“Dungeons and troubles”: uma proposta de RPG educativo sobre genética para o Ensino Médio/ “Dungeons and Troubles”: a proposal for educational Role Playing Games about Genetics to High School

Rodrigo Fernando de Souza, Eliane Batista de Souza, Rogério Soares Cordeiro

Abstract


Mesmo sendo uma ciência tão dinâmica, o ensino de biologia, na maioria das vezes se dá de forma passiva e reduzido aos conteúdos de livros. Em todo o tempo, são disponibilizadas notícias nas mais diversas formas de mídias acerca de genética, sequenciamento de genoma, DNA, dentre outras. Os alunos de ensino médio nem sempre estão preparados para entender esses conceitos, por não dominarem premissas dessa ciência. O objetivo desse trabalho foi desenvolver um jogo lúdico do tipo RPG, como ferramenta lúdica para consolidação de conhecimentos adquiridos previamente em sala de aula. O jogo utiliza o RPG de aventura como base para que os alunos possam consolidar o conhecimento adquirido em sala de aula. Os alunos são inseridos em uma estória onde ficam presos em uma caverna e precisam responder perguntas para liberar a saída. Jogos do tipo RPG de aventura pressupõe que os jogadores busquem diferentes caminhos, cavernas, dentro do jogo e respondam as perguntas corretamente até que o objetivo seja cumprido. Assim, este material configura-se como mais uma proposta de atividade lúdica que facilitará o ensino de conceitos importantes de genética.


Keywords


Jogo Didático, Ensino de Biologia,Estratégia de Ensino.

References


ALVES, L.; GUIMARÃES, G.; OLIVEIRA. RETTORIA. Ensino On-Line, jogos eletrônicos e RPG: Construindo novas lógicas. Proceedings da Conferência eLES’04. Aveiro, 2004.

CONDESSA, I. C. (Re) aprender a brincar. Ponta delgada: Nova gráfica, Ltda, 2009.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Orientações Curriculares para o Ensino Médio: Ciências da natureza, matemática e suas tecnologias. Brasília: MEC/SEB, 135 p., 2006.

CHAGURI, J. P. O uso de atividades lúdicas no processo de ensino/aprendizagem de espanhol como língua estrangeira para aprendizes brasileiros, 2006. Acesso em 17 mar. 2020. http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br/portals/pde/arquivos/2354-8.pdf.

FALA, A. M.; CORREIA, E. M.; PEREIRA, H.D. Atividades práticas no ensino médio: uma abordagem experimental para aulas de genética. Ciência & Cognição, v. 15, n. 1, 137-154, 2010.

FREIRE, Paulo. Pedagogia do Oprimido. 28ª edição, Rio de Janeiro: Paz na Terra, 184 p, 1987.

GRANDO, R. C. O. Jogo na educação: aspectos didáticos metodológicos do jogo na educação matemática, 2001. Acesso em 25 de mai. 2020. http://www.cempem.fae.unicamp.br/lapemmec/cursos/el654/2001/jessica_e_paula/JOGO.doc.

HUIZINGA, J. Homo ludens: o jogo como elemento da cultura. São Paulo: Perspectiva, 1971.

MASSARANI, L.; MAGALHÃES, I.; MOREIRA, I. Mapeando a genética nos jornais diários brasileiros. In: Anais da III Bienal de Pesquisa da Fiocruz, Rio de Janeiro, p. 448, 2002.

MIRANDA, S. No fascínio do jogo, a alegria de aprender. Ciência Hoje, v. 28, n. 168, 64-66, 2001.

PIAGET, J. A formação do símbolo na criança. Rio de janeiro: Zahar editores, 1975.

SILVA, A.A.; RAZERA, J.C.C. A utilização do software GBOL no ensino de tópicos específicos de Genética. Edutec. Revista Eletrônica de Tecnología Educativa, v. 22, n. 4, 2006




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-425

Refbacks

  • There are currently no refbacks.