Perfil sociodemográfico e grau de incapacidade do portador de hanseníase em um centro de referência no estado do Ceará / Sociodemographic profile and degree of disability in leprosy carrier in a reference center in the state of Ceará

Nayara Magda Gomes Barbosa da Costa, Tiago da Costa Silva Barbosa, Danielle Teixeira Queiroz, Antônia Karoline Araújo Oliveira, Lea Cristina Damo Montemezzo, Ulienne do Couto Andrade

Abstract


A hanseníase é uma doença infecciosa crônica causada pela bactéria Mycobacterium leprae e que atinge principalmente pele e nervos periféricos. Em relação a hanseníase, utilizam-se graus de incapacidade como indicadores epidemiológicos. Nesse contexto, no presente estudo, objetivou-se identificar o grau de incapacidade dos pacientes com hanseníase no diagnóstico inicial em um centro de referência. Trata-se de um estudo descritivo retrospectivo com abordagem quantitativa realizada no Centro de Referência Nacional em Dermatologia Sanitária Dona Libânia, localizado em Fortaleza/CE. Os dados foram coletados por meio de consulta aos prontuários de casos diagnosticados com hanseníase no período de 2008 a 2012. Para a consulta aos prontuários foi elaborado roteiro contendo variáveis sociodemográficas e clínica, tais como: procedência, renda, sexo, escolaridade, padrão racial, faixa etária e grau de incapacidade no diagnostico inicial. Verificou-se que a hanseníase é mais comum em homens, adultos, de baixa escolaridade e renda, moradores das grandes cidades. Metade dos pacientes chegou ao centro de referência com ausência de incapacidades e a outra metade apresentou graus de incapacidades 1 e 2. No geral, para evitar diagnósticos e tratamentos tardios e a evolução das incapacidades, a população mais afetada ainda necessita de mais informações sobre a doença, bem como os profissionais de saúde necessitam de participação mais efetiva para a realização de diagnostico inicial antes do paciente apresentar algum grau de incapacidade.  


Keywords


Enfermagem, Saúde pública, Epidemiologia

References


BARRETO, J. G.; BISANZIO, D.; GUIMARÃES, L. S.; SPENCER, J. S.; VAZQUEZ-PROKOPEC, G. M.; KITRON, U.; SALGADO, C. G. Spatial analysis spotlighting early childhood leprosy transmission in a hyperendemic municipality of the brazilian amazon region. PLOS Neglected Tropical Diseases, v. 8, n. 2, e2665, 2014. https://doi.org/10.1371/journal.pntd.0002665.

BRASIL. Ministério da Saúde. Manual de prevenção de incapacidades. Brasília: Área Técnica de Dermatologia Sanitária. 2001. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/MANPREV2000.pdf 27 Out. 2013.

_______. Ministério da Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia de procedimentos técnicos. Baciloscopia em Hanseníase. Brasília: Ministério da Saúde. 2010. http://www.morhan.org.br/views/upload/guia_hanseniase_10_0039_m_final.pdf 20 Out. 2013.

_______. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância em Doenças Transmissíveis. Diretrizes para vigilância, atenção e eliminação da hanseníase como problema de saúde pública: manual técnico-operacional. Brasília: Ministério da Saúde, 2016. http://www.saude.gov.br/images/pdf/2016/fevereiro/04/diretrizes-eliminacao hanseniase-4fev16-web.pdf 20 maio 2020.

_______. Ministério da Saúde. Departamento de Vigilância Epidemiológica. Guia prático sobre hanseniase. Brasília. 2017. https://www.saude.gov.br/images/pdf/2017/novembro/22/Guia-Pratico-de-Hanseniase-WEB.pdf 20 maio 2020.

BRUSCHI, K. R.; LABRÊA, M. G. A.; EIDT, L. M. Avaliação do estado nutricional e do consumo alimentar de pacientes com hanseníase do ambulatório de dermatologia sanitária. Hansenologia Internationalis, v. 36, n. 2, p. 53-61, 2011. http://periodicos.ses.sp.bvs.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S198251612011000200007&lng=pt&nrm=iss 20 out. 2013.

CARNEIRO, D. F.; SILVA, M. M. B.; PINHEIRO, M.; PALMEIRA, I. P.; MATOS, E. V. M. M.; FERREIRA, A. M. R. Itinerários terapêuticos em busca do diagnóstico e tratamento da hanseníase. Revista Baiana de Enfermagem, v. 31, n. 2, e17541, 2017. http://dx.doi.org/10.18471/rbe.v31i2.17541

CEARÁ. Secretaria da Saúde. Boletim epidemiológico da hanseníase. Fortaleza: Núcleo de Vigilância Epidemiológica. 2019. https://www.saude.ce.gov.br/wp-content/uploads/sites/9/2018/06/boletim_hanseniase_21_01_19.pdf 20 maio 2020.

CORTELA, D. C. B.; FERREIRA, S. M. B.; VIRMOND, M. C. L.; MIERAS, L.; STEINMANN, P.; IGNOTTI, E.; CAVALIERO, A. Aceitabilidade da quimioprofilaxia em área endêmica para a hanseníase: projeto PEP-Hans Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 36, n. 3, e00068719, 2020. https://doi.org/10.1590/0102-311x00068719

COSTA, A. K. A. N.; PFRIMER, I. A. H.; MENEZES, A. M. F.; NASCIMENTO, L. B.; CARMO FILHO, J. R. Aspectos clínicos e epidemiológicos da hanseníase. Revista de Enfermagem UFPE on line, v. 13, n. 1, p. 353-362, 2019. https://doi.org/10.5205/1981-8963-v13i02a236224p353-362-2019.

EIDT, L. M. Breve história da hanseníase: sua expansão do mundo para as Américas, o Brasil e o Rio Grande do Sul e sua trajetória na saúde pública brasileira. Saúde e Sociedade, v. 13, n. 2, p. 76-88, 2004. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-12902004000200008.

HEUKELBACH, J.; CHICHAVA, O. A.; OLIVEIRA, A. R. de; HÄFNER, K.; WALTHER, F.; ALENCAR, C. H. M. de; RAMOS JÚNIOR, A. N.; FERREIRA, A. C.; ARIZA, L. Interruption and defaulting of multidrug therapy against leprosy: population-based study in Brazil’s Savannah Region. Plos Neglected Tropical Diseases, v. 5, n. 5, e1031, 2011. https://dx.doi.org/10.1371/journal.pntd.0001031.

KERR-PONTES, L. R.; BARRETO, M. L.; EVANGELISTA, C. M.; RODRIGUES, L. C.; HEUKELBACH, J.; FELDMEIER, H. Socioeconomic, environment, and behavioural risk factors for leprosy in North-east Brazil: results of a case-control study. International Journal Epidemiology, v. 35, n. 4, p. 994-1000, 2006. https://doi.org/10.1093/ije/dyl072.

LINS, A. U. F. A. Representações sociais e hanseníase em São Domingos do Capim: um estudo de caso na Amazónia. Physis: Revista de Saúde Coletiva, v. 20, n. 1, p. 171-194, 2010. https://doi.org/10.1590/S0103-73312010000100010.

OLIVEIRA, D. T.; SHERLOCK, J.; MELO, E. V.; ROLLEMBERG, K. C. V.; PAIXÃO, T. R. S.; ABUAWAD, Y. G.; SIMON, M. V.; DUTHIE, M.; JESUS, A. R. Clinical variables associated with leprosy reactions and persistence of physical impairment. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 46, n. 5, p. 600-604, 2013. https://doi.org/10.1590/0037-8682-0100-2013

OLIVEIRA, L. R.; NASCIMENTO, A. R.; NASCIMENTO, M. M. P.; PEREIRA, A. P.; LEMOS, I. C. S.; KERNTOPF, M. R. Limitação de atividades e participação social entre usuários de um grupo de autocuidado em hanseníase. Revista Interdisciplinar, v. 9, n. 1, p. 171-181, 2016. https://revistainterdisciplinar.uninovafapi.edu.br/index.php/revinter/article/view/791 20 maio 2020.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Estratégia global aprimorada para redução adicional da carga da hanseníase: período do plano: 2011/2015. Organização Pan-Americana de Saúde. 2010. http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/estrategia_global_aprimorada_reducao_hanseniase.pdf 20 Out. 2013.

REYES, E. R. Lepra: asunto de preocupación de salud mundial. Revista Ciencias Médicas La Habana, v. 19, n. 3, p. 421-432, 2013. http://revcmhabana.sld.cu/index.php/rcmh/article/view/617 20 out. 2013.

SANTOS, V. S.; MATOS, A. M. S.; OLIVEIRA, L. S. A.; LEMOS, L. M. D.; GURGEL, R. Q.; REIS, F. P.; SANTOS, V. P.; FEITOSA, V. L. Clinical variables associated with disability in leprosy cases in northeast Brazil. Journal of Infection Developing Coutries, v. 9, n. 3, p. 232-238, 2015. https://doi.org/10.3855/jidc.5341.

SEGURADO, A. C.; CASSENOTE, A. J.; LUNA, E. A. Saúde nas metrópoles: doenças infecciosas. Estudos avançados, v. 30, n. 86, p. 29-49, 2016. http://doi.org/10.1590/S0103-40142016.00100003.

SILVA, J. S. R.; PALMEIRA, I. P.; SÁ, A. M. M.; NOGUEIRA, L. M. V.; FERREIRA, A. M. R. Fatores sociodemográficos associados ao grau de incapacidade física na hanseníase. Revista Cuidarte, v. 9, n. 3, p. 2338-2348, 2018. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v9i3.548

SILVA, J. S. R.; PALMEIRA, I. P.; SÁ, A. M. M.; NOGUEIRA, L. M. V.; FERREIRA, A. M. R. Variáveis clínicas associadas ao grau de incapacidade física na hanseníase. Revista Cuidarte, v. 10, n. 1, p. 618-630, 2019. https://doi.org/10.15649/cuidarte.v10i1.618.

SILVA, M. S.; RODRIGUES, D. S.; SILVA, D. M. B.; ROCHA, S. L.; COSTA, N. L.; SILVA, W. C. S.; CALDAS, I. F. R. Descrição e comparação entre casos de hanseníase presentes em crianças na região de Carajás-Pará. Brazilian Journal of Development, v. 6, n. 2, p.7343-7357, 2020. https://doi.org/10.34117/bjdv6n2-147.

SIMÕES, M. J. S.; DELELLO, D. Estudo do comportamento social dos pacientes de hanseníase do município de São Carlos-SP. Revista Espaço para Saúde, v. 7, n. 1, p. 10-15, 2005.

SOUZA, E. A.; HEUKELBACH, J.; OLIVEIRA, M. L. W.; FERREIRA, A. F.; SENA NETO, S. A.; RAPOSO, M. T.; RAMOS, J. R. A. N. Baixo desempenho de indicadores operacionais de controle da hanseníase no estado da Bahia: padrões espaçotemporais, 2001-2014. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 23, e200019, 2020. https://doi.org/10.1590/1980-549720200019.

UCHÔA, R. E. M. N.; BRITO, K. K. G.; SANTANA, E. M. F.; SOARES, V. L.; SILVA, M. A. Perfil clínico e incapacidades físicas em pacientes com hanseníase. Revista de Enfermagem UFPE, v. 11, n. 3, p. 1464-1472, 2017. http://doi.org/10.5205/reuol.10263-91568-1-RV.1103sup201719.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-618

Refbacks

  • There are currently no refbacks.