O serviço social e a reforma trabalhista de 2017: Uma reflexão do papel do assistente social contra os desmontes dos direitos trabalhistas / The social work and 2017 labor reform: A reflection of the role of the social worker against the dismantling of labor rights

Élica Batista dos Santos, Evana Barros Pereira Souza, Rosalinda Chedian Pimentel

Abstract


A presente pesquisa[1] tem como objetivo analisar o trabalho do Serviço Social em Franca/SP após as alterações sofridas na Consolidação das Leis Trabalhistas (CLT) com a Reforma Trabalhista, aprovada em 2017.  Discute-se no primeiro momento, as novas configurações da categoria trabalho a partir da década de 1970 com o processo de reestruturação produtiva, em especial no Brasil cujo processo se intensifica com a politica neoliberal e a abertura econômica ocorrida nos anos de 1990, o que acarretou transformações no processo produtivo e, consequentemente, no modo de vida da classe trabalhadora. Pretende-se, também, analisar os desdobramentos do trabalho profissional do Serviço Social após a reforma trabalhista e os rebatimentos no seu exercício profissional. A metodologia está alicerçada em pesquisa bibliográfica, pesquisa documental tais como reportagens, jornais impressos e on line, entre outros, e, ainda, na coleta de dados empíricos a partir da pesquisa de campo, a qual se dará por meio da técnica de entrevista o instrumental de entrevistas semi-estruturadas. A escolha dos sujeitos da pesquisa ocorrerá a posteriori, mas deverá compreender assistentes sociais e representantes dos sindicatos da cidade de Franca/SP.

 

Keywords


Reforma Trabalhista, Mundo do Trabalho, Serviço Social.

References


ALVES, Giovanni. O novo (e precário) mundo do trabalho: reestruturação produtiva e crise do sindicalismo. 1º Edição. Boitempo. São Paulo, 2000.

ANTUNES, Ricardo. Adeus ao trabalho: ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 11 ed. São Paulo. Cortez. 2006.

BONI, Valdete; QUARESMA, Sílvia Jurema. Aprendendo a entrevistar: como fazer entrevistas em ciências sociais. Em Tese, Florianópolis, v. 2, n. 1, p. 68-80, jan. 2005. ISSN 1806023.Disponívelem:. Acesso em: 10 set. 2018. doi:https://doi.org/10.5007/%x.

CARVALHO, José Murilo. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

CASTRO, Nadya Araújo. Reestruturação Produtiva e Relações Industriais: desafios e interpretações à luz do debate norte-americano atual. Revista Latino-americana del trabajo, México, ano 2, nº 2, ALAST. 1996.

DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS. Rio de Janeiro, 2009. Disponível em: https://nacoesunidas.org/wp-content/uploads/2018/10/DUDH.pdf. Acesso em 16 ago. 2019.

IAMAMOTO, Marilda Villela. Serviço Social em Tempo de Capital Fetiche: Capital Financeiro, trabalho e questão social. 2º ed. São Paulo. Cortez, 2007.

IAMAMOTO, Marilda Vilela. CARVALHO, Raul de. Relações sociais e serviço social no Brasil: esboço de uma interpretação histórico-metodológica. 4ªed. São Paulo Cortez 1985.

KONDER, Leandro. O que é dialética? São Paulo. Brasiliense, 2004.

LESSA, Sérgio; TONET, Ivo. Introdução a filosofia de Marx. 2 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. 11. Ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2003. L. 1. V. 1.

MINAYO, Maria Cecília de Souza. Pesquisa Social. Teoria, método e criatividade. 18 ed. Petrópolis: Vozes, 2001.

NETTO, J. P. Introdução ao estudo do método de Marx. 1º ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011.

. Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no Brasil pós-64. 8. ed.- São Paulo: Cortez, 2005.

______. O Movimento de Reconceituação: 40 anos depois. In: Revista Serviço Social e Sociedade. Nº 84 – ANO XXVI. São Paulo: Cortez, 2005.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-283

Refbacks

  • There are currently no refbacks.