A cor em edificações escolares e sua interferência no ensino aprendizado / Color in school buildings and their interference in teaching learning

Eder Donizeti da Silva, Adriana Dantas Nogueira

Abstract


Este artigo investiga as cores de ambientes escolares em três escolas Estaduais no Centro Histórico da cidade de Laranjeiras no interior do Estado de Sergipe, nordeste do Brasil. O estudo, a partir da aplicação de avaliação pós-ocupação (APOs) e de metodologia científica de pesquisa quantitativa, identifica as cores mais utilizadas nos locais da escola, como nas Salas de Aula, Biblioteca, Quadra, Pátio, Banheiros, Cantina, etc., procurando, a partir da leitura da psicodinâmica das cores, compreender como estas cores podem resultar em interferências no ensino e aprendizado dos alunos; a história e teoria da cor, assim como a influência que as cores podem exercer, de forma individual e coletiva, e  agregar conhecimento, ou mesmo em como a cor pode estimular e agir como ferramenta na melhora do ambiente educacional construído.


Keywords


Ambiente Escolar, Cores, Ensino, Aprendizado.

References


A COR NOS AMBIENTES ESCOLARES acesso consultado em16/08/2019, 15:45:10.

A ELABORAÇÃO DE QUESTIONÁRIOS NA PESQUISA QUANTITATIVA acesso consultado em 15/06/2019, as 13:20:59.

BIBLIOTECA DE SORBONNE acesso consultado em 10/08/2019, 10:30:12.

BUFFA, Ester. Arquitetura e Educação: organização do espaço e propostas pedagógicas dos grupos escolares paulistas, 1893-1971. São Carlos: EdUFSCar, INEP, 2002.

FRASER, Tom; BANKS Adam. O guia completo da cor. São Paulo: Editora Senac SP, 2007.

FREYRE, Gilberto. Casa grande e senzala. 11 ed. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1964. v.1.

História dos Municípios: CINFORM Municípios, junho de 2002, p.126-128.

JANSON, Horst Waldemar. História Geral da Arte. São Paulo: Martins Fontes, 1993.

JANZ JR., Dones Cláudio. O VALOR DA EUGENIA: Eugenia e Higienismo no Discurso Médico Curitibano no Início do Século XX. In Cordis. História, Corpo e Saúde, n. 7, jul./dez. pp. 87-120, 2011. p.90.

KANDINSKY, Wassily. Du spirituel dans I’art. Paris: Edition de Beaune, 1954.

KOWALTOWSKI, Doris C. C. K. Arquitetura escolar: o projeto do ambiente de ensino. São Paulo: Oficina de Textos, 2011.

LARANJEIRAS: sua história, sua cultura, sua gente/Prefeitura Municipal de Laranjeiras. Laranjeiras: SEMEC, 2000. p.24.

MANUAL de Orientação de Pesquisa Quantitativa do Departamento de Ciência de Computação e Estatística da Universidade Estadual Paulista– IBILCE– UNESP.

NASCIMENTO, José Anderson. Sergipe e seus Monumentos. Aracaju: Gráfica J. Andrade, 1981.

NOGUEIRA, Adriana Dantas; SILVA, Eder Donizeti da. (org). A Cidade, O Trapiche e a Universidade. São Cristóvão: Editora UFS, 2012.

NUMERO de Alunos Matriculados nas Escolas Investigadas em Laranjeiras. Fonte: Secretaria da Educação do Estado de Sergipe 2019.

OLIVEIRA, Beatriz Santos de. Espaço e Estratégia: considerações sobre a arquitetura dos jesuítas no Brasil. Uberlândia: Secretaria Municipal de Cultura, 1956.

OLIVEIRA, Philadelpho Jonathas de. Registros de fatos historicos de Laranjeiras. Aracaju: Casa Avila, 1942.

PAIVA, Vanilda. História da educação popular no Brasil: Educação popular e educação de adultos. São Paulo: edições Loyola, 1972.

PEDROSA, Israel. Da cor à cor inexistente. 10 ed. Rio de Janeiro: Senac Nacional, 2014.

POLIÃO, Marco Vitruvio. Da arquitetura. São Paulo: Hucitec, Fundação para a pesquisa ambiental. 1999.

PREISER, W.F. E.; RABINOWITZ, H. Z.; WHITE, E. T. Pos-occupancy evaluation. New York: Van Nostrand Reinhold, 1988.

RATIO STUDIORUM – A COR PARA OS JESUÍTAS acesso consultado em 12/08/2019, 09:23:54.

REIS FILHO, Nestor Goulart. Contribuição ao estudo da Evolução Urbana no Brasil (1500/1720). São Paulo: Pioneira, 1968.

SANOFF, H. Visual research methods in design. New York: Van Nostrand Reinhold, 19991.

SANTOS, Josiel Machado. O Processo Evolutivo das Bibliotecas da Antiguidade ao Renascimento. In Revista Brasileira de Biblioteconomia e Documentação. São Paulo, v.8, n.2, p. 175-189, jul./dez. 2012. p. 180.

SENSO POPULAÇÃO ESTIMADA DA CIDADE DE LARANJEIRAS acesso consultado em 17/08/2019, 11:23:15.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-395

Refbacks

  • There are currently no refbacks.