Avaliação do nível de contaminação por bioaerossóis no ambiente clínico da Policlínica Odontológica da Universidade do Estado do Amazonas / Avaliação do nível de contaminação por bioaerossóis no ambiente clínico da Policlínica Odontológica da Universidade do Estado do Amazonas

Thais Moreira Gama, Ani Beatriz Jackisch Matsuura, Odirlei Arruda Malaspina

Abstract


Estudos que se concentraram em analisar o ar do ambiente clínico odontológico constataram a existência de inúmeros patógenos circulantes. Desta forma, a temática sobre controle de infecção no ambiente de saúde tornou-se uma preocupação frequente entre os profissionais da odontologia. Este artigo tem como objetivo avaliar o nível de contaminação por bioaerossóis em algumas clínicas da Policlínica Odontológica da Universidade do Estado do Amazonas (UEA) por meio de uma análise descritiva e laboratorial. Tratou-se de uma pesquisa experimental, executada no segundo semestre de 2017, na qual foram coletados bioaerossóis em clínicas pré-definidas e em horários específicos, onde foi utilizado o meio de cultura Brain Hear Infusion (BHI) em placas de Petri, para subsequente verificação das unidades formadoras de colônias (UFC) coletadas por decaimento passivo. Observou-se a frequência e contabilizou-se as colônias, bem como, descreveu-se a macromorfologia das mesmas e para análise estatística, optou-se pelos programas Stata versão 15 e método ANOVA. Paralelamente a essa avaliação, utilizou-se a coloração de Gram para análise morfológica microscópica das respectivas colônias. Com um quantitativo definido de 48 amostras, os resultados evidenciaram a presença de microrganismos – bactérias Gram positivas e negativas, fungos filamentosos e leveduras – em todas as clínicas. Na análise descritiva, os ambientes apresentaram um aumento significativo na quantidade de colônias, conforme a complexidade dos procedimentos que foram sendo realizados, dentre os microrganismos, as espécies bacterianas apresentaram maior predomínio em comparação aos fungos e, em relação aos horários estudados, todos apresentaram mesmo nível, estatístico, de contaminação. Portanto, neste trabalho, comprovou-se a existência de microrganismos em todos os ambientes pesquisados da Policlínica Odontológica da UEA. Este estudo inicial reforça a importância de novas pesquisas voltadas a esta problemática e com base nos dados coletados, ressaltamos a importância de se aplicar e potencializar medidas de biossegurança a comunidade acadêmica e na prática clínica em geral.


Keywords


Aerossóis, biossegurança, contaminação, microrganismos, odontologia.

References


Alharbi A; Alharbi S; Alqaidi S. Guidelines for dental care provision during the COVID-19 pandemic. Saudi Dent J, v. 32, n. 4, p. 181–186, may, 2020.

Almeida CL; Júnior WDM; Nascimento GC; Presotti CV; Sousa CP. Material particulado, microbiota aérea e resistência antimicrobiana de staphylococcus aureus em cirurgia ortopédica. Rev. SOBECC, São Paulo, v.18, n.2, p. 45-56, abr./jun., 2013.

Barreto ACB; Vasconcelos CPP; Girão CMS; Rocha MMNP; Mota OML; Pereira SLS. Contaminação do ambiente odontológico por aerossóis durante atendimento clínico com uso de ultrassom. Braz J Periodontol, v. 21, n. 2, p. 79-84, 2011.

Bezerra ALD; Souza MNA; Feitosa ANA; Assis EV; Barros CMB; Carolino ECA. Biossegurança na odontologia. ABCS Health Sci, v. 39, n. 1, p. 29-33, 2014.

Bustamante AMF; Herrera MJ; Ferreira AR &Riquelme SD. Contaminación bacteriana generada por aerosoles em ambiente odontológico. Int. J. Odontostomat, v.8, n.1, p. 91-105, 2004.

Brasil. Ministério da Saúde. Biossegurança em saúde: prioridades e estratégias de ação / Ministério da Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde. – Brasília: Ministério da Saúde, 2010.

Cunha ACAP; Zollner MSAC. Presença de microrganismos dos gêneros staphylococcus e candida aderidos a máscaras faciais utilizadas em atendimento odontológico.Rev. biociênc, v. 8, n.1, p. 95-101, 2002.

Cardoso AM; Reis C. Contaminação de superfícies inanimadas de UTI por bactérias Gram negativas multirresistentes em hospital universitário de Goiânia, GO. RBAC, v. 48, n.3, p. 59-65, 2016.

Doremalen NV; Bushmaker T; Morri DH; Holbrook MG; Gamble A; Williamson BA; Tamin A; Harcourt JL; Thornburg NJ; Gerber SI; Lloyd-Smith JO; Wit E; Munster VJ. Aerosol and Surface StabilityS of ARS-CoV-2 as Compared with SARS-CoV-1. N Engl J Med, mar, 2020.

Franco AG; Amorim JCF; Carvalho GAP; Dias SG; Franco ABG. Importância da conduta do cirurgião-dentista frente à contenção e prevenção do Covid-19. InterAm J Med Health, 2020.

Gonçalves LB; Ramos AL; Gasparetto A. Avaliação do efeito da clorexidina 0,12% na redução de bactérias viáveis em aerossóis gerados em procedimentos de profilaxia.R. Dental Press OrtodonOrtop Facial. Maringá, n. 11, v.3, p. 88-92, mai/jun, 2006.

LiCS; Hou PA. Bioaerosolcharacteristics in hospital clean rooms. Sci.TotalEnvironment; v. 305, p. 169-76, 2003.

Kunh CR; Toralles RP; Machado M; Fanka LS; Meireles TP. Contaminação Microbiana em Consultórios Odontológicos. Revista Brasileira de Ciências da Saúde, v. 24, n. 4, p. 315-324, 2018.

Mota RJS; Gil TGB; Lima FB; Moraes FA; Farias AS. Qualidade do ar interno no ambiente hospitalar: uma revisão integrativa. Revista Saúde, v.8, n.1/2, p. 44-52, 2014.

PantojaLDM;Couto MS; Paixão GC. Diversidade de bioaerossóis presentes em ambientes urbanizados e preservados de um campus universitário. Biológico, São Paulo, v.69, n.1, p.41-47, jan./jun., 2007.

Pereira MEC; Costa MAF; Costa MFB; Jurbeg C. Reflexões sobre conceitos estruturantes em biossegurança: contribuições para o ensino de ciências. Ciências & Cognição, v.14, n.1, p. 296-303, 2009.

Silva DP; Nazaré DL; Muniz JWC; Câmara CNS. Infecções hospitalares associadas à qualidade do arem ambientes climatizados. Revista de Epidemiologia e Controle de Infecção, v.3, n.4, out./dez., 2013.

Sousa KS; Fortuna JL. Microrganismos em ambientes climatizados de consultórios odontológicos em uma cidade do extremo sul da Bahia. Revista Baiana de Saúde Pública, v.35, n.2, p.250-263, abr./jun, 2011.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-318

Refbacks

  • There are currently no refbacks.