Estudo químico de chás de folhas de sabugueiro (Sambucus australis) / Chemical study of elderberry tea (Sambucus australis)

Antonio dos Santos Silva, Osmar Alves Lameira, Kelson do Carmo Freitas Faial, Regina Celi Sarkis Müller, Davi do Socorro Barros Brasil

Abstract


Plantas medicinais sempre foram largamente utilizadas pelos seres humanos ao longo dos tempos, principalmente pelas parcelas mais pobres da população, todavia, esse uso as vezes pode levar a sérios problemas de saúde, como intoxicação por metais. Na Amazônia muitas espécies vegetais, nativas ou exóticas, são usadas para combater diversos males, como é o caso do sabugueiro (Sambucus australis L.), espécie natural do Sul do Brasil, mas cultivada em quintais da região Norte, onde é empregado como chás através de suas folhas para o tratamento de resfriados, catapora, sarampo e diversos outros males. Neste trabalho foram determinados, via ICP OES, os teores de Al, Ba, Ca, Cr, Cu, Fe, K, Mg, Mn, Na, Ni e Zn em chás de folhas de sabugueiro, provenientes da Embrapa Amazônia Oriental e de dois municípios do nordeste do Pará (Bragança e Vigia). Os resultados encontrados sugerem que o consumo de uma xícara de chá (250 mL) não é suficiente para que haja intoxicação humana em termos dos elementos químicos investigados.

 

 


Keywords


Droga vegetal, metais, Amazônia.

References


ALMEIDA, M. Z. PLANTAS MEDICINAIS. 3ª ed. Salvador: EDUFBA, 2011.

AZEVEDO, F. A., CHASIN, A. A. M. Metais: gerenciamento da toxicidade. São Paulo: Atheneu, 2003.

BAHIENSE, J. B.; MARQUES, F. M.; FIGUEIRA, M. M.; VARGAS, T. S.; KONDRATYUK, T. P.; ENDRINGER, D. C.; SCHERER, R.; FRONZA, M. Potential anti-inflammatory, antioxidant and antimicrobial activities of Sambucus australis. Pharmaceutical Biology, 55:1, 991-997, 2017.

BUENO, L. Efeito do Triacilglicerideo de Cadeia Média, da Fibra e do Cálcio na Disponibilidade de Magnésio e de Zinco pelo Método in Vitro e Metodologia de Superfície de Resposta. Química Nova, 31, 306, 2008.

COZZOLINO, S. M. F. BIODISPONIBILIDADE DE NUTRIENTES. São Paulo: Editora Manole LTDA, 2007.

DE LUCA, V. D.; NICOLAU, V. R.; GONÇALVES, T. M.; MARQUES, B. H.; ZANETTE, V. C.; AMARAL, P. A. Utilização de plantas medicinais no entorno do Parque Estadual da Serra Furada, Santa Catarina, Brasil: uma abordagem etnobotânica. Brazilian Journal of Biosciences, v. 12, n. 2, 59, 2014.

DI STASI, L. C.; HIRUMA-LIMA, C. A. Plantas Medicinais na Amazônia e na Mata Atlântica. São Paulo: UNESP, 2002.

FARMACOPEIA BRASILEIRA. v. 1, 5ª ed. Brasília: ANVISA, 2005.

FIORINI, L. S. Dossiê: Os minerais na alimentação. Food Ingredients Brasil, v. 4, 2008.

FRAXE, T. J. P. Cultura cabocla-ribeirinha: mitos, lendas e transculturalidade. São Paulo: AnnaBlumen, 2004.

GOWRI, J.; PRAGATHISWARAN, C.; AROCKIA, S. P. Innovare Journal of Science, 5, 1, 28, 2017.]

HOSTETTMANN, K.; QUEIROZ, E. F.; VIEIRA, P. C. Princípios ativos de plantas superiores. São Carlos, SP: EDUFSCAR, 2003.

MAIGA, A.; DIALLO, D.; BYE, R.; PAULSEN, B. S. Determination of Some Toxic and Essential Metal Ions in Medicinal and Edible Plants from Mali. J. Agric. Food Chem., 53, 2316, 2005.

PALERMO, J. R. BIOQUÍMICA DA NUTRIÇÃO. 2ª ed. São Paulo: Atheneu, 2014.

PEDRO, F. G. G.; ARRUDA, G. L.; OLIVEIRA, J. C.; SANTOS, A. D.; SIGARINI, K.S.; HERNANDES, T.; VILLA, R. D.; OLIVEIRA, A. P. Composição centesimal e mineral de plantas medicinais comercializadas no mercado do Porto de Cuiabá, Mato Grosso, Brasil. Rev. Bras. Pl. Med.,18, 1, supl. I, 2016.]

PEIXOTO, A. M.; DE SOUSA, J. S. I.; DE TOLEDO, F. F.; REICHARDT, K; MOLINA FILHO, J. ENCICLOPÉDIA AGRÍCOLA BRASILEIRA. S-Z. vol. 6. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo; Fapesp, 2006.

PEREIRA, A. R. B. Estudo Comparativo dos Teores de Metais Contaminantes em Amostras de Chás Provenientes de Agricultura Tradicional e Biológica. 2012. Dissertação (Mestrado em Controle de Qualidade e Toxicologia dos Alimentos, Faculdade de Farmácia, Universidade de Lisboa), 125 folhas, 2012.

PEREIRA-JÚNIOR, J. B.; DANTAS, K. G. F. Evaluation of inorganic elements in Cat’s Clow teas using ICP OES and GFAAS. Food Chemistry, 196, 331, 2016.

PETENATTI, M. E.; PETENATTI, E. M.; VITTO, L. A.; TÉVES, M. R.; CAFFINI, N. O.; MARCHEVSKY, E. J.; PELLERANO, R. G. Evaluation of macro and microminerals in crude drugs and infusions of five herbs widely used as sedatives. Braz. J. Pharmacogn., 21, 6, 1144, 2011.

PYTLAKOWSKA, K.; KITA, A.; JANOSKA, P.; POŁOWNIAK, M.; KOZIK, V. Multi-element analysis of mineral and trace elements in medicinal herbs and their infusions. Food Chemistry. 135, 494, 2012.

RAMOS, T. J. N.; LAMEIRA, O. A.; SILVA, M. S. M.; MÜLLER, R. C. S.; FAIAL, K. C. F.; LIMA, M. O. Avaliação da Composição Mineral de Folhas e Chás de Embaúba (Cecropia palmata Willd. e Cecropia obtusa Trécul.) por Espectrometria de Emissão Ótica em Plasma Indutivamente Acoplado (ICP-OES) Rev. Virtual Quim. 9, 6, 2017.

SIMÕES, C.M.O. Farmacognosia: da Planta ao Medicamento. 6ª edição. 2010.

TACO. Tabela Brasileira de Composição de Alimentos. 4a ed. Campinas, SP: UNICAMP, 2017.

VEIGA JUNIOR, V. F.; PINTO, A. C. O.; MACIEL, M. A. M. Plantas medicinais: cura segura? Química Nova, São Paulo, v. 28, n. 3, 519, 2005.

VIEIRA, S. Introdução à Bioestatística. 4ª ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2011.

WHO. Trace elements in human nutrition and health. WHO: Genebra, 1997.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-556

Refbacks

  • There are currently no refbacks.