Participação e identidade profissional: A prática associativa de bibliotecários junto à associação de classe – ABMG / Participation and professional identity: The associative practice of libraries with the class association - ABMG

Andréa De P. B Martins, Áurea R. G. Thomazi

Abstract


O presente artigo na perspectiva do desenvolvimento local, buscou compreender a partir dos processos políticos sociais e articulações interinstitucionais, a participação e a prática associativa de profissionais bibliotecários junto ao órgão de classe profissional. O problema investigado é verificar a partir do que descrevem alguns autores sobre a participação incipiente, tímida ou não participação dos bibliotecários em órgãos de classe, se esta situação atinge também os bibliotecários do sistema universitário. Como demonstrado por alguns autores, justifica-se o pouco interesse dessa classe trabalhadora em participar das associações de representação de classe profissional, com o desinteresse pelos espaços associativos. Muitos apontam a falta de formação política, questões culturais, rotinas de trabalho incompatíveis, também devido à prática participativa ser muito desgastante exigindo disponibilidade de tempo, empenho e estudo dentre tantos outros motivos. Aqui, o interesse específico é pela participação dos bibliotecários na Associação dos Bibliotecários de Minas Gerais (ABMG). Se há participação, é preciso pensar também sobre os critérios da qualidade política da associação: representatividade, legitimidade, participação de base e auto sustentação, analisados na perspectiva das relações estabelecidas entre o Sistema de Bibliotecas da UFMG e a associação de classe – ABMG, priorizando a perspectiva dos bibliotecários.


Keywords


Participação, Associação de Classe, Bibliotecários.

References


ALMEIDA, JÚNIOR, O.F. de A. Sociedade e Biblioteconomia. São Paulo: Ed. Polis, 1997.

AVRITZER, L. . Um Desenho Institucional Para O Novo Associativismo. Lua Nova, São Paulo, v. 1, n.39, p. 149-174, 1997.

BIASOTTI, M. M. D. de La R. A situação das associações . In. Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação, 9. Porto Alegre, 3-8 jul de 19777. Anais ...Porto Alegre. Associação Rio-Grandense de Bibliotecários, 1977. V.2 p. 136

BOBBIO, Norberto; MATTEUCI, Nicolas; PASQUINO, Gianfranco. Dicionário de política. 12. ed. Brasília: UNB, 2004.

BOSCHI, R. A Arte da Associação. Rio de Janeiro: Vertice. 1986.

CARVALHO, José Murilo de. Cidadania no Brasil. O Longo Caminho. 13ªed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010.

CASTELLS, M. O poder da identidade. 2.ed. coleção: a era da informação: economia, sociedade e cultura. vol 2. São Paulo, editora: paz e terra, 2000. 530 p.

Castro, César Augusto. História da biblioteconomia brasileira. Brasília: Thesaurus Editora, 2000. 287 p.

DALLARI, D. de A. O que é participação política? São Paulo: Brasiliense,2004.

DEMO, P. Participação é conquista: noções de política social participativa. 4ª ed. São Paulo, Cortez, 1999.

DEMO, P. Conhecimento moderno: sobre ética e intervenção do conhecimento. Petrópolis: Vozes, 1997. 317p.

DEUS, C.C.R.D. de, Evolução das Bibliotecas Universitárias e suas relações com as Políticas Educacionais no Brasil. In: Congresso Brasileiro de Biblioteconomia e Documentação, 24., 2011, Maceió. 2011.

DUDZIAK, E. A., O bibliotecário como agente de transformação em sociedade complexa: integração entre ciência, tecnologia, desenvolvimento e inclusão social. Ponto de Acesso, Salvador, v.1, n.1, p.88-98, jun. 2007.

FISCHER, Tânia. Poderes locais, desenvolvimento e gestão: introdução a uma agenda. In: FISCHER, Tânia. (org.). Gestão do desenvolvimento e poderes locais: marcos teóricos e avaliação. Salvador: Casa da Qualidade, p. 12-32, 2002.

FERREIRA, M. M., EVANGELISTA, R., PEREIRA, J. S., O profissional bibliotecário no Maranhão e sua relação com os Órgãos de Classe, 24, Congresso Brasileiro de Biblioteconmia, Documentação e Ciência da Informação: Sistemas de Informação, Multiculturalidade e Inclusão Social. Maceió 2011.

FONSECA, Edson Nery. Ser ou não ser bibliotecário e outros manifestos contra a rotina. Brasília: ABDF, 1988. 260 p.

FONSECA,J.J.S.da.Planejamentoparticipativo.Disponívelem:. Acesso em: 27 mai. 2012.

GANANÇA, A. C. Associativismo no Brasil: características e limites para a construção de uma nova institucionalidade democrática participativa. 2006. Dissertação (Mestrado em Ciência Política) – Instituto de Ciência Política da Universidade de Brasília – UNB, Brasília, 2006.

GOHN, Maria da Glória. Conselhos gestores e participação sociopolítica. São Paulo: Cortez, 2001.

GOHN, Maria da Glória. Teorias dos movimentos sociais. Paradigmas clássicos e

contemporâneos. São Paulo: Loyola, 1997.

GOSS, Karine; PRUDENCIO, Kelly. O conceito de movimentos sociais revisitado. Revista Eletrônica dos Pós-Graduandos em Sociologia Política da UFSC, vol. 2, n. 1, jan.-jul. 2004,p.75-91.Disponívelemwww.periodicos.ufsc.br/index.php/emtese/article/download/.../12489 Acesso em 20/07/2013

LIMA, C.C de., LIMA, K.de, A auto imagem do bibliotecário versus a visão social: uma análise da valorização profissional. Monografia. Maceió, 2009. Universidade Federal de Alagoas.

SPUDEIT, D.F.A.O., Sindicatos de bibliotecários: história e atuação: Librarians’ unions: history and practice. Revista TransInformação,Campinas, 23(3): 235-249, set/dez. 2011.

VASCONCELOS, M. L. C. R. Movimento associativo Ascenção ou desintegração. Caderno Brasileiro de biblioteconomia, 1 (1): 3-5, set, 1980.

TOURAINE, Alan. Um novo paradigma: para compreender o mundo hoje. Petrópolis: Vozes, 2006

WALTER, M. T. M. T. Identidade, valores e mudanças: o poder da identidade professional. Os bibliotecários subsistem na sociedade da informação? Em questão. V.10, n.2, p. 287-299, jul/dez.2004.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-578

Refbacks

  • There are currently no refbacks.