A inclusão do aluno com deficiência em uma escola pública da cidade de Araguaína no Tocantins: um estudo de caso / Inclusion of the disabled student in a public school in the city of Araguaína in Tocantins: a case study

Juliana Rodrigues Costa, Marlon Magno Rangel Cardoso

Abstract


Na perspectiva da inclusão, devemos pensar a educação como um processo em que se amplia o acesso, a participação e a aprendizagem de todos nos estabelecimentos de ensino regular. A influência da família no desenvolvimento se dá, primordialmente, através da relação estabelecida por meio da via fundamental: a comunicação. O trabalho propôs analisar como é estabelecida a relação entre escola, família e alunos que possuem deficiência. A metodologia empregada no trabalho foi a pesquisa de campo, onde ocorreram entrevistas com a equipe docente da instituição de ensino determinada. Os resultados do presente estudo certificam que apenas a inserção do aluno com deficiência nas escolas não é o bastante para o aprendizado ou trocas sociais, é preciso que haja compatibilidade entre as famílias, a escola e o aluno. Julga-se, além disso, suporte psicológico conjunto com a orientação pedagógica necessária e faltosa, onde acarreta na ausência de preparação de todos os componentes da instituição para que se lide melhor com o aluno, sobretudo inclusive, do próprio aluno.


Keywords


Educação, Alunos, Deficiência, Exclusão, Inclusão, Assistência.

References


ASSEMBLEIA GERAL DA ONU. (1948). "Declaração Universal dos Direitos Humanos" (217 [III] A). Paris.

BENITEZ, P., & DOMENICONI, C. (2015). Inclusão Escolar: o Papel dos Agentes Educacionais Brasileiros. Psicologia Ciência e Profissão, 35 (4), 1007-1023.

BRASIL. Ministério da Educação. (2010). Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 de abril de 2018.

CONSELHO FEDERAL DE PSICOLOGIA. (2011). Dia Nacional de Luta pela Educação Inclusiva. Manifesto. 14 de abril de 2008. Disponível em: . Acesso em: 15 de abril de 2018.

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL (2003): Promulgada em 5 de outubro de 1988. (32a ed.). São Paulo: Saraiva. Declaração de Salamanca e Linha de Ação Sobre Necessidades Educativas Especiais. (1994). Brasília: Corde.

GOFFMAN, Erving. (1963). Estigma. 1 ed. London: Pretice Hall.

PESSOTI, I. (1984). Deficiência mental: da superstição à ciência. São Paulo: EDUSP.

GUGEL, Maria Aparecida. (2007). Pessoas com Deficiência e o Direito ao Trabalho. Florianópolis: Obra Jurídica.

GASPAR, Vinicius Garcia. (2018). As pessoas com deficiência na história do Brasil. 02 de outubro de 2011. Disponível em: < http://www.bengalalegal.com/pcd-brasil> Acesso em: 15 de abril.

MAZZOTTA, M. J. S. (1996). Educação Especial no Brasil: história e políticas. São Paulo, Cortez.

MATISKEI, Angelina C. R. M. (2004). Políticas públicas de inclusão educacional: desafios e perspectivas. In: EDUCAR EM REVISTA. Curitiba, PR: Ed. UFPR, n.23, p. 185. 202.

MARQUES, Renato. (2009). Esporte olímpico e paraolímpico: coincidências, divergências e especificidades numa perspectiva contemporânea. Revista Brasileira de Educação Física e Esporte. São Paulo, v.23, n.4, 365-77, out. /dez. SCHWARTZMAN, J. S. (Ed.) (1999). Síndrome de Down. São Paulo: Memnon.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-357

Refbacks

  • There are currently no refbacks.