Microbiological and physicochemical evaluation of the UHT milk marketed in Nossa Senhora da Glória – SE / Avaliação microbiológica e físico-química do leite UHT comercializado em Nossa Senhora da Glória – SE

Ramon Canuto Vieira do Nascimento, Anne Karoline Menezes Melo, Simone Vilela Talma, Cláudia Lúcia de Oliveira Pinto, Maurilio Lopes Martins, Silvania Alves Ladeira, Acenini Lima Balieiro, João Batista Barbosa

Abstract


UHT milk is defined as the homogenized milk submitted at 130 °C to 150 °C for 2 to 4 seconds in a continuous flow system and cooled to a temperature below 32 °C and packed under aseptic conditions. One of the obstacles of the production chain is the suitability of the product to the quality standards. The objective was to evaluate the microbiological and physicochemical quality of UHT milk marketed in the city of Nossa Senhora da Glória, Sergipe. Samples of three brands were evaluated regarding the mesophilic aerobic bacteria count, sporulated bacteria count, pH, acidity, density, cryoscopic index, protein, fat, total dry extract, defatted dry extract, cooking and alcohol stability. All samples were according to the microbiological standard. Variations were observed in relation to the physicochemical analysis only in the cryoscopic index and pH. The adoption of quality control programs in the milk production chain is fundamental for obtaining products according to the quality standards and prevention of economic losses.

 

 


Keywords


quality, heat treatment, consumption, long life.

Full Text:

PDF

References


Bersot, L. S., Galvão, J. A., Raymundo, N. K. L., Barcellos, V.C., Pinto, J. P. A. N., Maziero, M. T. (2010). Avaliação microbiológica e físico-química de leites UHT produzidos no Estado do Paraná – Brasil. Semina: Ciências Agrárias, v.31, p.645-652.

Brasil, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (1997). Regulamento Técnico para Fixação de Identidade e Qualidade do Leite UHT (UAT): aprovado pela Portaria nº 370, de 04 de setembro de 1997. Diário Oficial da república Federativa do Brasil.

Brasil, Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (2011). Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal. Instrução Normativa nº62, de 29 de dezembro de 2011. Aprova o Regulamento Técnico de Produção, Identidade e Qualidade do Leite tipo A, o Regulamento Técnico de Identidade e Qualidade de Leite Cru Refrigerado, Leite Pasteurizado e o Regulamento Técnico da Coleta de Leite Cru Refrigerado e o seu Transporte a Granel. Diário Oficial da República Federativa do Brasil.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Departamento de Inspeção de Produtos de Origem Animal. (2003). Instrução Normativa n°62, de 26 de agosto de 2003. Métodos analíticos oficiais para análises microbiológicas para controle de produtos de origem animal e água. Diário Oficial da república Federativa do Brasil.

Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. (2006). Métodos Analíticos Oficiais Físico-Químicos, para Controle de Leite e Produtos Lácteos, aprovado pela Instrução Normativa Nº 68 de 12/12/2006. Diário Oficial da república Federativa do Brasil.

Costa, E. A., Carioca, L. J., Freitas, L. J., Freitas, V. V., Martins, M. L., Martins, A. D. O., Pinto, C. L. O. (2016). Avaliação da eficiência de sanitizantes sobre bactérias esporuladas isoladas de leite UHT integral. Revista do Instituto de Laticínios Cândido Tostes, Juiz de Fora, v.71, n.1, p. 01-09. http://dx.doi.org/10.14295/2238-6416.v71i1.442

Kartheek, M., Smith, A. S., Kottai, M. A., Manavalan, R. (2011). Determination of adulterante in food: a review. Journal of Chemical and Pharmaceutical Research, v.3, n.2, p.629-636.

Machado, S. C. (2010). Fatores que afetam a estabilidade térmica do leite bovino. (Tese de Doutorado). Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Faculdade de Agronomia, 132p.

Nielsen. S. D., Jansson, T., Le, T. T., Jensen, S., Eggers, N., Rauh, V., Sundekilde, U. K., Sorensen, J., Andersen, H. A., Bertram, H. C., Larsen, L. B. (2017). Correlation between sensory properties and peptides derived from hydrolysed-lactose UHT milk during storage. International Dairy Journal, v.68, p. 23-31. https://doi.org/10.1016/j.idairyj.2016.12.013

Novaes, S. F., Schreiner, L. L., Oliveira, L. A., Franco, R. M. (2017). Milk quality in Brazil: an overview of official analysis of sanitary monitoring. Revista Brasileira de Ciência Veterinária, v.24, n.1, p. 52-57. http://dx.doi.org/10.22409/rbcv.v24i1.1524

Pinto, C. L. O., Martins, M. L., Vanetti, M. C. (2006). Qualidade microbiológica de leite cru refrigerado e isolamento de bactérias psicrotróficas proteolíticas. Ciência e Tecnologia de Alimentos, v.26, n.3, p.645-651.

Pinto, C. L. O., Souza, L. V., Meloni, V. A. S., Batista, C. S., Silva, R., Martins, E. M. F., Cruz, A. G., Martins, M. L. (2017). Microbiological quality of Brazilian UHT milk: Identification and spoilage potential of spore-forming bacteria. International Journal of Dairy Technology, v.70, p.1-7. http://dx.doi.org/10.1111/1471-0307.12339

Polizeli, A. G., Cruz, L. F., Silva, R. C., Toro, M. J. U. Controle de qualidade em leites UHT integral comercializados na região de Belém do Pará. Brazilian Journal of Development, Curitiba, v. 6, n.5, p.30589-30596 may. 2020. DOI:10.34117/bjdv6n5-498

Ribeiro, J. V., Bomfim, O. R. (2011). Determinação do perfil sócio-econômico das unidades produtoras de derivados do leite - fabriquetas, localizadas no território do Alto Sertão Sergipano. EMDAGRO: Sergipe.

Rosa, L. S., Garbin, C. M., Zamboni, L., Bonacina, M. S. (2015). Avaliação da qualidade físico-química do leite ultra pasteurizado comercializado no município de Erechim-RS. Vigilância Sanitária Debate. V.3, n.2, p.99-107. http://dx.doi.org/10.3395/2317-269x.00438

Rossi Júnior, O. D., Vidal-Martins, A. M. C., Salotti, B. M., Bürger, K. P., Cardozo, M. V., Cortez, A. L. L. (2006). Estudo das características microbiológicas do leite UAT ao longo de seu processamento. Arquivos do Instituto Biológico, São Paulo, v.73, n.1, p.27-32.

Silva, J. P. C. M., Veloso, C. M. (2011). Manejo para maior qualidade do leite. Viçosa: Aprenda Fácil. 2011, 182p.

Silva, L. C. C., Beloti, V., Tamanini, R., Yamada, A. K., Giombelli, C. J., Silva, M. R. (2012). Estabilidade térmica da caseína e estabilidade ao álcool 68, 72, 75 e 78%, em leite bovino. Revista do Instituto Laticínios Cândido Tostes, v.67, p.55-60. http://dx.doi.org/10.5935/2238-6416.20120008

Souza, L. V., Meloni, V. A. S., Batista, C. S., Martins, M. L., Pinto, C. M. F., Pinto, C. L. O. (2014). Avaliação da qualidade microbiológica e físico-química de leite UHT integral processado em indústrias do estado de Minas Gerais, Brasil. Revista Brasileira de Agropecuária Sustentável (RBAS), v.4, n.2., p.6-15. http://dx.doi.org/10.21206/rbas.v4i2.253

Tronco, V.M. Manual para inspeção da qualidade do Leite. 5 ed. Santa Maria, UFSM; 2013, 208p.

Wehr, M., Frank, J. F. (2004). Standard methods for the examination of dairy products. Washington, D.C.: American Public Health Association, 570p.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-386

Refbacks

  • There are currently no refbacks.