Determinação do número de grupos em análise de agrupamento via de raio de influência / Determining the number of groups in cluster analysis via radius of influence

Mácio Augusto de Albuquerque, Kleber Napoleão Nunes de Oliveira Barros

Abstract


Objetivou-se desenvolver uma nova abordagem para a análise de agrupamento, a partir da combinação de características da técnica hierárquica.  Assim, procurou-se fornecer uma análise exploratória mais completa dos dados, visando facilitar o trabalho dos pesquisadores quanto à presença de outliers, a número de grupos, a técnicas de agrupamento, e de validação dos grupos, e aumentar o conhecimento que pode ser obtido com a aplicação de um conjunto de sentenças lógicas em análise de agrupamento. Foram aplicados, com base distância Mahalanobis, o método Raio de influência incremental, as técnicas hierárquicas de ligação simples, de média das distâncias, de ligação completa, e de Ward. Para comparação dos métodos foram utilizados os coeficientes cofenético e validação Rand ajustado. Observou-se que o uso do método Raio de influência incremental tem o potencial de melhorar significativamente a tomada de decisões sobre o número operacional grupos, tornando-se, assim, uma técnica recomendável para buscar o número de grupos ideal de forma criteriosa.

 

 


Keywords


Raio de influência incremental, algoritmo de agrupamento, índice de validação.

References


ALBUQUERQUE, M. A. et al. Estabilidade em análise de agrupamento: estudo de caso em ciência florestal. Revista Árvore, Viçosa-MG, v. 30, n.2, p. 257-265, 2006.

BUSSAB, W. et. al. Introdução à análise de agrupamentos. 9º Simpósio Nacional de Probabilidade e Estatística . São Paulo. Associação Brasileira de Estatística, p. 105, 1990.

COIMBRA, R. R. et al. Caracterização e divergência genética de populações de milho resgatadas do Sudeste de Minas Gerais. Revista Ciência Agronômica, Fortaleza, CE, v. 41, n. 01, p. 159 – 166, 2010.

COSTA JUNIOR, et al. Florística arbórea de um fragmento de Floresta Atlântica em Catende, Pernambuco – Nordeste do Brasil. Revista Brasileira de Ciências Agrárias (Agrária) Brazilian Journal of Agricultural Sciences, América do Norte, v. 2, n.04, p. 207-302 2008.

CAN, F. Incremental Clustering for Dynamic Information Processing. ACM Transactions on Information Systems, v. 11, n. 2, p. 143 – 164, 1993.

CAN, F.; DROCHAK II N.D. Incremental Clustering for Dynamic Document Databases. In Proceedings of the Symposium on Applied Computing, p. 61-67, 1990.

GONÇALVES, D. A.; ELDIK, T. V.; POKORNY, B. O uso do dendrômetro a laser em florestas tropicais: aplicações para o manejo florestal na Amazônia. Floresta, Curitiba, PR, v. 39, p. 175 - 187, 2009.

GOURLET-FLEURY, et al. Grouping species for predicting mixed tropical forest dynamics: looking for a strategy. Annual Forest Science, Bethesda, v. 62, n. 8, p. 785 - 796, 2005.

JING, L.; MICHEL, K. N.; JOSHUA, Z. H. “An Entropy Weighting k- Means Algorithm for Subspace Clustering of High-Dimensional Sparse Data”. IEEE Transactions on Knowledge and Data Engineering. v. 19, p. 1026-1034, 2007.

JOHNSON, R. A.; WICHERN, D. W. Applied Multivariate Statistical Analysis.6 ed. New Jersey: Upper Saddle River, p. 767, 2007.

KUNZ, S. H. et al. Análise da similaridade florística entre florestas do Alto Rio Xingu, da Bacia Amazônica e do Planalto Central. Rev. bras. Bot., São Paulo, v. 32, n. 4, p.725-736, 2009.

MARDIA, K. V.; KENT, J. T.; BIBBY, J. M. Multivariate analysis. London: Academic Press,p. p. 520, 1979.

MOREY L. C. e AGRESTI A. The measurement of classification agreement: Na adjustment to the Rand statistic for chance agreement. Educational and Psychological Measurements, v. 44, p. 33–37, 1984.

ROBERTS, M. R.; GILLIAM, F. S. Patterns and mechanisms of plant diversity in forested ecosystems: implications for forest management. Ecological Application, v. 5, n. 4, p. 969 – 977, 1995.

RODY, Y. et al. Delimitação de sítios ambientais homogêneos no Estado do Espírito Santo, com base no relevo, solo e clima. Ciência Rural, Santa Maria, v.40, n.12, p. 2493 – 2498, 2010.

VALE et al. Composição florística e estrutura do componente arbóreo em um remanescente primário de floresta estacional semidecidual em Araguari, Minas Gerais, Brasil. Hoehnea, v. 36, n. 3, p. 417- 429, 2009.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-396

Refbacks

  • There are currently no refbacks.