Teoria do autocuidado de orem como suporte para o cuidado clínico de enfermagem a mulher mastectomizada / Theory of support as orem self care for nursing clinical care women mastectomized

Elisabeth Soares Pereirada Silva, Juliana Vieira Figueiredo, Patricia Alencar Dutra, Samuel Ramalho Torres Maia, Rayssa Ferreira Sales De Prado, Ana Paula Costa Borrajo, Diane Sousa Sales, Ana Virginia De Melo Fialho

Abstract


O estudo objetivou refletir sobre a teoria do autocuidado de Dorothea Orem como suporte para o cuidado clínico de enfermagem a mulher mastectomizada. O câncer de mama se constitui um tema de grande relevância na área da saúde da mulher, visto que o pós-diagnóstico envolve uma série de questões relacionadas às mudanças e a fase de adaptação, que afetam diretamente a qualidade de vida da mulher. Orem considera autocuidado, a execução de ações que o indivíduo inicia e executa em seu próprio interesse, afim de manter a vida, manter-se saudável e em função do bem estar, para promover, proporcionar, resgatar ou relacionar-se de maneira amistosa com restrições decorrentes de alterações da saúde. Para que uma tecnologia educativa seja atraente e compreensível é necessário pensarmos no público que irá fazer uso da troca de informações que acontecerá naquele ambiente com função educativa de modo a capacita-los a executar ações de forma segura, minimizando assim, a tensão de executar alguns procedimentos em ambiente domiciliar. Nessa perspectiva, entende-se que para proporcionar um cuidado clínico de enfermagem emancipatório é necessário conhecer os conceitos e os fundamentos da teoria a fim de aplica-lo de maneira individualizada considerando as necessidades e prioridades do ser cuidado para que seja eficaz.


Keywords


Educação em saúde, Mastectomia, Autocuidado, Cuidados de enfermagem, Teoria de enfermagem.

References


INCA. Instituto Nacional de Câncer. [Online].; 2015 [cited 2015 dez 15. Available from: http://www2.inca.gov.br/wps/wcm/connect/inca/portal/home.

INCA. Instituto Nacional do Câncer. [Online].; 2016 [cited 2016 jan 19. Available from: https://mortalidade.inca.gov.br/.

FRANGEL LMV, FANOBIANCO MS, KEBBE LM, ALMEIDA AM, GOZZO TO. Qualidade de vida e desempenho de atividades cotidianas após tratamento das neoplasias mamárias. Acta Paul Enferm. 2013; 26(1): p. 93-100.

CARVALHO APR, SANTOS TMB, LINHARES FMP. Promoção do autocuidado a mulheres mastectomizadas. ogitare Enferm. 2012; 17(3): p. 485- 491.

GARCIA TR, NÓBREGA MML. Contribuição das teorias de enfermagem para a construção do conhecimento da área. Rev Bras Enfermagem. 2004; 57(2): p. 228- 232.

QUEIRÓS PJP, VIDINHA TSS, FILHO AJA. Autocuidado: o contributo teórico de Orem para a disciplina e profissão de Enfermagem. Revista de Efermagem Referência. 2014; IV(3): p. 157-164.

RAIMONDO ML, FEGADOLI D, MÉIER MJ, WALL ML, LABRONICI LM, FERRAZ MIR. Produção científi ca brasileira fundamentada na Teoria de Enfermagem de Orem: revisão integrativa. Revista brasileira de enfermagem- REBEn. 2012; 63(3): p. 529-534.

PIRES AF, SANTOS PN, SANTOS BN, BRASIL RB, LUNA AA. A importância da teoria do autocuidado de Dorothea E. Orem no cuidado de enfermagem. Revista rede de cuidados em saúde. 2015; 9(2): p. 1-4.

LEOPARDI MT. Teorias em Enfermagem: Instrumentos para a prática Florianópolis: Papa-Livros; 1999.

OREM DE. Nursing concepts of practice. 6th ed. St. Louis, Missouri: Mosby; 2001.

LOPES EM, ANJOS SJSB, PINHEIRO AKB. Tendência das ações de educação em saúde. Rev.enferm. 2009; 17(2): p. 273-2777.

GOZZO TO, LOPES RR, PRADO MAS, CRUZ LAP, ALMEIDA AM. Informações para a elaboração de um manual educativo destinado às mulheres com câncer de mama. Escola Anna Nery Revista de Enfermagem. 2012; 16(2): p. 306-311.

LÔBO SA, FERNANDES AFC, ALMEIDA PC, CARVALHO CML, SAWADA NO. Qualidade de vida em mulheres com neoplasias de mama em quimioterapia. Acta Paulista de Enfermagem. 2014; 27(6): p. 554-559.

COELHO MMF, MIRANDA KCL. EDUCAÇÃO PARA EMANCIPAÇÃO DOS SUJEITOS: REFLEXÕES SOBRE A PRÁTICA EDUCATIVA DE ENFERMEIROS. Revista de enfermagem do centro oeste mineiro. 2015; 5(2): p. 1714- 1721.

ESTEVES MT, DOMENICO EBL, PETITO EL, PETITO MGR. Intervenção educativa para o automonitoramento da drenagem contínua no pós-operatório de mastectomia. Rev. Gaúcha Enferm. 2013; 34(4): p. 75-83.

PANOBIANCO MS, MAMEDE MV. Complicações e intercorrências ocorrências associadas as ao edema de braço nos três primeiros meses pós mastectomia. Rev. Latino-Am. Enfermagem. 2002;: p. 544-551.

ALVES PC, BARBOSA ICFJ, CAETANO JA, FERNANDES AFC. Cuidados de enfermagem no pré-operatório e reabilitação de mastectomia: revisão narrativa da literatura. Revista brasileira de enfermagem REBEn. 2011; 64(4): p. 732-737.

BORDALLO FR, TEIXEIRA ERT, ANDRADE M, COUTO IRR, SOUZA FBA, SANCHES ICP. Cliente Submetida a mastectomia radical e aplicação da CIPE em uma unidade de cirurgia oncológica: Estudo de caso. Revista de pesquisa cuidado é fundamental. 2013; 5(5): p. 182-189.

MCEWEN M, WILLS E. Bases teóricas para enfermagem. 2nd ed. São Paulo: Artmed; 2009.

REGIS MF, SIMÕES MF. Diagnóstico de câncer de mama, sentimentos, comportamentos e expectativas de mulheres. Rev. Eletr. Enf. 2005; 7(1): p. 81-86.

REZENDE LF, BELETTI PO, FRANCO RL, MORAES SS, GURGEL MSC. Exercícios livres versus direcionados nas complicações pós-operatórias de câncer de mama. Revista Associação Médica Brasileira. 2006;: p. 37- 42.

GUTIÉREZ MGR, GABRIELLONI LHG, AREIAS VL. Infecção de sítio cirúrgico: vigilância pós alta precoce de pacientes submetidas à cirurgia oncológica mamária. Revista Brasileira de Cancerologia. 2004;: p. 17-25.

BARRETO RAS, SUZUKI K, LIMA MA, MOREIRA AA. As necessidades de informação de mulheres mastectomizadas subsidiando a assistência de enfermagem. Revista Eletrônica de Enfermagem. 2008;: p. 110-123.

CRUVINEL MGC, CASTRO CHV, COSTA JRR. O uso do analisador de anestésico inalatórios como método de detecção de falha no aparelho de anestesia e prevenção de consciência no perioperatório. Revista Brasileira Anestesiologia. 2003;: p. 640-645.

SOUZA MFS, VIANA VC, SILVA MC, GUIMARÃES CCV, CRUZ VOO, AGUIAR BGC, et al. Os benefícios gerados pelo cuidado centrado no paciente. Braz. J. of Develop 2019; 5(12): 29325-29327.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-496

Refbacks

  • There are currently no refbacks.