A indissociabilidade nas atividades de equoterapia para a inclusão social no IFRS Campus Sertão / Inseparability in equine therapy activities for social inclusion at IFRS Campus Sertão

Marcos Antonio de Oliveira, Marlize Bona Guidolin

Abstract


Visando ampliar a indissociabilidade do ensino, da pesquisa e da extensão nos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, suscitamos uma reflexão crítica sobre a equoterapia inter-relacionada com a formação e ação docente, para o fortalecimento deste tripé. A educação profissional e o dever de incluir supõem considerações que extrapolam a simples inovação educacional e que implica o reconhecimento de que o outro é sempre e implacavelmente diferente, pois a diferença é o que existe, a igualdade é inventada e a valorização das diferenças impulsiona o progresso educacional. As atividades de equoterapia desenvolvidas no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul - Campus Sertão, estão imbricadas na indissociabilidade, envolvendo o ensino, a pesquisa e a extensão, indo ao encontro do tripé institucional de acordo com as diretrizes do IFRS. A equoterapia é definida pela Associação Nacional de Equoterapia (ANDE/Brasil) como um método terapêutico e educacional que utiliza o cavalo dentro de uma abordagem interdisciplinar nas áreas de saúde, educação e equitação. Na dimensão do ensino, são desenvolvidas ações que visam a formação de um modo específico nos conhecimentos bibliográficos, indo ao encontro daquilo que se menciona como necessária para a formação propedêutica dos acadêmicos. A pesquisa, destaca-se pela oportunidade de estudos aprofundados em temáticas pertinentes à utilização dos equinos na equoterapia, como investigações científicas e demais trabalhos de Conclusão de Curso (TCCs) envolvendo temas como Bem estar animal, Etologia Equina e Estereotipias desenvolvidas pelos equinos utilizados no centro de equoterapia. Na extensão, são atendidas entidades de diversos municípios da região, que assistem pessoas com deficiências, com diferentes patologias; grupos de idosos; crianças e jovens em situação de vulnerabilidade social; e, ainda, alunos com distúrbios cognitivos, como déficit de atenção.


Keywords


Indissociabilidade, Equoterapia, Inclusão social

References


______. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, n. 253, p. 1, dez. 2008. Seção 1.

______. Lei nº 13.830, de 13 de maio de 2019. regulamenta a equoterapia como método de reabilitação de pessoas com deficiência. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, de 14/05/2019, pg 04.

______. Ministério da Educação. Um novo modelo em educação profissional e tecnológica. Concepção e Diretrizes. Secretaria de Educação Profissional e Tecnológica. 2010. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=6691-if-concepcaoediretrizes &category_slug=setembro-2010-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 05 jun. 2020

ANDE/ Brasil, Apostila do Curso Avançado de Equoterapia – ANDE-BRASIL, março 2016.

ANDES. Cadernos ANDES: proposta do ANDES-SN para a universidade brasileira. 4.ed. n.2. Brasília: ANDES, 2013. Disponível em: . Acesso em: 05 jun. 2020.

BOTOMÉ, S. P. Pesquisa alienada e ensino alienante: o equívoco da extensão universitária. Petrópolis: Vozes, 1996. 244p.

BRASIL. Indissociabilidade ensino-pesquisa-extensão e a Flexibilização curricular: uma visão da extensão / Fórum de Pró-Reitores de Extensão das Universidades Públicos Brasileiras. UFRGS; Brasília: MEC/SESu,2006

CUNHA, M. I. da. Pesquisas e qualidade no ensino: aprendizagens e possibilidades na educação superior. In: ENGERS, M. E. A.; MAROSINI, M. C. (Org.). Pedagogia universitária e aprendizagem. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2007. p.167-177.

DE MELO NETO, J. F. Extensão universitária: bases ontológicas. In: Extensão universitária: diálogos populares. José Francisco de Melo Neto (org.). João Pessoa: Editora da Universidade Federal da Paraíba, 2002.

FERLINI G. M. S.; CAVALARI, N. Os Benefícios da Equoterapia no desenvolvimento da criança com deficiência física. Pitanga, UCP 2010:1;1-14.

FREIRE, H. B. G. Equoterapia: Teoria e técnica: uma experiência com crianças autistas. São Paulo: Vetor, 1999.

GROPPO, Luís Antonio; MARTINS, Marcos Francisco. Introdução à Pesquisa em Educação. Piracicaba-SP: Biscalchin, 2009.

MARTINS, L. M. Indissociabilidade ensino-pesquisa-extensão como fundamento metodológico da construção do conhecimento na universidade. In: Pinho, S. Z. (Coord.).

Oficinas de estudos pedagógicos: reflexão sobre a prática do Ensino Superior. São Paulo: Cultura acadêmica, 2008. p.73-86.

MINAYO, Maria Cecília de Souza (org.). Pesquisa Social: teoria, método e criatividade. Temas Sociais. 7ª ed. Petrópolis: Vozes, 2007.

OLIVEIRA, M. A. A influência da equoterapia na melhoria da qualidade de vida de crianças e adolescentes em situação de vulnerabilidade social. 2019. 175 f. Tese (Doutorado em Diversidade Cultural e Inclusão Social) Programa de Pós-Graduação em Diversidade Cultural e Inclusão Social, Universidade Feevale, Novo Hamburgo/RS, 2019.

SEVERO, J. T. (Org.). Equoterapia: equitação, saúde e educação. São Paulo: Editora Senac São Paulo, 2010.

TAUCHEN, G. O princípio da indissociabilidade universitária: um olhar transdisciplinar nas atividades de ensino, pesquisa e extensão. 2009. 146f. Tese (Dissertação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul. 2009. Disponível em: . Acesso em: 05 jun. 2020.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-349

Refbacks

  • There are currently no refbacks.