Caracterização morfológica de sementes de alface (Lactuca Sativa L.) / Morphological characterization of lettuce seeds (Lactuca Sativa L.)

Cristina Rossetti, Natália Pedra Madruga, Nicolas da Conceição de Ávila, Adhelei Pires, Andréia da Silva Almeida, Jacqueline Barcelos da Silva, Anelise Chagas Kerchner, Lilian Vanussa Madruga de Tunes

Abstract


A alface é considerada a hortaliça folhosa mais importante no mundo sendo consumida, principalmente, in natura na forma de saladas de acordo com o potencial de cultivo apresentado pela espécie e os benefícios do estudo da morfologia e morfobiometria das plantas, este artigo descreve as características morfobiométricas de sementes e mudas da cultivar alface mimosa (Lactuca sativa L.)  Para avaliar a morfobiometria das sementes, foram realizados o peso de 1000 sementes, o teor de umidade, a caracterização morfológica das sementes e o teste de tetrazólio. A caracterização morfológica da germinação e emergência de plântulas foi realizada por observações periódicas durante o desenvolvimento, permitindo a descrição por meio de figuras e desenhos. Sementes de alface cv. Mimosa apresentam comprimento médio de 3,40mm, espessura média de 0,51mm e largura média de 1,19mm. Peso de 1000 sementes de 0,931g e teor de umidade de 7,13%. A germinação ocorre com protrusão radicular às 6 horas após a semeadura e plântulas formadas completas às 48 horas após a semeadura. A semente da alface possui tegumento pouco expeço permitindo que radiação solar chegue de forma mais intensa até o embrião. A emergência ocorre 4 dias após a semeadura.

 

 


Keywords


Morfobiometria, morfologia, hortaliça, fotoperíodo.

References


BRASIL, Ministério da Agricultura. Regras para análise de sementes. Brasília: DNPV/DSM, 2009, 365p.

COSTA, E. M.; SILVA, H. F.; RIBEIRO, P. R. A. Matéria orgânica do solo e o seu papel na manutenção e produtividade dos sistemas agrícolas. Enciclopédia Biosfera, v. 9, n. 17, p. 1842-1860, 2016. Disponível em. Acesso em: 02 nov. 2019.

CRODA, M.D.; NASCIMENTO, W.M.; FREITAS, R.A.; MEDEIROS, K. A. Produção de sementes de alface nas condições do Distrito Federal e sua capacidade germinativa sob temperaturas elevadas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE OLERICULTURA, 48., 2008, Maringá. Resumos... Maringá: ABH. 1 CD-ROM. Disponível em: Acesso em: 2 nov. 2019.

INTERNATIONAL SEED TESTING ASSOCIATION – ISTA. In: ISTA Working Sheets on Tetrazolium Testing. Bassersdorf: ISTA, v.1, 2003. 171p.

FILGUEIRA, F. A. R. Novo manual de olericultura: Agrotecnologia moderna na produção e comercialização de hortaliças. 3 ed.Viçosa: UFV.412p. 2007.

MARCOS FILHO, J. Testes de vigor: importância e utilização. In: KRZYZANOWSKI, F. C.; VIEIRA, R. D.; FRANÇA NETO, J. B. Vigor de sementes: conceitos e testes. Londrina: ABRATES, 1999. p.1-21.

MENEZES, N.L. de; SANTOS, O.S. dos; SCHMIDT, D. Produção de sementes de alface em cultivo hidropônico. Ciência Rural, v.31, n.4, p.705-706, jul. 2001.

PÁDUA, G. P.; VIEIRA, R. D. Deterioração de sementes de algodão durante o armazenamento. Revista Brasileira de Sementes, Brasília, v. 23, n. 2, p. 206, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-520

Refbacks

  • There are currently no refbacks.