Detecção Precoce dos Sintomas Depressivos pela Equipe de Saúde na Atenção Básica na Região Norte do País: Revisão De Literatura / Democracy and Health: Visualization of the necessities of a population in the Brazilian Amazon from the 12th Municipal Health Conference

Amanda Ouriques de Gouveia, Andreza Santos Dias, Bruna Paiva do Carmo Mercedes, Jamille da Costa Salvador, José Cláudio Pereira da Silva Junior, Luana Gonçalves Peixoto, Raíssa Cristina Lima de Moraes

Abstract


A depressão é um transtorno mental comum e uma das principais causas de incapacidade em todo o mundo. Ela afeta mais de 300 milhões de pessoas, sendo mais prevalente nas mulheres. Além disso, em seu estado mais grave, a depressão pode levar ao suicídio. Destaca-se, portanto, a importância do enfermeiro na detecção e atuação na prevenção, especialmente na atenção primária de saúde. O objetivo do estudo é identificar como ocorre a detecção de sintomas depressivos na Atenção Básica. Utilizou-se de uma revisão da literatura onde o levantamento bibliográfico foi realizado por meio de uma busca no Google Scholar em estudos publicados no período de 2010 a 2018, utilizando-se de palavras-chaves, partindo da questão norteadora: Há detecção precoce dos sintomas depressivos na Atenção Básica na região Norte do país? - Os critérios de inclusão foram: ser estudos publicados entre 2010 e 2018; estar em português e inglês; ter o artigo completo disponível para leitura; responder os objetivos da pesquisa. Os critérios de exclusão utilizados foram aqueles que não atendiam o pretendido na pesquisa. Foram encontrados 40 estudos, sendo que após a análise e ade­quação ao objetivo da revisão, selecionou-se 12. A região Norte apresentou menor taxa de pessoas diagnosticadas, apenas 3,1%. Nos estados do Norte, como o Pará, apenas 1,6% dos adultos receberam diagnóstico da doença, seguido pelo Amazonas com 2,7%. A realização de estudos futuros de prevalência de depressão na Região Norte do país deverá incluir populações ribeirinhas, mensurar comprometimento funcional e barreiras de acesso aos cuidados de saúde mental, a fim de ampliar e aprofundar o conhecimento sobre depressão maior nessa região. Por meio deste estudo podemos destacar que são escassas as publicações sobre esta temática na região Norte, o que dificultou o levantamento de material para o desenvolvimento deste trabalho.

 


Keywords


Depressão, Saúde Mental, Atenção Primária à Saúde, Epidemiologia.

References


ARAÚJO, Priscila Lopes. Rastreio da sintomatologia depressiva em mulheres grávidasdoprénataldealtorisco.2015.Disponívelem:https://periodicos.ufpe.br/revistas/revistaenfermagem/article/viewFile/10377/11120. Acesso: 04 mar. 2020.

BORGES DT; DALMOLIN BM. Depressão em Idosos de uma Comunidade assistida pela Estratégia de Saúde da Família em Passo Fundo, RS. Disponível em: https://www.rbmfc.org.br/rbmfc/article/view/381. Acesso em: 14 jun.2019.

BRASIL. Presidência da República. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Lei nº 10216 - De 06 de abril de 2001. Brasília-DF, 2001. [internet] Disponível em: Acesso em: 25/10/2018.

BRASIL. Ministério da Saúde / Coordenação de Saúde Mental e Coordenação e Gestão da Atenção Básica. Saúde Mental e Atenção Básica: O Vínculo e o Diálogo Necessários. 2001.

CID – 10 – Classificação estatística internacional das doenças e problemas relacionados à saúde. São Paulo (SP): EDUSP; 1997.

COSTA, Tarciana Sampaio et al. Intensidade e sintomas depressivos em usuários da estratégia saúde da família. Interfaces Científicas-Saúde e Ambiente, v. 5, n. 3, p. 47-56, 2017.

CUNHA, Ricardo Vivian da; BASTOS, Gisele Alsina Nader; DUCA, Giovâni Firpo Del. Prevalência de depressão e fatores associados em comunidade de baixa renda de Porto Alegre, Rio Grande do Sul. Revista Brasileira de Epidemiologia, v. 15, n. 2, p. 346-354, 2012.

DAROLT, Sandra Dominguini et al. A Percepção Do Enfermeiro Da Estratégia Saúde Da Família Acerca Da Depressão Puerperal. Universidade Do Extremo Sul Catarinense–Unesc Pró-Reitoria De Pós-Graduação, Pesquisa E Extensão-Propex Unidade Acadêmica De Ciências Sociais Aplicadas–Unacsa Unidade Acadêmica De Ciências Da Saúde-Unasau, p. 70.Disponívelem:https://pdfs.semanticscholar.org/d071/6b409c080c634570eebd14ce4efcbaa99169.pdf#page=71. Acesso: 04 mar. 2020

DE BARROS JUNQUEIRA, Marcelle Aparecida; PILLON, Sandra Cristina. A assistência em saúde mental na estratégia saúde da família: uma revisão de literatura. Revista de Enfermagem do Centro-Oeste Mineiro, 2011.

FERREIRA, S. A. T. A evolução do conceito de depressão no século XX: uma análise da classificação da depressão nas diferentes edições de manual diagnóstico e estatística da associação americana de psiquiatria (DSMS) e possíveis repercussões destas mudanças na visão de mundo moderno. Revista Hospital Universitário Pedro Ernesto, UERJ. Rio de Janeiro. v.10, n.2, p. 78-90, 2011.

FEREIRA, P. C. D. S.; TAVARES, D. M. D. S. Prevalência e fatores associados ao indicativo de depressão entre idosos residentes na zona rural. Revista Escola de enfermagem da USP. São Paulo. v.47, n.2, p.401-407, 2013.

FERREIRA, Rafael Amorim et al. Depressão: Ponto de vista e conhecimento de enfermeiros do Programa Saúde da Família de São Sebastião do Paraíso. Revista de Iniciação Científica da Libertas, v. 5, n. 2, 2016.

GONCALVES, Angela Maria Corrêa et al . Prevalência de depressão e fatores associados em mulheres atendidas pela Estratégia de Saúde da Família. J. bras. psiquiatr., Rio de Janeiro , v. 67, n. 2, p. 101-109, Junho 2018. Disponível em: . Acesso 14 Jun 2019. http://dx.doi.org/10.1590/0047-2085000000192.

MATIAS, Amanda Gilvani Cordeiro et al. Indicadores de depressão em idosos e os diferentes métodos de rastreamento. Einstein (São Paulo), v. 14, n. 1, p. 6-11, 2016.

MOLINA, Mariane Ricardo Acosta Lopez et al. Prevalência de depressão em usuários de unidades de atenção primária. Archives of Clinical Psychiatry (São Paulo), v. 39, n. 6, p. 194-197, 2012.

NOGUEIRA, Eduardo Lopes et al. Rastreamento de sintomas depressivos em idosos na Estratégia Saúde da Família, Porto Alegre. Revista de Saúde Pública, v. 48, p. 368-377, 2014.

OPAS, Organização Pan-Americana da Saúde. Brasil. Com depressão no topo da lista de causas de problemas de saúde, OMS lança a campanha “Vamos conversar”. [internet] disponível em: http://www.paho.org/bra/index.php?option=com_content&view=article&id=5385:com-depressao-no-topo-da-lista-de-causas-de-problemas-de-saude-oms-lanca-a-campanha-vamos-conversar&Itemid=839.

RENNÓ, J. J. Depressão: família e preconceito são os maiores empecilhos ao tratamento. As causas da depressão são desconhecidas. Redação Vya Estelar, 2016.

SANTOS ER. Prevalência de episódio de depressão maior em áreas de abrangência da estratégia saúde da família em dois municípios do Amazonas. Disponível em: http://bdtd.ibict.br/vufind/Record/USP_685f3866dea1de6d82304f11a9229723. Acesso em: 21 jun.2019.

VENTURA, T. Depressão e comorbidade: um caso clínico. Rev Port Clin Geral, Lisboa, v.27,p.3642,2011.Disponívelem:http://www.scielo.mec.pt/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0870-71032011000100006. Acesso em: 14 jun.2019.

Waidman MAP, Marcon SS, Pandini A, Bessa JC, Paiano M. Assistência de enfermagem às pessoas com transtornos mentais e às famílias na Atenção Básica. Acta Paul Enferm. 2012;25(3):346-51. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ape/v25n3/v25n3a05.pdf. Acesso em 02 jun.2019.

WHO. Media centre. Depression. Geneve; 2012 [cited 2019 May. 21]. Available from: http://www.who.int/mediacentre/factsheets/fs369/en/




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-378

Refbacks

  • There are currently no refbacks.