Criação e compartilhamento do conhecimento usando tecnologia de impressão 3d em obras de arte para o aluno deficiente visual / Creating and sharing knowledge using 3d printing technology in works of art for the visual disabled student

Graciele Rodrigues Moreira, Tania Corredato Periotto, Nelson Tenório

Abstract


A interação entre as pessoas favorece o exercício de criar, compartilhar e de gerência dos conhecimentos. No âmbito escolar, isso não é diferente até porque a escola tem como propósito a reelaboração dos conhecimentos produzidos. Ao chegar à escola, os alunos trazem sua bagagem de conhecimento, habilidades, dificuldades e deficiências. Neste cenário objetivo aquí é o de descrever como o uso da tecnologia de impressão 3D pode subsidiar o compartilhamento do conhecimento de alunos do ensino médio na reprodução de obras de artes para deficientes visuais. Trata-se de estudo de caso que ocorreu em uma escola pública da cidade de Terra Boa – PR. O resultado foi à geração de uma obra de arte no formato 3D que pode se lida pelo aluno deficiente visual. Sua inclusão e participação efetiva foi fundamental na construção e compartilhamento do conhecimento do grupo.

 

 


Keywords


construção do conhecimento, compartilhamento do conhecimento, tecnologia de impressão 3D, inclusaõ do deficiente visual.

References


Amante, J. C.; Petri, C. A. (2017). Técnicas e ferramentas de gestão do conhecimento e inovação: O caso do instituto federal de Santa Catarina. Disponível em .Acesso em 20 mai. 2020.

Angeloni, M. T. (2002). Organizações do conhecimento: infraestrutura, pessoas, tecnologias. São Paulo: Saraiva.

Barbosa, A. M. (2016). Inquietações e mudanças no ensino da Arte. (7ª ed.). São Paulo: Cortez, 2012.

Brasil. Ministério da Educação (1999). Decreto n. 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei n. 7.853, de 24 de outubro de 1989.

Brasil. Ministério da Educação. (2018) Base Nacional Comum Curricular do Ensino Médio. Brasília. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/abase/#medio/a-area-de-linguagens-e-suas-tecnologias. Acesso em: 09 jun. 2020.

Brasil. Ministério da Educação. (2001) Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2, CNE/CEB 2001. In: Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC; SEESP, pp. 68-79.

Choo, C. W. (2003). Como ficamos sabendo – um modelo de uso da informação. In: A organização do conhecimento. São Paulo: SENAC.

Davenport, T. H.; Prusak, L.(1998). Conhecimento empresarial. Rio de Janeiro: Campus.

Drago, I., Silva, H. F. N.; Sato, A. (2014). Contribuições do movimento nós podemos Paraná para a criação e compartilhamento de conhecimentos. Em Questão, Porto Alegre, v. 20, n. 1, pp. 165-188, jan./jun.

Emydio, M. M; Rocha, R. F. da. (2012). Gestão do Conhecimento na Área Educacional : a Tecnologia como Instrumento Facilitador. Simpósio de Excelência Em Gestao e Tecnologia. Disponível em http://www.aedb.br/seget/arquivos/artigos12/31316263.pdf

Frantz, M. F. (2011). Criação e compartilhamento de conhecimento artístico e cultural em ambiente virtual interativo. Florianópolis, SC, 228 p.: il.

Garvin, D. A. (2000). Construindo a organização que aprende. In: Harvard Business Review. Gestão do Conhecimento. Rio de Janeiro: Campus, pp. 50-81.

Lakatos, E. M.(2017). Metodologia do Trabalho Cientifico. São Paulo. (8ª ed.).

Nonaka, I.; Takeuchi, H. (1997). Criação de Conhecimento na Empresa. Rio de Janeiro: Ed. Elsevier.

Nonaka, I.; Takeuchi, H. (2008). Gestão do conhecimento. Porto Alegre: Bookman.

Ono, A. T. (2014). Uma proposta de inter-relação entre a teoria da criação do conhecimento e a espiral da aprendizagem. Pretexto, Belo Horizonte, v. 15, n. 2, pp. 58-76.

Peruzzo, C. M. K. (2003). Mídias locais e suas interfaces com a mídia comunitária. XXVI Congresso Anual em Ciência da Comunicação, Belo Horizonte.

Pereira, J. L. C., Costa, M. P. R. (2009). Aluno com deficiência visual em sala de aula: Informações gerais para professores de Arte. Revista eletrônica de educação, São Carlos, UFSCar, v.3, no. 1, pp. 89-99, mai.

Probst, G.; Raub, S.; Romhart, K. (2002). Gestão do conhecimento: os elementos construtivos do sucesso. Porto Alegre: Bookman.

Romangnolli, G. S. E. Ross, P. R. (2008). Inclusão de aluno com Baixa Visão na rede pública de ensino: Orientação para professores. Curitiba. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/1109-2.pdf. Acesso em: 27 mai. 2020

Sá, E. D. Campos, I. M., Silva, M. B. (2007). Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Visual. Gráfica e Editora Cromos: Brasília. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_dv.pdf. Acesso em: 28 mai. 2020

Silva, S. L. da. (2005). Gestão do conhecimento: uma revisão crítica orientada pela abordagem da criação do conhecimento. Ciência Da Informação, 33(2), pp. 143–151. https://doi.org/10.1590/s0100-19652004000200015

Steil, A. V. (2007). Estado da arte das definições de gestão do conhecimento e seus subsistemas. Florianópolis: Instituto Stela, Technical Report.

Stewart, T. (2002). O. Capital intelectual. Rio de Janeiro: Campus.

Szulanski, G. (2000). The process of knowledge transfer: a diachronic analysis of Stickness. Organizational Behavior and Human Decision Processes, 82(1), pp. 9-27.

Terra, J. C. (2000). Gestão do Conhecimento. São Paulo: Negócio Editora.

Torres, J. B, .Gregório J. V., Souza M. V. (2019). A knowledge Management Model in the Support of Engineering Education. Brazilian Journal of Development, v. 5, pp. 17929-17944. http://dx.doi.org/10.34117/bjdv5n10-059 Acesso em: 30 mai. 2020

Valentim. M. L. P. (2008). Gestão da informação e gestão do conhecimento em ambientes organizacionais: conceitos e compreensões. Tendências da Pesquisa Brasileira em Ciência da Informação, v.1, n.1, Disponível em: http://inseer.ibict.br/ancib/index.php/tpbci/article/view/110. Acesso em: 27 mai. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-527

Refbacks

  • There are currently no refbacks.