Perfil sociodemográfico e práticas de autocuidado desenvolvidas por pessoas com estomia intestinal de eliminação / Sociodemographic profile and self-care practices developed by people with intestinal elimination ostomy

Carlos Alberto Davila Valau Júnior, Bruna Sodré Simon, Raquel Pötter Garcia, Angélica Dalmolin, Bruna Stamm, Jenifer Harter

Abstract


Estudo qualitativo, realizado em 2017, no domicílio de oito pessoas com estomia intestinal, por meio de entrevista semiestruturada. Os dados foram submetidos à análise temática. Os objetivos foram identificar o perfil sociodemográfico e conhecer as práticas de autocuidado desenvolvidas por pessoas com estomia intestinal de eliminação residentes em um município da Fronteira-Oeste do Rio Grande do Sul. A maioria dos participantes foram homens, idosos, aposentados, casados, com baixa escolaridade e renda salarial. Todas estomias foram confeccionadas como terapêutica do câncer colorretal e eram do tipo definitiva. Identificou-se que a família é responsável por realizar os cuidados com a estomia e o equipamento coletor até que o familiar desenvolva as habilidades necessárias para cuidar-se. As práticas de autocuidado são desenvolvidas gradativamente, tendo suas ações direcionadas à higienização e troca da bolsa coletora, aos cuidados com a pele periestoma, aos hábitos alimentares e as mudanças relacionadas ao modo de vestir. As pessoas com estomia intestinal de eliminação tem ações particulares para realizar o autocuidado, desenvolvendo habilidades específicas para cada situação encontrada. No entanto, por mais que realizem o autocuidado, observou-se que existe precariedade de informações sobre como desenvolver os cuidados relacionados à estomia e a pele periestomal, o que pode dificultar o desenvolvimento da autonomia e postergar a reabilitação.


Keywords


Autocuidado. Estomia. Enfermagem.

References


ALBUQUERQUE, A.F.L.L. et al. Tecnologia para o autocuidado da saúde sexual e reprodutiva de mulheres estomizadas. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v. 69, n. 6, p. 1164-1171, nov./dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 13 dezembro 2019.

ANDRADE, R.S. et al. Martins JM, Medeiros LP, Souza AJG, Torres GV, Costa IKF. Aspectos sociodemográficos, clínicos e de autocuidado de pessoas com estomas intestinais. Rev enferm UERJ, Rio de Janeiro, 25:e19368, 2017. Disponível em: < https://www.e-publicacoes.uerj.br/index.php/enfermagemuerj/article/view/19368/24239>. Acesso em: 03 maio 2020.

ARDIGO, F.S; AMANTE, L.N. Conhecimento do profissional acerca do cuidado de enfermagem à pessoa com estomia intestinal e família. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v. 22, n. 4, out./dez. 2013. Disponível em: . Acesso em: 13 dezembro 2019.

BRASIL. Ministério da Saúde. Estimativa 2018: Incidência de Câncer no Brasil. Instituto Nacional José Alencar Gomes da Silva. Rio de Janeiro: INCA, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Estimativa 2020: incidência de câncer no Brasil / Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva. Rio de Janeiro: INCA, 2019

BRASIL. Decreto 5.296, de 02 de dezembro de 2004. Regulamenta a Lei No 10.046, de 8 de novembro de 2000, que dá prioridade de atendimento às pessoas que específica, e Lei 10.098, de 19 de Dezembro de 2000, que estabelece normas gerais critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida , e dá outras previdências. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 3 dez. 2004. Seção 1. P. 5.

BRAZ, D.S; ARAUJO, R.A; TRANDAFILOV, A.Z. A importância das orientações de enfermagem para pacientes portadores de ostomia. Revista Pesquisa e Ação, Mogi das Cruzes, v.3, n. 1, maio. 2017. Disponível em: < https://revistas.brazcubas.br/index.php/pesquisa/article/view/270>. Acesso em: 13 dezembro 2019.

BARBOSA, M.H. et.al. Aspectos clínicos e epidemiológicos de estomizados intestinais de um município de Minas Gerais. Revista de enfermagem e atenção à saúde, Uberaba, v.3, n.1, p.64-73, 2014. Disponível em: < http://seer.uftm.edu.br/revistaeletronica/index.php/enfer/article/view/931>. Acesso em: Acesso em: 21 novembro 2019.

BULKLEY, J.E. et al. Ongoing ostomy self-care challenges of long-term rectal cancer survivors. Support Care Cancer, Toronto, v.26, n.11, p.3933–3939, November, 2018. Disponível em: . Acesso em: 03 maio 2020.

CAMPOS, K. et al. The impact of colostomy on the patient’s life. J coloproctol, Rio de Janeiro, v.7, n.3, p.205–210, 2017. Disponível em: < https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S2237-93632017000300205>. Acesso em: 03 maio 2020.

CANTÃO, B.C.G. et al. Perfil epidemiológico dos pacientes com câncer atendidos na Unidade de Alta Complexidade em Oncologia Dr. Vitor Moutinho no município de Tucuruí-PA. Braz. J. of Develop., Curitiba, v.6, n.3, p.16410-16429, março, 2020. Disponível em: < http://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/8302/7305> . Acesso em: 15 junho 2020.

CARVALHO, D.S.S. et al. Construção de tecnologia educacional para estomizados: enfoque no cuidado da pele periestoma. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v.72, n.2, p.427-434. abril, 2019. Disponível em: < https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003471672019000200427&lng=en&nrm=iso&tlng=pt>. Acesso em: 07 junho 2020.

COELHO, A.M.S. et al. Autocuidado de pacientes com colostomia, pele periostomal e bolsa coletora. Revista de Enfermagem UFPE On line. Recife. v.9, n.10, p.9528-9534, outubro, 2015. Disponível em: < https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/view/10897>. Acesso em: 21 novembro 2019.

CUYLE, et al. Lanreotide in the prevention and management of high-output ileostomy after colorectal cancer surgery. Journal of drug assessment, Londres, v. 7, n 1, p. 28-33, may. 2018. Disponível em: < https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC5990955/pdf/ijda-7-1467916.pdf>. Acesso em: 07 junho 2020.

DALMOLIN, A. et al. Vídeo educativo como recurso para educação em saúde a pessoas com colostomia e familiares. Revista Gaúcha de Enfermagem, Porto Alegre, v.37, n.esp., p.1-9, fevereiro, 2017. Disponível em: < https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1983-14472016000500408>. Acesso em: 07 dezembro 2019.

FARIAS, D.L.S., Nery, R.N.B., Santama, M.E. O enfermeiro como educador em saúde da pessoa esomizada com câncer colorretal. Enfermagem em Foco, v.10, n., p.35-39, 2019. Disponível em: < http://revista.cofen.gov.br/index.php/enfermagem/article/view/1486/490>. Acesso em: 07 dezembro 2019.

MARTINS, L.M. et al. Rehabilitation of individuals with intestinal ostomy. British Journal of Nursing, Londres, v.24, n.22, 2015. Disponível em: . Acesso em: 07 junho 2020.

MINAYO, M.C.S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 12. ed. São Paulo: Hucitec, 2010.

MIRANDA, L.S.G., CARVALHO, A.A.S., PAZ, E.P.A. Qualidade de vida da pessoa estomizada: relação com os cuidados prestados na consulta de enfermagem de estomaterapia. Escola Anna Nery, Rio de Janeiro, v.22, n.4, p.e20180075, outubro, 2018. Disponível em: . Acesso em: 05 dezembro 2019.

MONTEIRO, A.K.C. et al. Efecto de la intervención educativa en el postoperatorio de personas con estomias intestinales de eliminación: revisión sistemática. Enfermería Global, Murcia, v.19, n.1, p.648-662, enero 2020. Disponível em: . Acesso em: 07 junho 2020.

MOTA M. et al. Autocuidado: uma estratégia para a qualidade de vida da pessoa com estomia. Investig Enferm. Imagen Desarr, Bogotá, v.18, n.1, p.63-78, janeiro-junho, 2016. Disponível em: < https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=145243501005>. Acesso em: 05 dezembro 2019.

MOTA, M.S., GOMES, G.C., PETUCO, V.M. Repercussões no processo de viver da pessoa com estoma. Texto & Contexto Enfermagem, Florianópolis, v.25, n.1, p.1-8, abril, 2016. Disponível em: < https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=145243501005>. Acesso em: 05 dezembro 2019.

NIEVES, C.B.L. et al. Percepção de pacientes ostomizados sobre os cuidados de saúde recebidos. Revista Latino Americana de Enfermagem, Ribeirão Preto, v.25, p.1-8, set. 2017. Disponível em: < https://www.scielo.br/pdf/rlae/v25/pt_0104-1169-rlae-25-e2961.pdf>. Acesso em: 21 novembro 2019.

PIOLLI, K.C., MEDEIROS, M., SALES, C.A. Significations of being the caregiver of the companion with cancer: an existential look. Revista Brasileira de Enfermagem, Brasília, v.69, n.1, p.99-105. 2016. Disponível em: < https://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003471672016000100110&lng=en&nrm=iso&tlng=en>. Acesso em: 05 dezembro 2019.

SEO, H.W. Effects of the frequency of ostomy management reinforcement education on self-care knowledge, self-efficacy, and ability of stoma appliance change among Korean hospitalised ostomates. International Wound Journal, v.16, n.Suppl.1, p.21-28, 2019. Disponível em: < https://onlinelibrary.wiley.com/doi/epdf/10.1111/iwj.13047>. Acesso em: 07 junho 2020.

SILVA, C.R.D.T. et al. Qualidade de vida de pessoas com estomias intestinais de eliminação. Revista Acta Paulista de Enfermagem, São Paulo, v. 30, n.2, p. 144 – 51, abr. 2017. Disponível em: . Acesso em: 05 dezembro 2019.

SMELTZER, S.O., BARE, B.O. Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 9. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-588

Refbacks

  • There are currently no refbacks.