

Organizacionais no Brasil:O período 1993 – 2007. Tese (Doutorado em Administração)Centro de Pesquisa e Pós Graduação em Administração da Universidade Federal do Paraná. 2008.

GONÇALVES, C. A., MEIRELLES, A. M. Projetos e Relatórios de Pesquisa em Administração. Ed: Atlas,2004, São Paulo, 2004.

GREENWOOD, R.; RAYNARD, M., K. F.; LOUNSBURY, M. Institutional Complexity & Organizational Responses. The Academy of Management Annals, 5, 2011

HALL, P. A.; TAYLOR, R. C. R. As Três versões do neo-institucionalismo. Lua Nova, São Paulo, n.58, 2003.

IDEC - Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Disponível em: < http://www.Idec.org.br/uploads/revistas_materias/pdfs/189-pesquisa-planos-s1.pdf> Acesso em: 14 mar. 2017a.

_____-Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Disponivel em :< https://Idec.org.br/em-acao/revista/por-tras-dos-precos/materia/saude-no-e-o-que-interessa>. Acessado em : 22 nov 2017b.¬¬

_____-Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor. Disponivel em:< http://www.idec.org.br/uploads/revistas_materias/pdfs/177-pesquisa-planos-saude1.pdf>. Acessado em : 22 nov 2017C.

LAWRENCE, T. B. Institutional strategy. Journal of Management, v. 25, n. 2, p. 161-188, mar./abr. 1999.

MEYER, J.; ROWAN, B. Institutionalized organizations: formal structures as myth and ceremony. Academy Journal of Sociology, v. 83, n. 2, p. 340-363, 1977.

MPF/AL-Ministério Público Federal de Alagoas. MPF/AL ajuíza ação contra ANS e operadoras de planos de saúde..Disponível em:< http://www.mpf.mp.br/al/sala-de-imprensa/noticias-al/mpf-al-ajuiza-acao-contra-ans-e-operadoras-de-planos-de-saude-em-razao-de-aumentos-abusivos> Acessado em: 10/out/2016.

MPSP-Ministério de Público de São Paulo. Disponível em:, . Acessado em: 10/11/2017.

_______- Ministério de Público de São Paulo. Disponível em: http://www.mpsp.mp.br/portal/page/portal/noticias/noticia?id_noticia=14586369&id_grupo=118> Acessado em : 15/11/2017.

NASCIMENTO, B. Ministério da Justiça quer Mudar as Regras para Planos de Saúde. O Globo, 09 de setembro de 2015. Disponível em: Acesso em: 10 de dez. de 2016.

OLIVER, C. Strategic responses to institutional process. Academy of management Review, v. 16, n. 1, 1991.

PACHE, A. C.; SANTOS, F. When worlds collide: The internal dynamics of organizational responses to conflicting institutional demands. Academy of Management Review, 35(3), 455-476, 2010.

POWELL, W. W. Expanding the scope of institutional analysis. In: POWELL, W. W.;

DIMAGGIO, P. J. The new institutionalism in organizational analysis. Chicago: University of Chicago Press, 1991. P. 183-203.

REAY, T.; HININGS, C. R. Managing the rivalry of competing institutional logics. Organization Studies, Pag.: 629-652, 2009.

SALVATORI, R. T.; VENTURA, C. A. A agência nacional de saúde suplementar - ANS: onze anos de regulação dos planos de saúde. Organizações & Sociedade, v. 19, n. 62, p. 471-487, 2012.

SCHEFFER, M; BAHIA,L. Representação politica e interesses particulares na saúde: a participação de empresas de planos de saúde no financiamento de campanhas eleitorais em 2014. Relatóriode Pesquisa, 25 de fev.2015. Disponível em: < https://www.abrasco.org.br/site/wp-content/uploads/2015/02/Planos-de-Saude-e-Eleicoes-FEV-2015-1.pdf> Acesso em: 08/10/2017.

SCOTT, J. Gênero: uma Categoria Útil de Análise Histórica. Educação e Realidade.20 (2), p.71-99, 1995.

SCOTT, W. R. Institutions and organizations. 2. ed. Thousand Oaks: Sage, 2001.

____________. Institutions and organizations: ideas and interests.3ª ed. Sage Publications, Londres, 2008.

___________ Reflections: The Past and Future of Research on Institutions and Institutional Change, Journal of Change Management, Vol.10, Nº 1, 5-21, Mar, 2010.

TEIXEIRA, M. Cresce Número de reclamações contra planos de saúde coletivos na justiça. IG São Paulo, 27 de janeiro de 2015. Disponivel: Acesso em: 10 de dez. de 2016.

THORNTON, P. H; OCASIO, W. Institutional Lógics and the historical Contingency of Power in Organizations: Executive Succession in the Higher Education Publishing Industry, 1958–1990.’ American Journal of Sociology 105 (3): 801–843, 1999.

________________. Markets from culture: Institutional logics and organizational decisions in higher education publishing. Stanford, CA: Stanford University Press, 2004.

THORNTON, P.; OCASIO, H. W.; LOUNSBURY, M.The institutional logics perspective. John Wiley e Sons, Inc., 2012.

TOLBERT, P. S.; ZUCKER, L. G. Institutional sources of change in the formal structure of organizations: the diffusion of civil service reform, 1880-1935. Administrative Science Quarterly, v. 28, n. 1, p. 22-39, 1983.

VIANNA, C.M.M. O Impacto das Ações da ANS no Mercado Operador. In: CASTRO, A. J. W.; MONTONE, J. Regulação & saúde, v. 3, t. 1: Documentos técnicos de apoio ao Fórum de Saúde Suplementar de 2003. Rio de Janeiro: ANS, 2004




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-001

Refbacks

  • There are currently no refbacks.