Aprendizagem da língua estrangeira em crianças surdas / Foreing language learning in deaf children

Renata Betti França Barbosa

Abstract


O objetivo deste artigo é discutir o processo de aprendizagem da língua estrangeira em alunoscom necessidades educacionais especiais, enfocando em primeira instância o aluno surdo. Busca-se conhecer as principais dificuldades no que diz respeito à aquisição de suas habilidades linguísticas e compreender as possibilidades de intervenção através de estratégias que podem ser utilizadas em sala de aula.Ele foi elaborado a partir de uma revisão bibliográfica e está dividido em três etapas principais: o ensino de língua estrangeira moderna, o sujeito surdo e sua cultura e a aprendizagem da língua estrangeira por alunos surdos. É importante entender o processo de aquisição de línguas por alunos surdos e, através disso, oferecer, aos docentes, possibilidades de estratégias de trabalho com esses alunos em sala de línguas estrangeiras.


Keywords


Surdo; Cultura Surda; Língua Estrangeira; Educação Especial

References


BRASIL. Decreto nº 5.626, de 22de Dezembrode2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000.

BRASIL. Leinº9.394,de20deDezembrode1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Disponível em:

BRASIL. Lei nº 10.098, de 19 de Dezembrode 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Disponível em:

BRASIL. Leinº10.436,de24deAbrilde2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras e dá outras providências. Disponível em: .

BRASIL. Ministério da Educação. ParâmetrosCurricularesNacionais: Ensino Médio. Brasília. 1999

CAMPELLO, A.R.S. PedagogiaVisual / SinalnaEducaçãodosSurdos. In: Quadros, R. M. de; Pelin, G. (orgs). Estudos Surdos II. Petrópolis: Arara Azul, 2007. P. 100-131.

LACERDA, C.B.F.; SANTOS, L.F.DOS; CAETANO, J.F. LínguaBrasileiradeSinais – Librasumaintrodução. Capítulo 6: Estratégias metodológicas para o ensino de alunos surdos. São Carlos: UFSCar, 2011

MARTINS, M. A. L. RelaçãoProfessorSurdo / AlunoSurdoemSaladeAula: análisedaspráticasbilínguesesuasproblematizações. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Metodista de Piracicaba. 2010.

Mattos, Geraldo. DicionárioJúniordalínguaportuguesa. São Paulo: FTD, 2010.

McCOLL, HILARY. ForeignLanguageLearningandInclusion:Who?Why?What?AndHow?. Support for Learning, the British jornal of Learning Support, Volume 20. Number 3, August 2005.

OLIVEIRA, Maria A. Amin de. Oquesignificasersurdo?Conhecendoumpoucodoquesignificasersurdoatravésdadiscussãodofilme“SeunomeéJonas”. Revista Virtual de Cultura Surda e Diversidade. Disponível em: .

PARANÁ. SEED. Dia a Dia Educação.2008. Disponível em: .

QUADROS, Ronice Muller. Educaçãodesurdos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

REVISTA DA FENEIS. Números 1 ao 13. R.J. 1999/2002.

Strobel, Karin. HISTÓRIADAEDUCAÇÃODESURDOS. Florianópolis: Universidade Federal de Santa Catarina, Licenciatura em Letras-LIBRAS na modalidade a distância, 2009.


Refbacks

  • There are currently no refbacks.