Marcadores de risco cardiovascular em idosos da Estratégia de Saúde da Família/ Cardiovascular risk markers in the elderly of a Family Health Strategy

Andressa Moura Souza, Marlus Henrique Queiroz Pereira, Bruno Klécius Andrade Teles, Adna Luciana de Souza, Débora dos Santos Pereira, Maria Luiza Amorim Sena Pereira

Abstract


Em virtude da transição demográfica, houve um aumento substancial da população idosa e uma considerável redução das taxas de fecundidade. Paralelo a esse fenômeno, observa-se uma alta prevalência de Doenças Crônicas Não Transmissíveis, em destaque, tem-se às Doenças Cardiovasculares que acomete em grande medida nesta população. Assim, o estudo pretende avaliar a prevalência e correlação entre indicadores de risco cardiovascular em idosos acompanhados pela Estratégia de Saúde da Família na cidade de Barreiras- BA.  Trata-se de um estudo transversal, com dados primários coletados a partir de questionário padronizado para a caracterização da população estudada quanto a aspectos sociodemográficos, de estilo de vida e de saúde. Foram avaliados o índice de massa corporal, a circunferência da cintura e razão cintura estatura, além da área de gordura visceral. Foi aplicada análise estatística descritiva, teste de Kolmogorov-Smirnov, teste “t” de Student, e Coeficiente de Correlação de Pearson. Foram avaliados 49 idosos (67,3% do sexo feminino). Sendo dentre estes 91,8% não fumantes, 85,7% não consumiam bebida alcóolica e 79,6% não praticavam atividade física. A presença de hipertensão foi observada em 65,3% e o excesso de peso em 30,6% dos avaliados. 73,5% apresentaram risco cardiovascular segundo a circunferência da cintura, 81,6% segundo a razão cintura e estatura e 40,8% apresentaram área de gordura visceral de risco.  As correlações entre esses indicadores foram positivas e estatisticamente significantes. Os resultados encontrados no presente estudo demonstram que foram elevadas as prevalências de risco cardiovascular entre os idosos estudados, com destaque para a predição do risco a partir da razão cintura estatura. Os indicadores antropométricos estudados apresentaram boa correlação com a gordura visceral, sendo, portanto adequados para a predição do risco cardiovascular.


Keywords


Doenças cardiovasculares; Antropometria; Idoso; Gordura abdominal.

References


Vasconcelos AMN, Gomes MMF. Transição demográfica: a experiência brasileira. Epidemiol. Serv. Saúde. (2012); 21(24): 539-548.

Khan HTA. Population ageing in a globalized world: Risks and dilemmas?. J Eval Clin Pract. (2018);1-7.

Turuchima MT, Ferreira TN, Bennemann RM. Associação entre indicadores antropométricos (imc e cc) em relação ao risco para doenças cardiovasculares. Saúde e Pesquisa. (2015); 8:55-63.

Oliveira CM, Ulbrich AZ, Neves FS, Dias FAL, Horimoto ARVR, Krieger JE, et al. Association between anthropometric indicators of adiposity and hypertension in a Brazilian population: Baependi Heart Study. Plos One. (2017); 12(10):1-10.

Ministério da Saúde (BR). Orientações para a coleta e análise de dados antropométricos em serviços de saúde: Norma Técnica do Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional. Brasília: Ministério da Saúde[Internet] 2011 [citado em 2018 Dez 11]. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/orientacoes_coleta_analise_dados_antropometricos.pdf

Hall JE, Silva AA, Carmo JM, Dubinion J, Hamza S, Munusamy S, et al. Obesity-induced hypertension: role of sympathetic nervous system, leptin, and melanocortins. J Biol Chem.

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (BR). Política Nacional do Idoso. Brasília: Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome. Disponível em:https://www.mds.gov.br/webarquivos/publicacao/assistencia_social/Normativas/politica_idoso.pdf. Acesso em: 20 de junho de 2019.

Chumlea WMC, Guo SS, Roche AF, Steinbaugh ML. Prediction of body weight for the nonambulatory elderly from anthropometry. J Am Diet Assoc. (1988); 88(5):564-8.

Lipschitz, DA. Screening for nutritional status in the elderly. Primary Care. (1994);21(1):55-67.

Lohman TG, Roche AF, Martorel R. Anthropometric standardization reference manual. Illinois: Human Kinetics Books. (1988);177.

WHO. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Report of a WHO consultation on obesity. Geneva: World Health Organization. (1998). Disponível em: http://www.who.int/iris/handle/10665/42330.

Ashwell M, Hsieh SD. Six reasons why the waist-to-height ratio is a rapid and effective global indicator for health risks of obesity and how its use could simplify the international public health message on obesity. Int J Food Sci Nutr. (2005); 56(5):303-7.

Kyle UG, Bosaeus I, de Lorenzo AD, Deurenberg P, Elia M, Gómez JM, et al. Bioelectrical impedance analysis--part I: review of principles and methods. Clin Nutr. (2004); 23(5): 1226-43.

Despres JP, Lamarche B. Effects of diet and physical activity on adiposity and body fat distribution: implications for the prevention of cardiovascular disease. Nutr Res Rev. (1993); 6(1):137-59.

Bispo IMJ, Santos PHS, Carneiro MAO, Santana TDB, Fernandes MH, Casotti CA, et al. Fatores de risco cardiovascular e características sociodemográficas em idosos cadastrados em uma Unidade de Saúde da Família. O Mundo da Saúde. (2016); 40(3): 334-342.

Menezes TN, Oliveira ECT, Fischer MATS, Esteves GH. Prevalência e controle da hipertensão arterial em idosos: um estudo populacional. Rev Port Saúde Pública. (2016); 34(2):117-124.

Richter CM, Bettinelli LA, Pasqualotti A, Viecili PRN, Erdmann AL, Higashi GDC. Percepções de idosos sobre fatores de risco cardiovasculares. Rev Rene. (2013); 14(4):996-1004.

Pereira JC, Barreto SM, Passos, VMA. O perfil de saúde cardiovascular dos idosos brasileiros precisa melhorar: estudo de base populacional. Arq Bras Cardiol. (2008); 91(1):1-10.

Souza R, Fraga JS, Gottschall CBA, Busnello FM, Rabito EI. Avaliação antropométrica em idosos: estimativas de peso e altura e concordância entre classificações de IMC. Rev Bras Geriatr Gerontol. (2013); 16(1):81-90.

Nogueira MF, Barreto BF, Lima MFS, Lucena IM, Freire IM, Alves MSCF. Exposição de idosos a fatores de risco para doenças cardiovasculares. Rev enferm UFPE. (2014); 8(11): 3814-22.

Queiroz RR, Silva AG, Bezerra KSD, Freitas AS, Rodrigues VD. Perfil antropométrico como instrumento de triagem para risco coronariano em idosas da Estratégia de Saúde da Família. Revista Multitexto. (2015); 3(1): 76-85.

Almeida RT, Almeida MMG, Araújo TM. Obesidade abdominal e risco cardiovascular: Desempenho de indicadores antropométricos em mulheres. Arq Bras Cardiol. (2009); 92(5):375-80.

Canoy D, Cairns BJ, Balkwill A, Wright FL, Green J, Reeves G, Beral V; Million Women Study Collaborators. Coronary heart disease incidence in women by waist circumference within categories of body mass index. Eur J Prev Cardiol. (2013); 20(5):759-762.

Ashwell M, Gunn P, Gibson S. Waist-to-height ratio is a better screening tool than waist circumference and BMI for adult cardiometabolic risk factors: systematic review and meta-analysis. Obes Rev.(2012); 13(3):275-86.

Silva DA, Felisbino-Mendes MS, Pimenta AM, Grazzinelli A, Kac G, Velásquez-Meléndez G. Distúrbios metabólicos e adiposidade em uma população rural. Arq Bras Endocrinol Metab. (2008); 52 (3):489-98.

Barroso TA, Marins LB, Alves R, Gonçalves ACS, Barroso SG, Rocha GS. Associação Entre a Obesidade Central e a Incidência de Doenças e Fatores de Risco Cardiovascular. International Journal of Cardiovascular Sciences. (2017); 30(5):416-424.

Eickemberg M, Oliveira CC, Roriz AKC, Fontes GAV, Mello AL, Sampaio LR. Bioimpedância elétrica e gordura visceral: uma comparação com a tomografia computadorizada em adultos e idosos. Arq Bras Endocrinol Metab. (2013); 57(1): 27-32.

Chang SH, Beason TS, Hunleth JM, Colditz GA. A systematic review ofbody fat distribution and mortality in older people. Maturitas. (2012); 72 (3):175-191.

Rodrigues SL, Baldo MP, Mill JG. Associação entre a Razão Cintura-Estatura e Hipertensão e Síndrome Metabólica: Estudo de Base Populacional. Arq. Bras. Cardiol. (2010); 95(2):186-191.

Corrêa MM, Tomasi E, Thumé E, Oliveira ERA, Facchini LA. Razão cintura-estatura como marcador antropométrico de excesso de peso em idosos brasileiros. Cad. Saúde Pública. (2017); 33(5): 1-14.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-234

Refbacks

  • There are currently no refbacks.