Condições de vida e saúde de pessoas com deficiência intelectual envelhecentes / Life and health conditions of persons with intellectual disabilities aging

Rosane Seeger da Silva, Elenir Fedosse

Abstract


Objetivo: Conhecer as condições de vida e saúde de pessoas com deficiência intelectual com idade igual e/ou superior a 25 anos. Metodologia: Estudo censitário e descritivo, com abordagem quantitativa, desenvolvido com pessoas com deficiência intelectual residentes em um município de pequeno porte do interior gaúcho. Realizou-se busca ativa em instituições de Educação, Saúde e Assistência Social. A coleta dos dados ocorreu de abril a setembro de 2015. A análise dos dados foi por meio da estatística descritiva. Resultados: Prevaleceram pessoas do sexo masculino (51%); a idade variou entre 25 e 74 anos (média 44,82 anos e DP ± 13,24); sendo que a maioria (47%) se encontrava nas faixas etárias entre 25 e 40 anos; apresentaram baixa escolaridade (máximo cinco anos de escolarização); solteiros (88,2%) e tendo os pais como responsáveis legais (49%). Quanto ao diagnóstico clínico, houve predominância de deficiência intelectual não especificada (F79), apresentaram alguma doença associada, com destaque para a alterações visuais (33,3%); alterações auditivas (19,6%), além de (15,7%) hipertensos; (5,9%) diabéticos e (5,9%) obesos. Apresentaram reduzidas vivências e interações sociais e falta de opções de lazer. Conclusão: As pessoas com deficiência intelectual apresentaram baixa escolaridade, dependentes dos familiares, suas condições de vida e necessidades de saúde assemelham-se às das pessoas em geral em processo de envelhecimento. Acredita-se que este estudo possa ser replicado em diferentes realidades de modo a aprimorar o cuidado longitudinal junto a pessoas com deficiência intelectual, readequando-se o planejamento de ações de saúde junto a essa população.


Keywords


Condições de vida; Envelhecimento; Pessoas com deficiência intelectual; Saúde.

References


AGUILELLA, A. R.; ALONSO, M. V.; GÓMEZ, C. S. Family quality of life and supports for parents of ageingpeople with intellectual disabilities. Siglo Cero; v. 39, n. 3, p. 19-34, 2008.

ALMEIDA, M. S. R. Deficiência intelectual ou atraso cognitivo? 2012. Disponível em: www.institutoinclusaobrasil.com.br/deficiencia-intelectual-ou-atraso-cognitivo/>. Acesso em: 27 de set de 2015.

AOKI, M.; OLIVER, F. C. Pessoas com deficiência moradoras de bairro periférico da cidade de São Paulo: estudo de suas necessidades. Cadernos de Terapia Ocupacional da UFSCar, São Carlos; v. 21, n. 2, p. 391-398, 2013.

APA. American Psychiatric Association. Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais – DSM-5. Porto Alegre: Editora Artmed, 2014.

AZEREDO, Z. Envelhecimento individual. In: AZEREDO, Z, organiza¬dora. Idoso como um todo. Viseu (Pt): Psicosoma; p. 45-76, 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil: promulgada em 5 de outubro de 1988. Brasília: 1988.

BRASIL. Resolução RDC nº 466 de 12 de dezembro de 2012. Regulamenta pesquisas com seres humanos. Órgão emissor: Ministério da Saúde. Disponível em: < http://conselho.saude.gov.br/resolucoes/2012/Reso466.pdf. Acesso em: 05 de março de 2017.

CAVALCANTE, F. G. et al. Diagnóstico situacional da violência contra crianças e adolescentes com deficiência em três instituições do Rio de Janeiro. Ciência & Saúde Coletiva; v. 14, n. 1, p. 45-56, 2009.

FRANCESHI NETO, M. Lazer e integração. In: Lazer: opção pessoal. p. 81-88. Brasília: SCE/GDF, 1993.

GORZONI, M. L.; ROCHA, S. M. Tratado de Geriatria e Gerontologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan. p. 778-789, 2002.

HAYAR, M. A. Envelhecimento e deficiência intelectual: o cuidador familiar como protagonista nos cuidados ao idoso. Fed. Nac. das Apaes- Fenapaes; v. 2, n. 2, p. 40-52, 2015.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo demográfico 2010. http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010/ (acessado em 06/Fev/2016).

MARIN, M. J. S. et al. As condições de vida e saúde de pessoas acima de 50 anos com deficiência e seus cuidadores em um município paulista. Rev. bras. geriatr. gerontol.; v. 16, n. 2, p. 365-74, 2013.

MAZZOTTA, M. J.S.; D'ANTINO, M. E. F. Inclusão social de pessoas com deficiências e necessidades especiais: cultura, educação e lazer. Saude soc. [online]; v.20, n. 2 [cited 2020-04-20], p.377-389, 2011. Available from: . ISSN 0104-1290. https://doi.org/10.1590/S0104-12902011000200010.

MOESCHLER, J. B. Genetic evaluation of intellectual disabilities. Semin Pediatr Neurol.; v. 15, p. 2-9, 2008.

NERI, A. L.; CARVALHO, V. A. M. O Bem-Estar do Cuidador Aspectos Psicossociais. In: FREITAS, E. V.; PY, L.; NERI, A. L.; CANÇADO, F. A. X.; SENA, E. L. S.; GONCALVES, L. H. T. Vivências de familiares cuidadores de pessoas idosas com doença de Alzheimer - Perspectiva da filosofia de Merleau-Ponty. Texto & contexto enferm.; Florianópolis. v. 17, n. 2, p. 232-240, abr./jun., 2008.

OLIVEIRA, M. F. S. et al. Qualidade de vida do cuidador de crianças com paralisia cerebral. RBPS; Fortaleza. v.21, n. 4, p. 275-280, 2008.

OPAS. Organização Pan – Americana da Saúde. La Salud en las Américas. v. 1, OPAS, Washington. 368, p. 1998.

RIMMER, J. H. Health promotion for people with disabilities: the emerging paradigm shift from disability prevention to prevention of secondaryconditions. Disponível em http://www.ncpad.org/wthpprs/healthpropwdshift.htm. Acesso em 06/11/2015.

RODRIGUES, F. Atendimento psicopedagógico e problemas de aprendizagem. 2010. Disponível em: http://www.indianopolis.com.br. Acesso em: set/2013.

SANTOS, F. H. S.; DOTA, F. P. Inclusão profissional de pessoas com deficiência intelectual: uma questão de autonomia. In: GUILHOTO, L. Organizadores. Envelhecimento e deficiência intelectual: uma emergência silenciosa. 2ª ed. São Paulo: Instituto APAE de São Paulo; 2013. p. 117-32.

SCHALOCK, R. L. et al. Intellectual disability: definition, classification, and systems of supports. 11th Ed. Washington DC: American Association on Intellectual and Developmental Disabilities; 2010.

SEQUEIRA, C. Cuidar de idosos com dependência física e mental. Lisboa (Pt): Lidel; 2010.

SOUZA, J. M.; CARNEIRO, R. Universalismo e focalização na política de atenção à pessoa com deficiência. Saúde e Sociedade; São Paulo. v. 16, n. 3, p. 69-84, 2007.

TROMBLY, C. A. Terapia ocupacional para disfunção física. 2. ed., 514 p. São Paulo: Santos, 1989.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-278

Refbacks

  • There are currently no refbacks.