A preservação do patrimônio material da Bahia através do conselho estadual de cultura (1968-1987) / Preservation of Bahia's material heritage through the state council of culture (1968-1987)

Anselmo Ferreira Machado Carvalho, Lina Maria Brandão de Aras

Abstract


O objetivo desse artigo é analisar a atuação do Conselho Estadual de Cultura da Bahia (CEC) na preservação do patrimônio material do estado entre 1968 e 1987. O CEC estava no topo da pirâmide como órgão de “cúpula”, cuja atribuição maior era a de elaborar a política cultural da Bahia. A atuação do CEC, através de sua Câmara de Artes e Patrimônio Histórico, consistia na sugestão dos meios necessários à preservação dos bens culturais do estado a partir de várias providências como o levantamento do acervo arquitetônico de valor, a delimitação de áreas de proteção e a preocupação com estudos e técnicas para manutenção e preservação. Para isso, o CEC propunha e publicava artigos com sugestões ao governo. O papel da Revista de Cultura da Bahia, publicação do CEC, funcionava como divulgadora desses estudos, metodologias e proposituras para intervenção e conservação dos bens culturais. Merecem destaque os artigos de Américo Simas Filho através dos quais, diagnosticava, apresentava soluções e análises para que se resolvessem os problemas, apesar das dificuldades orçamentárias. O CEC contribuiu para efetivação dos tombamentos, tecendo pareceres e sugestões de orçamentos para a devida manutenção do patrimônio baiano.

 


Keywords


Patrimônio, Bahia, Conselho de Cultura.

References


ANTEPROJETO DE LEI DO PLANO NACIONAL DE CULTURA. In: Cultura. Rio de Janeiro: MEC, Conselho Federal de Cultura. Ano 01 n°02, ago. 1967, pp. 63-68.

BRASIL. Patrimônio Histórico e Artístico Nacional: relação dos bens tombados. MEC/IPHAN, 1973, p. 06-12.

CALASANS, José. As atividades do Conselho. In: Revista de Cultura da Bahia. Órgão Oficial do Conselho Estadual de Cultura. Nº 10, janeiro /dezembro, 1975.

CERAVOLO, Suely Moraes. “BAHIA AMEAÇADA”: a visão de patrimônio cultural arquitetônico de José Valladares (1958-1959). Museologia e Patrimônio - Revista Eletrônica do Programa de Pós-Graduação em Museologia e Patrimônio – Unirio/MAST – vol.8, no 1, 2015.

COMPROMISSO DE BRASÍLIA. Departamento de História USP; IAB –Departamento de São Paulo; 4 º Distrito da DPHAN, São Paulo, 1970.

DÓCIO, Vanessa de Almeida. Sob o signo da pedra e cal: trajetória da política de preservação do patrimônio histórico e arquitetônico no Estado da Bahia (1927 – 1967). Dissertação Mestrado História –UFBA, 2014.

FICO, Carlos. O estado da Arte. In: Além do Golpe: versões e controvérsias sobre o golpe e a ditadura militar. Rio de Janeiro, Record, 2004, p. 23-24.

GARCEZ MARINS, Paulo César. Novos patrimônios, um novo Brasil? Um balanço das políticas patrimoniais federais após a década de 1980. Estudos Históricos. Rio de Janeiro, vol. 29, no 10 57, p. 9-28, janeiro-abril 2016.

LEITE, Rinaldo César Nascimento. E a Bahia civiliza-se... Ideais de civilização e cenas de anti-civilidade em um contexto de modernização urbana. Salvador, 1912-1916. Dissertação de mestrado, Salvador, UFBA, 1996.

MAIA, Tatiana. Os cardeais da cultura nacional: o conselho federal de cultura na ditadura civil-militar. São Paulo, Itaú Cultural; Iluminuras, 2012.

OLIVEIRA, Mario Mendonça. Entrevista concedida ao pesquisador Anselmo Machado. Salvador- Bahia, em 10/08/2016.

PINHO, José Wanderley de Araújo. Proteção de objetos públicos e objetos históricos. In: Revista de Cultura da Bahia. Órgão Oficial do Conselho Estadual de Cultura. Nº 04, julho /dezembro 1969.

RIDENTI, Marcelo. Em busca do povo brasileiro: artistas da revolução, do CPC à era da TV. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SIMAS FILHO, Américo. Legislação de proteção aos bens culturais. Revista de Cultura da Bahia. Órgão Oficial do Conselho Estadual de Cultura. Nº 03, jan/jun.1969, pp. 39-72.

_____________________. Problemática e critérios para delimitação das áreas de proteção histórica.In: Revista de Cultura da Bahia. Órgão do Conselho Estadual de Cultura. Nº 11, jan /Dez, 1976.

_____________________. Considerações em torno de uma metodologia adequada para o estudo de centros históricos. In: Revista de Cultura da Bahia. Órgão Oficial do Conselho Estadual de Cultura. Nº 04, julho /dezembro 1969.

_____________________. Solar Bandeira. In: Revista de Cultura da Bahia. Órgão Oficial do Conselho Estadual de Cultura. Nº 02, set /dez. 1968.

VIANA FILHO, Luís. O governo Castelo Branco. Rio de Janeiro, José Olympio, 1975.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-242

Refbacks

  • There are currently no refbacks.