Prevalência de intubação orotraqueal no serviço de emergência em hospital secundário do Distrito Federal / Prevalence of orotracheal intubation in the emergency department in a secondary hospital in the Federal District

Danielle Arabi Lopes Frazão, Odil Garrido Campos de Andrade, Gabriel Guimarães Muniz, Gustavo Albergaria Brízida Bächtold, Jule Rouse de O G Santos

Abstract


RESUMO

A intubação orotraqueal (IOT) é um procedimento invasivo complexo que tem como objetivo garantir via aérea segura para adequado suporte ventilatório ao paciente. As principais indicações de IOT na emergência sãos: manutenção de via aérea pérvia, insuficiência respiratória aguda (IRpA), evolução clínica com risco de deterioração, obstrução de via aérea e parada cardiorrespiratória. Como técnica de realização para IOT, a sequência rápida, atualmente é a mais segura para pacientes admitidos em emergência. Dessa forma analisamos os prontuários de todos os pacientes intubados de Janeiro a Dezembro de 2017, identificando a indicação do procedimento, diagnóstico inicial além do tempo entre a IOT e a disponibilização de vaga em Unidade de Terapia Intensiva (UTI).Foram realizadas  174 IOT, dessas, 46,5% foi através de intubação por sequência rápida. 55% das intubações foram por rebaixamento do nível de consciência e 43% por IrpA. Os principais diagnósticos iniciais foram pneumonia (39%) e o AVE (20%). O tempo médio de espera por vaga de UTI foi de 3 a 4 dias, sendo que 38% dos pacientes faleceram antes de conseguir leito em UTI. Apesar do hospital possuir seis leitos na sala vermelha, o número de intubações  foi significativo, com média de realização de 1 intubação a cada 2 dias. As principais indicações foram rebaixamento do nível de consciência e  IrpA. Além disso, foi observado um longo período de espera por leito em UTI.


Keywords


Intubação, Intubação Orotraqueal, Sequência Rápida, Via aérea.

References


Tallo FS, Guimarães HP, Lopes RD, Lopes AC. Intubação orotraqueal e a técnica da sequência rápida : uma revisão para o clínico. Rev. Bras. Clínica Médica [Internet]. 2011;9(3):211–217. Available from: http://files.bvs.br/upload/S/1679-1010/2011/v9n3/a1980.pdf

Martins KC, Oliveira AMLS e, Ferreira AR. Rapid sequence intubation: a practical approach for the pediatrician in the emergency room. Rev. Médica Minas Gerais [Internet]. 2013;23(2):213–220. Available from: http://www.gnresearch.org/doi/10.5935/2238-3182.20130033

Simpson GD, Ross MJ, McKeown DW, Ray DC. Tracheal intubation in the critically ill: a multi-centre national study of practice and complications. Br. J. Anaesth. [Internet]. 2012 May;108(5):792799.Availablefrom:http://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/S0007091217322286

Vieira VLR, Vieira F de AD, Leite CCA, Pimentel CFM, Pereira TG. Manejo de vias aéreas. Rev. Médica Of. do Hosp. da UFJF. 2004;20(2–3).

MACÊDO MB, GUIMARÃES RB, RIBEIRO SM, SOUSA KMM DE. Emergency cricothyrotomy: temporary measure or definitive airway? A systematic review. Rev. Col. Bras. Cir.[Internet].2016Dec;43(6):493–499.Availablefrom:http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S010069912016000600493&lng=en&tlng=en

Vianna A, Palazzo RF, Aragon C. Traqueostomia: uma revisão atualizada. Pulmão RJ [Internet].2011;20(3):3942.Availablefrom:http://sopterj.com.br/profissionais/_revista/2011/n_03/09.pdf

Muzlovic I, Perme J, Stubljar D. Orotracheal tube as a risk factor for lower respiratory tract infection: preliminary data from a randomised trial. Wien. Klin. Wochenschr. [Internet]. 2018 May 16;130(9–10):328–334. Available from: http://link.springer.com/10.1007/s00508-017-1304-x

Martins HS, Neto RAB, Velasco lrineu T. Medicina de Emergência. 11° Edição. Barueri, São Paulo: Editora Manole Ltda.; 2016.

El-Orbany M, Salem MR. Endotracheal Tube Cuff Leaks. Anesth. Analg. [Internet]. 2013 Aug;117(2):428–434. Available from: https://insights.ovid.com/crossref?an=00000539-201308000-00021

Simpson GD, Ross MJ, McKeown DW, Ray DC. Tracheal intubation in the critically ill: a multi-centre national study of practice and complications. Br. J. Anaesth. [Internet]. 2012 May;108(5):792–799. Available from: http://dx.doi.org/10.1186/s13054-015-0964-z

Fevang E, Perkins Z, Lockey D, Jeppesen E, Lossius HM. A systematic review and meta-analysis comparing mortality in pre-hospital tracheal intubation to emergency department intubation in trauma patients. Crit. Care [Internet]. 2017 Dec 31;21(1):192. Available from: http://ccforum.biomedcentral.com/articles/10.1186/s13054-017-1787-x

Durbin CG, Bell CT, Shilling AM. Elective Intubation. Respir. Care [Internet]. 2014 Jun 1;59(6):825–849. Available from: http://rc.rcjournal.com/cgi/doi/10.4187/respcare.02802

Gaither JB, Spaite DW, Stolz U, Ennis J, Mosier J, Sakles JJ. Prevalence of Difficult Airway Predictors in Cases of Failed Prehospital Endotracheal Intubation. J. Emerg. Med. [Internet]. 2014 Sep;47(3):294–300. Available from: http://dx.doi.org/10.1016/j.jemermed.2014.04.021

Stauffer JL, Olson DE, Petty TL. Complications and consequences of endotracheal intubation and tracheotomy. Am. J. Med. [Internet]. 1981 Jan;70(1):65–76. Available from: https://linkinghub.elsevier.com/retrieve/pii/0002934381904137

Luiza A, Pavão B, Andrade D, Walter I, Iii M, Martins M. Estudo de incidência de eventos adversos hospitalares, Rio de Janeiro, Brasil: avaliação da qualidade do prontuário do paciente Incidence of in-hospital adverse events in the State of Rio de Janeiro, Brazil: Evaluation of patient medical record. Rev Bras Epidemiol. 2011;14(4):651–61.

Keegan MT, Soares M. What every intensivist should know about prognostic scoring systems and risk-adjusted mortality. Rev. Bras. Ter. Intensiva [Internet]. 2016;28(3):264–269. Available from: http://www.gnresearch.org/doi/10.5935/0103-507X.20160052




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-454

Refbacks

  • There are currently no refbacks.