O ser humano globalizado e a sua relação com a natureza: a pauta do desenvolvimento sustentável e o estabelecimento da bioeconomia / The globalized human being and his relationship with nature: the agenda of sustainable development and the establishment of the bioeconomy

Ana Carolina Vieira de Barros

Abstract


A revolução industrial trouxe profundas modificações no modo de produção da sociedade, com consequente impacto no meio ambiente. Decorrente do desenvolvimento e do processo de globalização houve a intensificação da busca de recursos naturais em nome do progresso e do desenvolvimento econômico. Se por um lado os benefícios são constatados, por outro à utilização sem racionalidade destas fontes, pode levar a degradação em larga escala da natureza. Nesse cenário, o desenvolvimento sustentável surge na esteira da mudança de paradigmas, como balanço entre o campo econômico, o social e o ambiental. Esse trabalho busca analisar as consequências advindas dos processos de globalização, bem como observa que a bioeconomia ganha espaço entre as práticas sustentáveis. Para a execução desse artigo foi utilizada a pesquisa documental e bibliográfica, a partir do método dedutivo, partindo de conceitos genéricos, buscando sua afirmação e particularização. 


Keywords


Direito Internacional. Direitos Humanos. Direito Ambiental. Desenvolvimento Sustentável. Bioeconomia.

References


BAUMAN, Zygmunt. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Zahar, 2001. E-book.

BOBBIO, Norberto. A Era dos Direitos. 11. ed. Rio de Janeiro: Campus, 1992.

BOFF, Leonardo. Ecologia: Grito da Terra - Grito dos Pobres. Rio de Janeiro: Sextante, 2004.

BROWN-WEISS, Edith. Our Rights and Obligations to Future Generations for the Environment. In: American Journal of Law. n. 84, 1990, p. 198-207.

CAMPELLO, L. G. B. In: [SOUZA, M. C. S. A; PADILHA, N. S.; CAMPELLO, L. G. B.] (Coord.). O Princípio da Solidariedade no Direito Internacional do meio ambiente. Direito Ambiental no Século XXI: efetividade e desafios. 2. v. Curitiba: Clássica, 2013, p. 15-33.

CAMPELLO, L. G. B.; SANTIAGO, M. R. Função Social e Solidária da Empresa na Dinâmica da Sociedade de Consumo. Revista da Faculdade de Direito da UERJ, 2017, p. 161-186.

CARVALHO, Edson Ferreira de. Meio Ambiente & Direitos Humanos. 2ª Edição – Revista e Atualizada, Juruá Editora, 2011.

CARVALHO, N. L. et al. Desenvolvimento Sustentável X Desenvolvimento Econômico. Revista Monografias Ambientais. V. 14. N. 3. Santa Maria: 2015, p. 109-117.

LIMA, Getúlio Raimundo de. In: [URQUIZA, A. H. A.] (Org.). Nascimento – Os Direitos Humanos nas Fronteiras (Brasil e Europa). Campo Grande: Editora UFMS, 2016, p. 97-107.

OECD. Meeting Policy Challenges fora a Sustainable Bioeconomy. 2018. Disponível em: https://www.oecd-ilibrary.org/science-and-technology/policy-challenges-facing-a-sustainable-bioeconomy_9789264292345-en. Acesso em: 27 jun. 2019.

OECD. The Bioeconomy to 2030: Designing a Policy Agenda. 2009. Disponível em: https://www.oecd-ilibrary.org/economics/the-bioeconomy-to-2030_9789264056886-en. Acesso em: 25 jun. 2019.

ONU. Declaração da Conferência das Nações Unidas sobre o Meio Ambiente Humano – “Declaração de Estocolmo”. 1972. Disponível em: https://www.apambiente.pt/_zdata/Politicas/DesenvolvimentoSustentavel/1972_Declaracao_Estocolmo.pdf. Acesso em: 28 jun. 2019.

ONU. Declaração do Rio sobre Meio Ambiente e Desenvolvimento. 1992. Disponível em: http://www.meioambiente.pr.gov.br/arquivos/File/agenda21/Declaracao_Rio_Meio_Ambiente_Desenvolvimento.pdf. Acesso em: 29 jun. 2019.

ONU. Relatório da Comissão Mundial de Meio Ambiente e Desenvolvimento – “Nosso Futuro Comum”. 1987. Disponível em: https://www.are.admin.ch/are/en/home/sustainable-development/international-cooperation/2030agenda/un-_-milestones-in-sustainable-development/1987--brundtland-report.html. Acesso em: 29 jun. 2019.

PNUMA. Caminhos para o Desenvolvimento Sustentável e a Erradicação da Pobreza – Síntese para Tomadores de Decisão. Disponível em: https://popdesenvolvimento.org/publicacoes/previsualizar.html?path=Temas%252F3%2529%2BDesenvolvimento%252Fh%2529%2BAmbiente%252F2011%2BUNEP%2B-%2BRumo%2Ba%2BUma%2BEconomia%2BVerde%2B-%2BCaminhos%2Bpara%2Bo%2BDesenvolvimento%2BSustent%25C3%25A1vel%2Be%2Ba%2BErradica%25C3%25A7%25C3%25A3o%2Bda%2BPobreza.pdf. Acesso em: 29 jun. 2019.

RIST, GILBERT. The History of Development – From Western Origins to Global Faith. New York: Zed Books Ltd, 2008.

SANTOS, Boaventura Sousa de. Se Deus fosse um ativista dos direitos humanos. São Paulo: Cortez, 2014.

SARLET, Ingo Wolfgang. Princípios do Direito Ambiental. São Paulo: Saraiva, 2017.

SBARDELOTTO, Moisés. “Vocês não agiram a tempo”: o discurso de Greta Thunberg ao Parlamento Britânico. Instituto Humanitas Unisinos. Disponível em: http://www.ihu.unisinos.br/78-noticias/588579-voces-nao-agiram-a-tempo-o-discurso-de-greta-thunberg-ao-parlamento-britanico. Acesso em: 23 jun. 2019.

SILVEIRA, V. O.; SANCHES, S. H. D. F. N. Direitos Humanos, Empresa e Desenvolvimento Sustentável. Revista Direito e Desenvolvimento, João Pessoa. v. 6. n. 12. 2015. p. 145-156.

TORRADO, Jesus Lima. Globalización y Derechos Humanos. Anuario de Filosofia del Derecho, n. 17, 2000, p. 43-73.

TURINE, Joseliza Alessandra Vanzela; MACEDO, Maria Lígia Rodrigues. Direitos humanos, comunidades tradicionais e biodiversidade: desafios para o desenvolvimento sustentável. Revista Direito UFMS. v. 3. n. 2. 2017. p. 175-194.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-382

Refbacks

  • There are currently no refbacks.