Direitos humanos no ordenamento jurídico: o fracasso do sistema internacional e a ascensão de novos atores / Human rights in the legal system: the failure of the international system and the rise of new actors

Caroline Bresolin Maia Cadore, Regiane Nistler

Abstract


O estudo em tela tem como objetivo a análise do fracasso do sistema internacional de efetivação dos Direitos Humanos, notadamente no que diz respeito aos documentos internacionais e o sistema onusiano de proteção, enquanto ocorre a ascensão de novos atores na efetivação de direitos humanos. Para isso, o trabalho é dividido em duas seções, sendo que na primeira são analisados alguns marcos teóricos e jurídicos acerca da proteção dos Direitos Humanos, e em segundo momento, é traçada crítica em relação ao sistema onusiano de proteção, evidenciando a atuação de novos atores globais com a proposta de fazer valer as normas acerca do tema nesse cenário transnacional. Quanto à metodologia utilizada, o método é o dedutivo e a técnica de pesquisa é a bibliográfica.

Keywords


Direitos Humanos; Efetivação; Internacional.

References


ABBGNANO, Nicola. Dicionário de Filosofia. São Paulo: Martins Fontes, 2007, p. 217.

AMARAL, Renata Campetti. Direito Internacional público e privado. 6. ed. Porto Alegre: Verbo Jurídico, 2010, p. 17.

AMBEV. Código de Conduta. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2018.

ARNAUD, André-Jean. Governar sem fronteiras: entre globalização e pós-globalização. Lumen Juris: Rio de Janeiro, 2007, p. 295.

BOSSELMANN, Klaus. O princípio da sustentabilidade: transformando direito e governança. São Paulo: Revista dos Tribunais, 2015. p. 146.

BUNGE ALIMENTOS. Código de Conduta. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2018.

CANÇADO TRINDADE. Antônio Augusto. Tratado de direito internacional dos direitos humanos, vol. III. Porto Alegre: Sergio Antônio fabris, 2003.

CORRÊA, Luiz Maria Pio. O Grupo de Ação Financeira Internacional (GAFI): organizações internacionais e crime transnacional. Brasília: FUNAG, 2013, p.185.

DOUZINAS, Costas. O fim dos direitos humanos. Tradução: Luzia Araújo. São Leopoldo (RS): Unisinos, 2009, p. 99.

GRUBBA, Leilane Serratine. O essencialismo nos direitos humanos. Florianópolis: Empório do Direito, 2016.

GRUPO ADIDAS. Código de Conduta. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2018. Tradução nossa.

GUERRA. Sidney. Direitos humanos: curso elementar. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2016.

HABERMAS, Jurgen. A constelação pós-nacional: ensaios políticos. Tradução de Márcio Seligmann-Silva. São Paulo: Littera Mundi, 2001, p. 134-135.

HEGEL, Georg Wilhelm Friedrich. Enciclopédia das ciências filosóficas em compêndio: a ciência da lógica. Tradução: Paulo Meneses. São Paulo: Loyola, 1995, p. 223.

HERRERA FLORES, Joaquín. A reinvenção dos direitos humanos. Florianópolis: Fundação Boiteux, 2009.

HEYNS, Cristof. African human rights law and the European Convention. Tradução de Flavia Piovesan. South African Journal on Human Rights, v. 11, part 2, 1995, p. 4.

KHANNA, Parag. Como governar o mundo: um roteiro para o próximo renascimento. Tradução de Berilo Vargas. Rio de Janeiro: Intrínseca, 2011.

LUCAS, Doglas Cesar. Os direitos humanos como limite à soberania estatal: por uma cultura político-jurídica global de responsabilidades comuns. In: BEDIN, Gilmar Antonio (org.). Estado de direito, jurisdição universal e terrorismo. Ijuí: editora Unijuí, 2009, p. 71.

Nações Unidas do Brasil (ONU.BR). Disponível em: Acesso em: 15 abr. 2018.

NADER, Adalberto. Conselho de Segurança e o seu papel no século XXI. Curitiba: Juruá, 2011.

NIKE. Código de Ética. Disponível em: . Acesso em: 20 abr. 2018. Tradução nossa.

ONU. Disponível em: Acesso em: 18 nov. 2018.

Organização das Nações Unidas – ONU. Declaração Universal dos Direitos Humanos. 10 dez. 1948. Disponível em: Acesso em: 07 abr. 2018.

PECES-BARBA MARTÍNEZ, Gregorio. Curso de Derechos Fundamentales – Teoría General. Madrid: Universidad Carlos III – BOE, 1995, p. 308.

PIOVESAN, Flavia. Direitos Humanos e Justiça Internacional. São Paulo: Saraiva, 2015.

RUIZ MIGUEL, Carlos. Constitucionalismo clássico y moderno. Desarrollo y desviaciones de los fundamentos de la teoria constitucional. Lima: Tribunal Constitucional del Perú, 2013, p. 313.

SANTOS, Boaventura de Sousa. Para uma concepção multicultural dos Direitos Humanos. Disponível em: . 2003. Acesso em: 12 fev. 2018.

STAFFEN, Marcio Ricardo. Direito Global: Humanismo e Direitos Humanos.

RVMD, Brasília, V. 10, nº 1, p. 178-208, Jan-jun., 2016.

STAFFEN, Márcio Ricardo. Interfaces do Direito Global. Rio de Janeiro: editora Lumen Juris, 2015.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-484

Refbacks

  • There are currently no refbacks.