Boca de lixo: como filmar quem não quer ser filmado? / Garbage mouth: how to film who don't want to be filmed?

Denise da Silva Santos

Abstract


O artigo “Boca de Lixo: Como filmar quem não quer ser filmado?”propõe a análise da linguagem do cinema documental de Eduardo Coutinho (1933 - 2014), considerado como a arte de captar o encontro, tomando como exemplo o  documentário Boca de Lixo (2002). Busca-se compreender os métodos utilizados por Coutinho ao evocar a palavra do outro, criando dispositivos para que pessoas comuns se expressem em frente à câmera e falem de si. Pretende também situar o fazer documentário no campo filosófico do diálogo, a partir, sobretudo, de conceitos do pensador Martin Buber (1878 - 1965). Em termos da ética buberiana, o cineasta busca estabelecer encontros verdadeiros mediante o diálogo com o outro.

 

 


Keywords


cinema documentário, eduardo coutinho, ética, alteridade, encontro.

References


ARAÚJO, I.; COUTO, J. G. “A Cultura do Transe”. Folha de São Paulo, São Paulo, Domingo, 28 de nov. de 1999. Caderno Mais. Disponível em: < http://www1.folha.uol.com.br/fsp/mais/fs2811199915.htm>. Acesso em: 03 de dez. 2014.

BOCA de lixo. Direção: Eduardo Coutinho. Brasil: 50 min, 1992.

COUTINHO, E. A verdade da filmagem. In: OHATA, Milton (Org.). Eduardo Coutinho. São Paulo: Cosac Naify, 2013. p. 14-20.

BUBER, M. Do Diálogo e do Dialógico. São Paulo: Perspectiva, 1982.

______, M. Eu e Tu. São Paulo: Centauro, 1977.

SIMÕES, M. O que eu faço é contra o jornalismo. Portal Fórum. 2014. Disponível em: . Acesso em: 8 jan. 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-633

Refbacks

  • There are currently no refbacks.