Programa de controle da hanseníase: análise da situação epidemiologica e medidas adotadas para o tratamento no serviço público no município de Vertentes – PE / Leprosy control program: analysis of the epidemiological situation and measures adopted for treatment in the public service in the city of Vertentes – PE

Ana Maria Lemos De Melo, Maria Eduarda Diniz Pedrosa Brito, Lindineis Barbosa Da Fonseca, Cristiane Gomes Lima

Abstract


Hanseníase é uma doença infectocontagiosa causada pela bactéria Mycobacterium leprae podendo se tornar crônica se não houver um diagnóstico precoce. Sendo assim, uma doença que necessita ser comunicada às autoridades de saúde pública, a partir da notificação compulsória realizada pelo Sistema Municipal de Saúde. Esta pesquisa objetivou avaliar o programa de controle da hanseníase e analisar a situação epidemiológica e as medidas adotadas para o tratamento no serviço público no município de Vertentes-PE. Tratou-se de um estudo qualitativo e quantitativo retrospectivo, que teve como objetivo acompanhar prontuários de pacientes com o quadro de hanseníase, cadastrados no programa Sistema de Informação de Agravos de Notificação (SINAN), no município de Vertentes-PE, tendo em vista o levantamento de dados por meio de formulário. Foram preenchidos 30 formulários para coleta de dados cadastrados no programa SINAN, notificados com hanseníase na secretaria municipal de saúde. Desse total 50% (n =15) era do sexo feminino e os outros 50% (n =15) era masculino. Portanto, os resultados foram heterogêneos na faixa etária, a maioria dos pacientes concluíram o tratamento isso mostra que as políticas públicas de saúde estão sendo bem aplicadas principalmente em relação a equidade, melhoria da qualidade de vida e da saúde da população. 


Keywords


Hanseníase, Epidemiologia, Tratamento.

References


Brasil. Ministério da saúde Controle da Hanseníase na Atenção Básica. Guia Prático Para Profissionais da Equipe de Saúde da Família. Disponível em: Acesso em: 16 mar. 2019.

Brasil. Ministério da saúde, SINAN: Funcionamento,Epidemiol. Serv. Saúde [online]. Disponível em: Acesso em: 07 de mar. 2016.

BRASIL; Ministério da Saúde; Gabinete do Ministro. Portaria nº 3.125, de 7 de outubro de 2010. Aprova as diretrizes para vigilância, atenção e controle da hanseníase. Diário Oficial da União, n. 59, p. 73-78, 2009.

BRITO, E. O. X. et al. Trombose venosa profunda em um paciente com reação hansênica em uso de talidomida e corticóide: um raro efeito adverso?. Hansenologia Internationalis (Online), v. 35, n. 1, p. 53-56, 2010.

COSTA, A. K. A. N. et al. Aspectos Clínicos e Epidemiológicos da Hanseníase. Revista de Enfermagem UFPE on line, Recife, fev., 2019.

COSTA, R. S. L.; PINTO, F. A. S. C.; SILVA, M. V. Casos Notificados de Hanseníase no estado do Acre no Ano de 2017. DêCiência em Foco, v. 3, n. 2, p. 15-25, 2019.

CRESPO, M. J.; GONÇALVES, A. Avaliação das Possibilidades de Controle da Hanseníase a Partir da Poliquimioterapia. Revista Portuguesa de Saúde Pública, v. 32, n. 1, p. 80-88, 2014.

GALVÃO, P. R. S. et al. Controle de hanseníase no estado do Pernambuco, Brasil. Cad. Saúde Colet, v. 17, n. 1, p. 87-102, 2009.

LAGUARDIA, J. et al. Sistema de Informação de Agravos de Notificação em Saúde (SINAN): desafios no desenvolvimento de um sistema de informação em saúde. Epidemiologia e Serviços de Saúde, v. 13, n. 3, p. 135-146, 2004.

LASTÓRIA, J. C.; ABREU, M. A. M. M. Hanseníase: diagnóstico e tratamento. Diagn Tratamento, v. 17, n. 4, p. 173-9, 2012.

MACHADO, L. M. G.; IGNOTTI, E.; SANTOS, E. S. Distribuição Espacial da Hanseníase em Alta Floresta-Mt, 2016 A 2018. In: Geosaude-2019. 2019.

MARQUES, W. S. et al. Características clínicas e epidemiológicas de idosos com hanseníase atendidos em um Hospital de Ensino no Nordeste do Brasil. Enfermagem Brasil, v. 18, n. 3, p. 406-413, 2019.

MELÃO, S. et al. Perfil epidemiológico dos pacientes com hanseníase no extremo sul de Santa Catarina, no período de 2001 a 2007. RevSocBrasMedTrop, v. 44, n. 1, p. 79-84, 2011.

NAUFAL, G. G. A. et al. Dados epidemiológicos da hanseníase no município de Catanduva, 2001-2016. CuidArte, Enferm, p. 209-214, 2017.

NEIVA, R. J. Perspectivas históricas do diagnóstico e tratamento da hanseníase. Saúde & Transformação Social/Health & Social Change, v. 7, n. 1, p. 088-097, 2016.

NOVATO, K. M. et al. Perfil Epidemiológico da Hanseníase no estado do TOCANTINS no período de 2014 a 2016. Revista de Patologia do Tocantins, v. 6, n. 4, p. 5-5, 2019.

OMS - WORLD HEALTH ORGANIZATION et al. Estratégia Global para Hanseníase 2016–2020. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde [Internet], 2016.

PINHEIRO, M. G. C. et al. Conhecimento sobre prevenção de incapacidades em um grupo de autocuidado em hanseníase. Revista Mineira de Enfermagem, v. 18, n. 4, p. 895-906, 2014.

RAMOS, J. S.; COSTA, L. R. B.; SANTOS, M. W. L. Dificuldades da Enfermagem no Manejo da Hanseníase na Atenção Primária. Revista JRG de Estudos Acadêmicos, v. 2, n. 5, p. 125-147, 2019.

RODRIGUES, L. C.; LOCKWOOD, D. N. J. Leprosy now: epidemiology, progress, challenges, and research gaps. The Lancet infectiousdiseases, v. 11, n. 6, p. 464-470, 2011.

SOARES, D. L. et al. Características Sociodemográficas e Clínicas de Mulheres com Hanseníase em um Município Hiperendêmico Brasileiro. Inova Saúde, v. 9, n. 2, p. 79-87, 2020.

SOUSA, C. R. S. et al. Aspectos Epidemiológicos da Hanseníase em um Município Nordestino do Brasil. Revista Brasileira em Promoção da Saúde, v. 32, 2019.

SOUZA, M. F.; VANDERLEI, L. C. M.; FRIAS, P. G. Avaliação da Implantação do Programa de Controle da Hanseníase em Camaragibe, Pernambuco. Epidemiol. Serv. Saúde [online]. 2017, vol.26, n.4, pp.817-834. ISSN 1679-4974

SOUZA, C. B. L. et al. Perfil sociodemográfico de pessoas com hanseníase em um município brasileiro. Revista Atenas Higeia, v. 2, n. 1, p. 17-22, 2020.

TEIXEIRA, M. A. G.; SILVEIRA, V. M.; FRANÇA, E. R. Características Epidemiológicas e Clínicas das Reações Hansênicas em Indivíduos Paucibacilares e Multibacilares, Atendidos em Dois Centros de Referência para Hanseníase, na Cidade de Recife, Estado de Pernambuco. RevSocBrasMedTrop, v. 43, n. 3, p. 287-92, 2010.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-331

Refbacks

  • There are currently no refbacks.