Estudo comparativo entre ovitrampa e o método LIRAa para avaliação da presença de Aedes aegypti (Diptera:Culicidae) em Pedro II, Piauí, Brasil / Comparative study between ovitraps and LIRAa method for evaluating the presence of Aedes aegypti (Diptera:Culicidae) in Pedro II, Piauí, Brazil

Rayane Maria Mendes Monteiro, Caio Alves de Oliveira, Maria Herlândia de Sousa, Almir Orsano dos Santos, Thalia Maria de Sousa Soares, Edson Peres dos Santos, Lidiane Lindinalva Barbosa Amorim, Liliane Barbosa Amorim

Abstract


O aumento no número de casos de dengue, Chikungunya e Zika vírus se deve a vários fatores, como aumento da urbanização, abastecimento de água irregular e controle ineficaz do vetor primário Aedes aegypti. Assim, estratégias de monitoramento desses vetores são necessárias para redução da circulação viral. O objetivo desse estudo foi avaliar comparativamente, o Levantamento Rápido do índice de Infestação por Ae. aegypti (LIRAa) e a ovoposição em armadilhas (ovitrampa) na cidade de Pedro II, PI- Brasil em três bairros: Boa Esperança, Cristo Rei e Vila Kolping.  As ovitrampas foram elaboradas com pote plástico escuro, contendo no seu interior água, uma palheta e o larvicida Pyriproxifen. No período de 2019 e 2020, colocou-se 31 ovitrampas em pontos estratégicos para contagem e identificação dos ovos presentes na palheta e a partir dos dados obtidos foi possível o cálculo dos Índices de Positividade de Ovitrampa (IPO) e Índices de Densidade de Ovos (IDO). Os dados obtidos foram comparados com o LIRAa realizado em 2019 nos meses de maio, agosto e outubro.  Coletou-se 23.704 ovos. No bairro Boa Esperança foram 9.020 ovos (38,1%) com IPO = 68,9% e IDO = 222,8. No Cristo Rei foram 9.659 ovos (40,7%), IPO = 72,4% e IDO = 109,6. No Vila Kolping, 5.025 ovos (21,2%), IPO = 47,4% e IDO = 81,3. Os resultados mostraram que o IPO variou muito (27,2% a 100%) entre os bairros amostrados, o que demonstra a grande flutuabilidade populacional do vetor. De acordo com o LIRAa, os bairros ofereceram risco alto de infestação do vetor, especialmente no mês de maio. No entanto, no mês de outubro os índices aferidos pelo LIRAa tiveram o valor entre 0,8% e 1,3% e os ovos ainda estavam com a densidade alta, como é o caso do bairro Boa Esperança com 203,6 de IDO.  O grupo de depósitos que predominou foi o A2, caracterizado por grandes reservatórios de água, vasos/frascos com água, pratos, garrafas e outros. Os resultados da pesquisa indicam que o monitoramento por ovitrampas e o método LIRAa são atividades complementares e instrumentos de grande utilidade para a vigilância vetorial, permitindo maior precisão na tomada de decisões.


Keywords


Aedes aegypti. controle de vetores. Ovoposição.

References


ACIOLI, R. V. O uso de armadilhas de oviposição (ovitrampas) como ferramenta para o controle da Dengue. 2006. 132f. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) – Centro de Pesquisas Aggeu Magalhães, Fundação Oswaldo Cruz, Recife, 2006.

AVENDANHA, J. S. Monitoramento vetorial e do vírus dengue em Belo Horizonte, Minas Gerais. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2006.

BARBOSA, G. L.; LAGE, M.O, ANDRADE, V.R; GOMES, A. H. A.; QUINTANILHA, J. A.; CHIARAVALLOTI, F.N. Influência de pontos estratégicos na dispersão de Aedes aegypti em áreas infestadas. Revista Saúde Pública, v. 53, p. 29, 2019.

BARBOSA, I. R.; SILVA, L. P. Influência dos determinantes sociais e ambientais na distribuição espacial da dengue no município de Natal-RN. Revista Ciência Plural. v. 1, n. 3, p. 62-75, 2016.

BESERRA. E.B.; CASTRO, F. P.; SANTOS. J. W.; SANTOS, T. S.; FERNANDES. C. R. Biologia e exigências térmicas de Aedes aegypti (L.) (Diptera: Culicidae) provenientes de quatro regiões bioclimáticas da Paraíba. Neotropical Entomology, v. 35, n. 6, p. 853-860, 2006.

BRAGA, I. A.; GOMES, A. C.; NELSON, M.; MELLO, R. C. G.; BERGAMASCHI, D. P; SOUZA, J. M. P. Comparação entre pesquisa larvária e armadilha de oviposição, para detecção de Aedes aegypti. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 33, n. 4, p. 347-353, 2000.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretária de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico. v.50, n.13, Brasil, 2019.” Monitoramento dos casos de arboviroses urbanas transmitidas pelo Aedes (dengue, chikungunya e Zika) até a Semana Epidemiológica 12 de 2019 e Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa)”. Disponível em: . Acesso: 20 de agosto de 2019.

BRASIL. MINISTÉRIO DA SAÚDE. Secretária de Vigilância em Saúde. Boletim epidemiológico. v.51, n.15, Brasil, 2020. “Monitoramento dos casos de arboviroses urbanas transmitidas pelo Aedes aegypti (dengue, chikungunya e zika), Semanas Epidemiológicas 1 a 14, 2020” Disponível em: < https://www.saude.gov.br/images/pdf/2020/April/13/Boletim-epidemiologico-SVS-15.pdf>.Acesso: 01 de maio de 2020.

CHADEE, D. D. Oviposition strategies adopted by gravid Aedes aegypti (L.)(Diptera: Culicidae) as detected by ovitraps in Trinidad, West Indies (2002–2006). Acta tropica, v. 111, n. 3, p. 279-283, 2009.

COSTA, A. R.; SANTANA, C. M.; SILVA, V. L.; PINHEIRO, J. A. F.; MARQUES, M. M. M.; FERREIRA, P. M. P. Análise do controle vetorial da dengue no sertão piauiense entre 2007 e 2011. Caderno de Saúde Coletiva, v. 24, n. 3, p. 275-281. 2016.

COSTA, F. S.; SILVA, J. J.; SOUZA, C. M.; MENDES, J. Dinâmica Populacional do Aedes aegypti (L) em área urbana de alta incidência de dengue. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 41, n. 3, p. 309-312, 2008.

COSTA, A. K. S; NINA, L.N.S; CARVALHO, A.C; BOMFIM, M.R.Q; FELIPE, I.M.A. Dengue e Chikungunya: soroepidemiologia em usuários da atenção básica. Revista Enfermagem, UFPE on line, v. 13, n. 4, p. 1006-1014, 2019.

COSTA, C. F.; AVENDANHA, J. S.; AMARAL, J. P. Monitoramento de Aedes aegypti por meio de armadilhas de oviposição e obtenção de índices da flutuação vetorial associado à ocorrência de febre do Dengue no período de 2001 a 2007 na região da Pampulha, Belo Horizonte MG. In: 7 EXPOEPI Mostra Nacional de Experiencias Bem Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças, 2007. Anais. Brasília: Ministério da Saúde, 2007. p. 51.

DEPOLI, P. A. C.; ZEQUI, J. A. C.; NASCIMENTO, K. L. C.; LOPES, J. Eficácia de ovitrampas com diferentes atrativos na vigilância e controle de Aedes. EntomoBrasilis, v. 9, n. 1, p. 51-55, 2016.

DONALISIO, M. R.; GLASSER, C. M. Vigilância entomológica e controle de vetores do Dengue. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 5, n. 3, p. 259-279, 2002.

FUNDAÇÃO NACIONAL DE SAÚDE (Brasil). Instruções para pessoal de combate ao vetor: manual e normas técnicas. Brasília, DF, 2001.

FORATTINI, O. P. Culicidologia médica: identificaçäo, biologia e epidemiologia. In: Culicidologia médica: identificação, biologia e epidemiologia, v. 2, p. 860-860, 2002.

GONÇALVES E SÁ, Á. K.; GOMES, E. J. M.; BARBOSA, I. M. B. R.; FRUTUOSO, M. N. M. A.; LYRA, M. R. C. C.; NOGUEIRA, R. J. M. C.; RODRIGUES, S. S. F. B. Monitoramento de Aedes aegypti por ovitrampas e pelo método LIRAa em Salgueiro, Pernambuco, Brasil. Hygeia: Revista Brasileira de Geografia Médica e da Saúde, v. 15, n. 31, 2019.

HONÓRIO, N. A.; SILVA,W. C.; LEITE, P. J.; GONÇALVES, J. M.; LOUNIBOS, L. P.; LOURENÇO-DE-OLIVEIRA, R. Dispersal of Aedes aegypti and Aedes albopictus (Diptera: Culicidae) in an urban endemic Dengue area in the state of Rio de Janeiro, Brazil. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 98, n. 2, p. 191-198. 2003.

LIMA-CAMARA, T. N. Arboviroses emergentes e novos desafios para a saúde pública no Brasil. Revista Saúde Pública, v. 50, p.36, 2016.

LUZ, L. F. S.; COSTA, T. M.; LIMA, O. B.; ALBUQUERQUE, W. R.; BARROS, N. C. B.; OLIVEIRA, I. S.; SILVA, A. C. A.; MELO, B. E. B.; BRITO, A. K. F.; RODRIGUES, V. C. C.; OLIVEIRA, G. C.; MOURA, R. C. Uso de armadilhas de oviposição para esgotamento de ovos de culicídeos do gênero Aedes em pontos estratégicos do município de teresina, piauí. In: PEREIRA, A.I.A. et al. (Orgs.) Coletânea Nacional sobre entomologia 2. Ponta Grossa, PR: Atena Editora, 2020. Cap 10, p. 107-119.

TEIXEIRA, M. L.; ZACCARELLI, L. M. Os desafios da atuação socialmente responsável. In: HANASHIRO, D. M. M. et al. (Orgs.). Gestão do fator humano: uma visão baseada em stakeholders. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2008. cap.5, p.155-180.

MIYAZAKI, R. D.; RIBEIRO, A. L. M.; PIGNATTI, M. G.; JUNIOR, J. H. C.; PIAGNATI, M. Monitoramento do mosquito Aedes aegypti (Linnaeus, 1762) (Diptera: Culicidae), por meio de ovitrampas no Campus da Universidade Federal de Mato Grosso, Cuiabá, Estado de Mato Grosso. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, v. 42, n. 4, p. 392-397, 2009.

MONTEIRO, E. S. C.; COELHO, M. E.; CUNHA, I. S.; SALMITO, M. A. C.; CARVALHO, F. A. A. Aspectos epidemiológicos e vetoriais da dengue na cidade de Teresina, Piauí- Brasil, 2002 a 2006. Revista Epidemiologia e serviços de saúde, v. 18, n. 4, p. 365-74, 2009.

MONTEIRO, F. J. C.; CARVALHO, J. C. T.; SOUTO, R. N. P. Distribuição dos casos notificados de Dengue e dispersão do Aedes (Stegomyia) aegypti (Linnaeus, 1762) entre os anos de 2011-2012 em Macapá, Amapá, Brasil. Entomotropica, v. 29, n. 2, p. 95-103, 2014.

MORATO, V. C. G.; TEIXEIRA, M.G.; GOMES, A.C.; BERGAMASCHI, D. P.; BARRETO, M. L. Infestation of Aedes aegypti estimated by oviposition traps in Brazil. Revista de Saúde Pública, São Paulo, v. 39, n. 4, p. 553-558, 2005.

NATAL, D.; Bioecologia de Aedes aegypti. Biológico, v. 64, n. 2, p. 205-207. 2002.

NOGUEIRA, L. A.; GUSHI, L. T.; RIBOLLA, P. E. M. Aplication of analternative Aedes species (Diptera: Culicidae) surveillance method in Botucatu city. American Journal Medicine and Hygiene, v. 73, n. 2, p. 309 – 311, 2005.

REGIS, L.; MONTEIRO, A. M.; MELO-SANTOS, M. A. V.; SILVEIRA, J. C.; FURTADO, A. F.; ACIOLI, R. V.; SANTOS, G. M.; NAKAZAWA, M.; CARVALHO, M. S.; RIBEIRO-JUNIOR, P. J.; SOUZA, W. V. Developing new approaches for detecting and preventing Aedes aegypti population outbreaks: basis for surveillance, alert and control system. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, v. 103, n.1, p. 50–59, 2008.

RÍOS-VELÁSQUEZ, C. M.; CODEÇO, C. T.; HONÓRIO, N. A.; SABROZA, P. S. MORESCO, M.; CUNHA, I. C. L.; LEVINO, A.; TOLEDO, L. M.; LUZ, S. L. B. Distribution of Dengue vectors in neighborhoods with different urbanization types of Manaus, state of Amazonas, Brazil. Memórias do Instituto Oswaldo Cruz, Rio de Janeiro, v. 102, n. 5, p. 617-623, 2007.

RODRIGUEZ-MORALES. A. J. No era suficiente con Dengue y Chikungunya: llegó también Zika. Archivos de Medicina, v. 11, n. 2-3, p. 1-4, 2015.

ROSSI, J. C. N.; SILVA, A. M. Diversidade de criadouros frequentados por Aedes aegypti e Aedes albopictus no estado de Santa Catarina, período 1998 a 2007. 61ª Reunião Anual da SBPC,2009.

SEMPLAM, Teresina. Secretaria Municipal de Planejamento e Coordenação. Teresina em Dados e Números, 2018. Disponível em: < http://semplan.teresina.pi.gov.br/#> Acesso em: 10 de janeiro de 2020.

SESAPI- PIAUÍ. Secretaria Estadual de Saúde. Boletim da 19ª Semana Epidemiológica - 2020. Teresina-PI, 2020. Disponível em: < http://www.saude.pi.gov.br/uploads/warning_document/file/546/Boletim_Epidemiol%C3%B3gico_PI_SE_19%C2%AA_2020.pdf >. Acesso em: 01 janeiro de 2020.

SILVA, E. V. G.; AYRES, C. F. J. Uso de ovitrampas como instrumento para o monitoramento populacional de Aedes aegypti (Diptera:Culicidae) em áreas urbanas de Olinda. 2009. Dissertação (Mestrado em Biologia Animal). Programa de Pós-Graduação em Biologia Animal, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2009

SILVA, J. S.; IBIAPINA, S. S.; BEZERRA, J. M. T.; TADEI, W. P.; PINHEIRO, V. C. S.Variation in Aedes aegypti (Linnaeus) (Diptera, Culicidae) infestation in artificial containers in Caxias, State of Maranhão, Brazil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. v. 45, n. 2, p. 174-179, 2012.

SILVA, A. M.; SILVA, R. M. D.; ALMEIDA, C. A. P. D.; CHAVES, J. J. D. S. Modelagem geoestatística dos casos de Dengue e da variação termopluviométrica em João Pessoa, Brasil. Sociedade & Natureza, v. 27, n. 1, p. 157-169, 2015.

SILVA, C. E.; LIMONGI, J. E. Avaliação comparativa da eficiência de armadilhas para a captura e coleta de Aedes aegypti em condições de campo. Caderno de Saúde Coletiva, v. 26, n. 3, p. 241-248, 2018.

SILVA, M. B. A.; ALMEIDA, L. A. N.; NUNES, N. P. S.; FERREIRA, G. M. O. G.; QUININO, L. R. M.; LOPES. K. A. M.; BRITO, M. I. B. S. Utilização do levantamento rápido de índice para Aedes aegypti (LIRAa) como ferramenta de vigilância à introdução do vírus Chikungunya em Recife. Brazilian Journal of health Review, v. 3, n. 1, p.936-954, 2020.

TEIXEIRA, E. M. A. Incidência de Aedes aegypti e o perfil epidemiológico de arboviroses no distrito de São José da Mata-PB. 2018.52 f. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento e Meio Ambiente). Universidade Federal da Paraíba. 2018.

TERRA, M. R.; SILVA, R. S.; PEREIRA, M. G. N.; LIMA. A. F. Aedes aegypti e as arbovíroses emergentes no Brasil. Revista Uningá Review, v. 30, n. 3, 2017.

VALENÇA, M. A.; MARTEIS, L. S.; STEFFLER, L. M.; SILVA, A. M.; SANTOS, R. L. C. Dynamics and Characterization of Aedes aegypti (L.) (Diptera: Culicidae) Key Breeding Sites. Neotropical Entomology (Impresso), v. 42, n. 3, p. 31-316, 2013.

VEZZANI, D.; VELAZQUEZ, S. M.; SCHWEIGMANN, N. Seasonal Pattern of Abundance of Aedes aegypti (Diptera: Culicidae) in Buenos Aires City, Argentina. Memória do Instituto Oswaldo Cruz. v. 99, n. 4, p. 351-356, 2004.

WEAVER, S. C.; CHARLIER, C.; VASILAKIS, N.; LECUIT, M. Zika, Chikungunya, and other emerging vector-borne viral diseases. Annual review of medicine, v .69, p.3 95-408, 2018.

WEAVER, S.C.; REISEN, W. K. Present and future arboviral threats. Antiviral Research, v. 85, n. 2, p. 328-45, 2010.

ZARA, A. L. S. A.; SANTOS, S. M.; OLIVEIRA, E. S. F.; CARVALHO, R.G.; COELHO, G. E. Estratégias de controle do Aedes aegypti: uma revisão. Epidemiologia e Serviços de Saúde. v. 25, n. 2, p. 391-404, 2016.

ZEQUI, J. A. C.; OLIVEIRA, A. A.; SANTOS, F. P.; LOPES, J. Monitoramento e controle de Aedes aegypti (Linnaeus, 1762) e Aedes albopictus (Skuse, 1984) com uso de ovitrampas. Semina: Ciências Biológicas e da Saúde, v. 39, n. 2, p. 93-102, 2019.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-434

Refbacks

  • There are currently no refbacks.