Florística, diversidade e fitossociologia em um fragmento de cerrado sentido restrito, em Chapadão do Sul – MS/ Floristic, diversity and phytoosociology in a fragment of cerrado stricto sensu, in Chapadão do Sul – MS

Gabriel Freitas Schardong, Gileno Brito de Azevedo, Flávio Macedo Alves, Hugo Henrique de Simone Souza, Adalton Bernardes da Silva Junior, Natalia da Silva Jesus, Izabela Cristina de Oliveira

Abstract


Este estudo teve como objetivo obter informações qualitativas e quantitativas de um cerrado sentido restrito na microbacia do pasto ruim, no município de Chapadão do Sul, com base em um inventário florestal. Para a coleta de dados foram amostradas cinco parcelas de 1.000m² (10x100m) e mesurados todos os indivíduos com diâmetro a altura do solo (DAS)  ≤ 5 cm. Foram coletados dados de DAS e DAP (diâmetro a altura do peito), altura total, espécie, parcela e subparcela. Foram calculados parâmetros fitossociológicos horizontais e verticais como frequência, densidade, e dominância, absolutas e relativas, índice de valor de importância (IVI), e posição sociológica. O total de 1327 indivíduos mensurados está distribuído em 35 famílias botânicas, 56 gêneros e 69 espécies. A área basal e densidade por hectare foi 29,1m² e 2354 indivíduos. A diversidade da floresta foram 3,33 e 0,94, calculados pelo método de Shannon-Weaver e Simpson, respectivamente, equabilidade de Pielou foi 0,78, indicando heterogeneidade alta e dominância de espécies. As espécies com maior importância na floresta foram: Myrcia bella Cambess., Miconia leucocarpa Dc., Qualea grandiflora Mart., Q. parviflora Mart., Emmotum nitens (Benth.) Miers, Diptychandra aurantiaca Tul., Styrax ferrugineus Nees & Mart., Byrsonima pachyphylla A. Juss., e Qualea multiflora Mart., juntas somaram 43,7% do IVI. As famílias mais importantes foram: Vochysiaceae, Myrtaceae, Melastomataceae, Fabaceae (Papilionoideae e Mimosideae), Styracaceae e Icacinaceae, representando 62,8% do total.


Keywords


Floresta nativa,Mensuração florestal,Estudo fitossociológico.

References


ANDRADE, L. A. Z.; FELFILI, J. M.; VIOLATTI, L. Fitossociologia de uma área de cerrado denso na RECOR - IBGE, Brasília - DF. Acta Botânica Brasílica, v.16, n.2, p.225-240, 2002.

ANGIOSPERM PHYLOGENY GROUP (APG III). An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, v.161, p.105-121, 2009.

ARRUDA, L.; DANIEL, O. Florística e diversidade em um fragmento de Floresta Estacional Semidecidual Aluvial em Dourados-MS. Floresta, Curitiba, v.37, n.2, p.189-199, 2007.

ASSUNÇÃO, S. L.; FIELFILI, J. M.; Fitossociologia de um fragmento de cerrado sensu stricto na APA do Paranoá, DF, Brasil. Acta Botânica Brasílica, v.18, n.4, p.903-909, 2004.

BALDUÍNO, A. P. C. et al. Fitossociologia e análise comparativa da composição florística do cerrado da flora de Paraopeba-MG. Rev. Árvore, v.29, n.1, p.25-34, 2005.

BIANCHIN, J. E.; BELLE, P. A. Fitossociologia e estrutura de um fragmento de Floresta Estacional Decidual Aluvial em Santa Maria – RS. Rev. AgroAmbiente v.7, n.3, p. 322-330. 2013.

BUENO, M. L.; NEVES, D. R. M.; SOUZA, A. F.; OLIVEIRA JR, E.; DAMASCENO JR, G. A.; PONTARA, V.; LAURA, V. A.; RATTER, J. A. Influence of edaphic factors on the floristic composition of an area of cerradão in the Brazilian central-west. Acta Botanica Brasílica, v.27, n.2, p.445-455, 2013.

CESTARO, L. A.; SOARES, J. J. Variações florística e estrutural e relações fitogerográficas de um fragmento de floresta decídua no Rio Grande do Norte, Brasil. Acta Botanica Brasilica, São Paulo, v.18, p.203-218, 2004.

CUNHA, F. F.; Magalhães, F. F.; Castro, M. A. Métodos para estimativa da evapotranspiração de referência para Chapadão do Sul - MS. Engenharia na Agricultura, v.21, p.159-172, 2013.

FELFILI, J. M. et al. Análise comparativa da florística e fitossociologia da vegetação arbórea do cerrado sensu stricto na Chapada Pratinha, Brasil. Acta Botânica Brasílica, v.6, n.2, p.27-46, 1993.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C. Biogeografia do bioma cerrado: estudo fitofisionômico na Chapada do Espigão Mestre do São Francisco. Brasília: Universidade de Brasília, 2001. 152p.

FELFILI, J. M.; SILVA JÚNIOR, M. C.; SEVILHA, A. C.; FAGG, C. W.; WALTER, B. M. T.; NOGUEIRA, P. E.; REZENDE, A. V. Diversity, floristic and structural patterns of cerrado vegetation in central Brazil. Plant Ecology, v.175, p.37-46, 2004.

FELFILI, J. M.; CARVALHO, F. A.; HAIDAR, R. F. Manual para o monitoramento de parcelas permanentes nos biomas cerrado e pantanal. Brasília: Universidade de Brasília, Departamento de Engenharia Florestal, 2005. 51p

FINA, B. G.; MONTEIRO, R. Análise da estrutura arbustivo-arbórea de uma área de Cerrado Sensu stricto, município de Aquidauana-Mato Grosso do Sul. Rev. árvore, Viçosa – MG, v.37, n.4, p.577-585, 2013.

Flora do Brasil 2020 em construção. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. Disponível em: < http://floradobrasil.jbrj.gov.br/ >. Acesso em: 10 Jul. 2017

FREITAS, W. K.; MAGALHAES, L. M. S. Métodos e parâmetros para estudo da vegetação com ênfase no estrato arbóreo. Floresta e Ambiente, Seropédica, v.19, n.4, p.520-539, 2012.

GOMIDE, L. R.; SCOLFORO, J. R. S.; OLIVEIRA, A. D. Análise da diversidade e similaridade de fragmentos florestais nativos na bacia do rio São Francisco, em Minas Gerais. Ciência Florestal, Santa Maria, v.16, n.2, p.127-144, 2006.

HARIDASAN, M. Nutrição mineral de plantas nativas do cerrado. Dep. de Ecologia, Universidade de Brasília, Revista Brasileira de Fisiologia Vegetal, vol. 12, n. 1, p.54-64, 2000.

LEHN, C. R. ALVES, F. M. Geraldo Alves DAMASCENO, G. A. J. Florística e fitossociologia de uma área de cerrado sensu stricto na região da borda oeste do pantanal, Corumbá, MS, brasil. São Leopoldo: Instituto Anchietano de Pesquisas, N° 59: p.129-142, 2008.

LIMA, R. A. F.; RANDO, J. G.; BARRETO, K. D. Composição e diversidade no cerrado do leste de mato grosso do sul, brasil. Rev. Árvore, Viçosa-MG, v.39, n.1, p.9-24, 2015.

MAGNUSSON, W. E.; LIMA, A. P.; ALBERNAZ, L.K.M.; SANAIOTTI, T. M., GUILLAUMET, J. L. Composição florística e cobertura vegetal das savanas na região de Alter do Chão, Santarém – PA. Rev. Brasil. Botânica, V.31, n.1, p.165-177, 2008.

MANTOVANI, W.; MARTINS, F. R. Florística do cerrado na reserva biológica de Moji Guaçu, SP. Acta Botanica Brasílica, v.7: p.33-60, 1993.

MARIMON JUNIOR, B. H.; HARIDASAN, M. Comparação da vegetação arbórea e características edáficas de um cerradão e um cerrado sensu stricto em áreas adjacentes sobre solo distrófico no Leste de Mato Grosso, Brasil. Acta Botânica Brasílica, v.19, n.4, p.913-926. 2005.

MATO GROSSO DO SUL – SEMAC. Resolução n. 18, de 05 de agosto de 2008. Regulamenta os procedimentos referentes à supressão vegetal, e dá outras providências. Diário Oficial [Mato Grosso Do Sul], Campo Grande, MS, 13p.

MATO GROSSO DO SUL – SEMADE. Resolução n. 9, de 14 de maio de 2015. Estabelece normas e procedimentos para o licenciamento ambiental Estadual, e dá outras providências. Diário Oficial [Mato Grosso Do Sul], Campo Grande, MS, n.8.919, 49p.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Monitoramento do desmatamento nos biomas brasileiros por satélite. Acordo de cooperação técnica MMA/IBAMA. Monitoramento do bioma cerrado 2009-2010. Brasília, 2011, 65p.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE, BRASIL. Mapeamento do uso e cobertura do Cerrado: Projeto TerraClass Cerrado 2013. Brasília, 2015, 67p.

OLIVEIRA, D. A.; PIETRAFESA, J. P.; BARBALHO, M. G. S. Manutenção da biodiversidade de e o hotspots Cerrado. Caminhos da Geografia, Uberlândia-MG, v.9, n.26, p.101-114, 2008.

PEREIRA, J. S.; ABREU, C. F. N. R.; JUNIOR, R. A. P.; RODRIGUES, S. C. Avaliação do índice de sobrevivência e crescimento de espécies arbóreas utilizadas na recuperação de área degradada. Rev. Geonorte, v. 1, n.4, p.138-148, 2012.

RATTER, J. A.; BRIDGEWATER, S. & RIBEIRO, J. F. Analysis of the floristic composition of the Brazilian cerrado vegetation III: comparison of the woody vegetation of 376 areas. Edinburgh Journal of Botany, v.60, n.1, p.57-109, 2003.

RODE, R.; FIGUEIREDO FILHO, A.; GALVÃO, F.; MACHADO, S. A. Comparação florística entre uma Floresta Ombrófila Mista e uma vegetação arbórea estabelecida sob um povoamento de Araucaria angustifolia de 60 anos. Cerne, Lavras, v.15, n.1, p.101-115, 2009.

SANTOS, H. G.; CARVALHO JR. W.; DART, R. O.; ÁGILO, M. L. D.; SOUSA, J. S.; PARES, J. G.; FONTANA, A.; MARTINS, A. L. S.; OLIVEIRA, A. P. O novo mapa de solos do Brasil. Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2011. 67 p.

SILVA NETO, V. L.; OLIVEIRA, A. L.; FERREIRA, R. Q. S.; SOUZA, P. B.; VIOLA, M, R. Fitossociologia e distribuição diamétrica de uma área de cerrado sensu stricto, dueré-TO. Rev. ciências ambientais, Canoas, vol.10, n.1, p.91-106, 2016.

SOUZA, A. L.; SOARES, C. P. B. Florestas nativas: estrutura, dinâmica e manejo. Viçosa, MG: Ed. UFV, 2013. 322p.

SPIEGEL, M.P. Estatística. São Paulo: McGraw-Hill, 1976. 586p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-458

Refbacks

  • There are currently no refbacks.