Das lógicas de dominação dos Outros aos processos de (re) existência: a educação como movimento cultural emancipatório na região Sudeste do Pará/ From the logic of domination of Others to the processes of (re) existence: education as an emancipatory cultural movement in the southeastern region of Pará

Anastacia Pavão Oliveira, Hiran de Moura Possas, Cristiano Bento da Silva, Andréa Hentz de Mello, Marília Amaro Correia, Ana Lenira Nunes Cysne de Souza, Priscila Dias Pinto, Adelaide Severino do Nascimento Lima

Abstract


O artigo aborda os processos históricos de dominação e (re) existência na região sudeste do estado do Pará. Particularmente, e dentro desse escopo, atem-se à construção das relações sociais entre os indivíduos e grupos que conformaram – e conformam – esse território, assim como à relação deste indivíduos e grupos sociais com o seu meio biofísico/natureza. O objetivo é estudar e analisar as dinâmicas socioculturais que encaminham práticas de uso e de significação da natureza, e da vida, mas também refletir sobre as propostas de educação emancipatória em curso, na conformação da mesorregião sudeste do Pará. Para tanto, a metodologia adotada apoiou-se em referenciais teóricos de concepções como: Culturas e Natureza, Diversidade, Identificações, Diásporas e Hibridismo Cultural. Percebe-se, ao longo da história dos povos e comunidades que viviam – e vivem – na mesorregião, que a dominação através de práticas de coerção do corpo e da natureza foi– e ainda é – um expediente adotado para cumprir as propostas de desenvolvimento exógenas pensadas para este território, e sua gente. Por outro lado, podemos ver que os indivíduos/grupos sociais não se comportam como meras vítimas testemunhais da história. Ao contrário, há respostas assentadas nas lutas dos movimentos sociais, que representam experiências pedagógicas emancipatórias, e reafirmam a diversidade de traços culturais existente no território.


Keywords


Amazônia, Dinâmicas socioculturais e territoriais, Educação libertadora, Estudos culturais.

References


ACSELRAD, H. As práticas espaciais e o campo dos conflitos ambientais. In: (Org.) ACSELRAD, H. Conflitos ambientais no Brasil. Rio de Janeiro: Relume Dumará/Fundação Heinrich Böll, 2004.

ALMEIDA, M. B. A etnografia em tempos de guerra: contextos temporais e nacionais do objeto da antropologia. In: PEIXOTO, F, A; PONTES, H; SCHWARCZ, L. M. (Org.) Antropologia, histórias, experiências. Belo Horizonte, Editora UFMG, 2004, p. 61-81.

ALTIERE, M. Agroecologia: bases científicas para uma agricultura sustentável. Editora Expressão Popular. Rio de Janeiro-RJ. 2012. 400p.

BARROS, M.F.M.; BARBOSA,M.J.de S. A educação do campo na trajetória do campesinato no Sudeste Paraense. Braz. J. of Develop., Curitiba, v. 5, n. 12, p. 28605-28621. Disponível em: http://www.brazilianjournals.com/index.php/BRJD/article/view/5136/4689 Acesso em: 05 maio de 2020. DOI:10.34117/bjdv5n12-039.

BECKER, B. K. Revisão das políticas de ocupação da Amazônia: é possível identificar modelos para projetar cenários? Revista Parcerias Estratégicas. n.12 – Set, 2001. Disponível em: < http://seer.cgee.org.br/index.php/parcerias_estrategicas/article/view/178> Acesso em 21 abr. 2020.

BOURDIEU, P. A identidade e a representação: Elementos para uma reflexão crítica sobre a idéia de região. In: O poder simbólico. 11ª Ed. Rio de Janeiro; Bertrand Brasil, 2007.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. - Brasília: Senado Federal, Coordenação de Equipes Técnicas,2017. 123 p.

BRASIL. Ministério da Educação. Referencial Curricular Nacional para as Escolas Indígenas. Brasília: MEC, 1998.

CALDART, R. S. Por uma Educação do Campo: traços de uma identidade em construção. IN: ARROYO, M. G.; CALDART, R.S.; MOLINA, M. C. (Org). Por uma Educação do Campo. Petropólis: Editora Vozes, 2011, p. 147-160.

COLL, A. N. Proposta para uma diversidade cultural intercultural na era da globalização. 2ª Ed. São Paulo: Instituto Polis, 2006.

DA MATTA, R.; LARAIA, R. B. Índios e castanheiros: A empresa extrativa e os índios no médio Tocantins. 2ª ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

DESCOLA, P. Além de natureza e cultura. Tessituras, Pelotas, v. 3, n. 1, p. 7-33, jan./jun. 2015.

DUTRA, M. S. A natureza da TV: uma leitura dos discursos da mídia sobre a Amazônia, biodiversidade, povos da floresta... Belém: NAEA, 2003.

EAGLETON, T. Versões de Cultura. In: EAGLETON, T. A ideia de Cultura. Trad. Sandra Castello Branco. São Paulo: UNESP, 2005 (p. 09-50).

FERNANDES, B. M. Diretrizes de uma caminhada. IN: ARROYO, M. G.; CALDART, R.S.; MOLINA, M. C. (Org). Por uma Educação do Campo. Petrópolis: Editora Vozes,2011, p. 133-146.

FOUCAULT, M. Em Defesa da Sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Tradução Maria Ermantina Galvão - São Paulo: Martins Fontes, 1999.

FOUCAULT, M. Microfísica do Poder. São Paulo: Graal, 2007.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 66. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2008. 253p.

GEERTZ, C. Uma descrição densa: por uma teoria interpretativa da cultura. In: A interpretação das culturas. 1. Ed. 13 reimpressão. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

HALL, A. Amazônia: Desenvolvimento para quem? Desmatamento e conflito social no Programa Grande Carajás. Editor Jorge Zahar, 1991.

HEBÉTTE, J. Cruzando a Fronteira: 30 anos de estudo do campesinato na Amazônia. Vol. III. Belém: UFPA, 2004.

INGOLD, T. Estar vivo: ensaios sobre movimento, conhecimento e descrição. Petrópolis, Vozes, 2015.

INSTITUTO FEDERAL DO PARÁ- IFPA. Projeto Político Pedagógico. 2016. 118 f.

INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA - INCRA. Área Incorporada ao Programa de Reforma Agrária – histórico. 2019.a Disponível em: http://www.incra.gov.br/tree/info/file/16434> Acesso em : 06 de maio de 2019.

_________Famílias Assentadas - histórico. 2019.b. Disponível em: http://www.incra.gov.br/tree/info/file/16436> Acesso em: 06 de maio de 2019.

LATOUR, B. Jamais fomos modernos: ensaio de antropologia simétrica. 2 ed. Rio de Janeiro: 34, 2009

LUKÁCS, G. Estética: La peculiaridad de lo estético. Cuestiones preliminares y de princípio. Barcelona: Grijalbo, 1966.

MANESCHY, R.Q.; PEREIRA, C. N.; MIRANDA, R. da S.; NUNES, J,S.; OLIVEIRA, I,K, de S.; AGUIAR, T.M.C.; MORORÓ,D.L.; OLIVEIRA,P.D.; ARAÚJO,C. de S. Quintais agroflorestais como estratégia alimentar familiar em assentamentos rurais no sudeste do Pará In: HENTZ,A.M.; MANESCHY,R.Q. (Org) Práticas agroecológicas: Soluções sustentáveis para a agricultura familiar na região sudeste do Pará. Jundiaí: Paco Editorial, 2011, p. 307-327.

MARTINS, L. S.; NALLI, M. A. G. A Morte como Factor Biopolitico em Michel Foucault. In: KRITSCH, Raquel; DONAT, Mirian. (Orgs.). Anais do VIII Seminário de Pesquisa em Ciências Humanas. SEPECH / Londrina: Eduel, 2010.

MARTINS, J. de S. Fronteira: a degradação do Outro nos confins do humano. São Paulo: Contexto. 2009. 189p.

MARTINS, J. de S. O tempo da fronteira retorno à controvérsia sobre o tempo histórico da frente de expansão e da frente pioneira. Tempo Social. Revista de Sociologia, USP. São Paulo. v. 8, n. 1. 1996. Disponível em: Acesso em 21 abr. 2020.

MBEMBE, A. Necropolítica. Revista Arte & Ensaios Nº 32. Rio de Janeiro, 2016.

MICHELOTTI, F.. Luta pela Terra e Assentamentos no Sudeste do Pará. Antropolítica (UFF), v. 26, p. 245-268, 2010.

MIGNOLO, Walter. Desobediência epistêmica: a opção descolonial e o significado de identidade em política. Cadernos de Letras da UFF–Dossiê: Literatura, língua e identidade, v. 34, p. 287-324, 2008.

OLIVEIRA, Luiz Antonio de; NASCIMENTO, Rita Gomes do. Roteiro para uma história da educação escolar indígena: notas sobre a relação entre política indigenista e educacional. Educ. Soc., Campinas , v. 33, n. 120, p. 765-781, set. 2012 . Disponível em . Acessos em 19 fev. 2019. http://dx.doi.org/10.1590/S0101-73302012000300007.

PERDOMO, R. P. Os efeitos da migração. Ethos Gubernamental, p. 111-124, 2006. Disponível em: http://files.bvs.br/upload/S/1555-8746/2007/vn4/a111-123-2.pdf Acesso em: 11 mai. 2020.

PEREIRA, A. dos R. A Prática da pistolagem nos conflitos de terra no sul e sudeste do Pará (1980-1995). Revista Territórios & Fronteiras, Cuiabá, vol. 8, n. 1, jan.-jun., 2015. Disponível: http://www.ppghis.com/territorios&fronteiras/index.php/v03n02/article/view/335/pdf. Acesso em 13 maio de 2020.

PITROU, P. Uma antropologia além de natureza e cultura? MANA 21(1): 181-194, 2015 – DOI http://dx.doi.org/10.1590/0104-93132015v21n1p181

SANTOS, B. de S.; MENESES, M. P. Epistemologias do sul. In: Epistemologias do Sul. Cortez, 2010. (p. 23-72) .

SAHLINS, M. O "pessimismo sentimental" e a experiência etnográfica: por que a cultura não é um "objeto" em via de extinção (parte I e II). MANA 3(1): 41 - 73, 1997.

SCHILLER, F. On the Aesthetic Education of Man, In a Series of Letters, Oxford, 1967, p. 17. Trad. de Teresa Rodrigues Cadete, Sobre a Educação Estética do Ser Humano numa Série de Cartas e Outros Textos, Lisboa, IN-CM, 1994.

SILVA, M. do S. Da raiz à flor: produção pedagógica dos movimentos sociais e a escola do campo. In: MOLINA, Mônica Castagna (Org.). Educação do Campo e Pesquisa: questões para reflexão. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Agrário, 2006, p. 60-93.

STOCKING, G.W. A formação da antropologia americana: 1883-1911. Rio de Janeiro: Contraponto/Editora da UFRJ, 2004.

TAVARES DOS SANTOS, J. V. A cidadania dilacerada. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 37, junho de 1993. Disponível: TAVARES DOS SANTOS, J. V. A cidadania dilacerada. Revista Crítica de Ciências Sociais, n. 37, junho de 1993. Disponível: https://www.ces.uc.pt/publicacoes/rccs/artigos/37/Jose%20Vicente%20Tavares%20dos%20Santos%20-%20A%20Cidadania%20Dilacerada.pdf. Acesso em: 13 de maio de 2020.

THOMAS, K. O homem e o mundo natural: mudanças de atitude em relação às plantas e aos animais (1500-1800). São Paulo: Companhia das Letras, 1989.

TURNER, T. Da cosmologia à história: resistência, adaptação e consciência social entre os Kayapó. Cadernos de Campo. Nº 1 – 1991.

VELHO, O. Frentes de Expansão e Estrutura Agrária: estudo do processo de penetração numa área da Transamazônica. [2. ed]. Rio de Janeiro: ZAHAR. 1981. 178p.

VIVEIROS DE CASTRO, E. Os pronomes cosmológicos e o perspectivismo ameríndio. Mana, vol. 2, num. 2, 1996, pp. 115-144.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-535

Refbacks

  • There are currently no refbacks.