A mulher no livro didático: um recorte racial / Women in the teaching book: a racial cut

Maria Luíza Lucas dos Santos, Jocinete das Graças de Figueiredo Curvo

Abstract


A partir do século XX as mulheres tem conseguido avançar na conquista de seus direitos, não, porém  sem dificuldades. Etretanto, é preciso avançar mais. De acordo com o Índice Global de Desigualdade de Gênero (2016) o Brasil ainda demorará 95 anos para que mulheres e homens atinjam situação de plena igualdade. Porém, nem todas as mulheres sofrem essa desigualdade da mesma maneira. A questão do racismo estrutural perpetrado no cotidiano brasileiro faz com que mulheres negras e indígenas enfrentem situações piores de vunerabilidade social se comparadas às mulheres brancas. Diante deste cenário tornam-se importantes estudos que promovam a busca pela iquidade de gênero no país, mas que levem em conta o recorte racial. Assim, esta pesquisa busca, por meio de análises quantitativas e qualitativas das imagens, tentar compreender como as mulheres brancas, negras e indígenas são representadas no livro didático da disciplina de Artes do 1º ao 3º ano, da coleção Campo Aberto pertencente à editora Global, distribuído de forma gratuita em escolas da rede pública do campo por meio do Plano Nacional do Livro Didático Campo, durante o triênio 2016, 2017 e 2018. Para essa análise, utilizo principalmente os conceitos de identidade e diferença proposto Stuart Hall (2014) e conceitos de gênero e feminismos apresentado por Louro (2003).


Keywords


Gênero. Representação da mulher. Livro didático. PNLD. Relações étino-racias.

References


BEAUVOIR, Simone de. O segundo sexo. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2016. v. 1.

BRASIL. Ministério da educação. Programas dos livros. Disponível em: <http://www.fnde.gov.br/programas/programas-do-livro/livro-didatico/historico>. Acesso em: 19 set. 2018.

FRANÇOSO, Fernanda Gomes. Os lugares de mulheres negras em materiais didáticos de história da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente, 2017. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2018.

FREIRE, Paulo. Educação como prática da liberdade. 23 ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1999.

HALL, Stuart. A identidade cultural na pós-modernidade. 12 ed. Lamparina, 2015.

______. Da diáspora: identidades e mediações culturais. Belo Horizonte: UFMG, 2009.

HILL, Collins Patricia. Se perdeu na tradução? Feminismo negro, interseccionalidade e política emancipatória. In.: Parágrafo, jan./jun. 2017, v. 5, n. 1. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2020.

LAJOLO, Marisa. Livro didático: um (quase) manual de usuário. In: Em Aberto, Brasília, ano 16, n. 69. p. 3-9, jan./mar. 1996. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2018

LOURO, Guacira Lopes. Gênero e sexualidade: pedagogias contemporâneas. In: Pro-Posições, v. 19, n. 2 (56), maio/ago. 2008.

MACHADO, Charliton José dos Santos; SALES, Romualdo da Silva. Escola e governamentalidade sobre os marcadores sociais da diferença. In.: Brazilian Journal of Development. Curitiba, v. 6, n. 5, may. 2020. Disponível em: . Acesso em: 18 jun. 2020.

OLIVEIRA, G. V. J. C. Mulheres negras no livro didático de Língua Portuguesa: uma história a ser contada. Dissertação (Mestrado Profissionalizante- PROFLETRAS)- Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2015. Disponível em: . Acesso em: 15 ago. 2018.

RODRIGUES, Luciomar da Costa. Explorações sobre gênero e poder: a voz e vez da mulher na política. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Universidade de Brasília, Brasília, 2002.

WOODWARD, Kathryn. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In.: SILVA, Tomaz Tadeu da (Org.). Identidade e diferença: a perspectiva dos Estudos Culturais. 12. Ed. Petrópolis: Vozes, 2012.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-439

Refbacks

  • There are currently no refbacks.