Desafios do atendimento médico de pessoas com deficiência física no município de Anápolis, Goiás / Challenges in medical care for people with physical disabilities in the city of Anápolis, Goiás

Elizandra Faria de Freitas, Bruna Moraes Farias Dantas, Carolina Pessoa Rodrigues Ribeiro, Isabella Coelho Matos, Lucas Ferreira Aires Mendonça, Marcela Meneses Ximenes, Cristiane Vilhena Teixeira Bernardes

Abstract


Deficiência é toda perda total ou anormalidade de uma estrutura e/ou função psicológica, fisiológica ou anatômica, que gere incapacidade para o desempenho de atividade dentro do padrão considerado normal para o ser humano. Segundo os resultados do Censo Demográfico de 2010, 45,6 milhões de pessoas declararam ter pelo menos uma das deficiências investigadas (enxergar, ouvir, caminhar ou subir degraus), correspondendo a 23,9% da população brasileira. A promoção e a inclusão de temas relativos às pessoas com deficiência ainda dependem de iniciativas individuais, e não só de uma política das escolas médicas que pudesse garantir sua continuidade. A falta de acessibilidade ou a limitação de recursos afetam os portadores de deficiência, já que prejudica o livre acesso aos serviços de saúde e exclui diretamente seus direitos, como cidadãos, a um atendimento de saúde pleno e integrado. O objetivo desse estudo foi identificar os desafios no atendimento médico aos pacientes deficientes visuais, auditivos, de fala e motores nas Unidades Básicas de Saúde de Anápolis, bem como buscar esclarecer os obstáculos que inviabilizam ou que reduzem a qualidade desse atendimento. Realizou-se uma pesquisa com delineamento transversal, quantitativo e comparativo como ferramenta de levantamento de dados. Utilizou-se questionários para médicos das Unidades Básicas de Saúde da cidade de Anápolis a fim de identificar os desafios para um bom atendimento aos pacientes deficientes físicos, assim como verificar as características do espaço físico que influencia no atendimento ao paciente deficiente físico. Como resultado do estudo verificou-se que existe uma dificuldade geral no atendimento às pessoas portadoras de deficiência física, englobando desde barreiras estruturais, que impedem o acesso à UBS, até mesmo dificuldades na relação médico-paciente. Identificou-se que instrumentos mundiais para estabelecimento de comunicação com pessoas portadoras de deficiência física são desconhecidos ou pouco utilizados pelos médicos, como exemplo, Libras e Braile. Além disso, a estrutura física das unidades é, em geral, precária e inadequada, ao contrário do que preconiza a Declaração dos Direitos das Pessoas Portadoras de Deficiência e a NBR 9050, ferindo os direitos constitucionais desses pacientes. Muito ainda deve ser feito com relação aos serviços de saúde pública voltados a pessoas com deficiência. É fundamental traçar objetivos visando à inclusão e a promoção da saúde, para assim possibilitar atendimento com equidade e eliminar as disparidades existentes.

 

 


Keywords


Cuidados médicos; Limitação; Pessoas com Deficiência;

References


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE NORMAS TÉCNICAS (ABNT). NBR 9050: Acessibilidade a edificações, mobiliário, espaços e equipamentos urbanos. 2004. Rio de Janeiro, 2004.

ARAGÃO, J.S., et al. Um estudo da validade de conteúdo de sinais, sintomas e doenças e agravos em saúde expressos em LIBRAS. Revista Latino-Americana de Enfermagem, v. 23, n. 6, p. 1014-1023, 2015.

BRASIL. Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência. Acessibilidade. –– Brasília: Secretaria Especial dos Direitos Humanos. — 264 p

BRASIL. Lei nº. 7.853, de 24 de outubro de 1989. Dispõe sobre o apoio às pessoas portadoras de deficiência, sua integração social, sobre a Coordenadoria Nacional para Integração da Pessoa Portadora de Deficiência - Corde institui a tutela jurisdicional de interesses coletivos ou difusos dessas pessoas, disciplina a atuação do Ministério Público, define crimes, e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília.

BRASIL. Lei n.10.098, de 19 de dezembro de 2000. Estabelece normas gerais e critérios básicos para a promoção da acessibilidade das pessoas portadoras de deficiência ou com mobilidade reduzida, e dá outras providências. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília.

BRASIL. Lei n.13.146, de 6 de julho de 2015. Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa Portadora de Deficiência. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério da Saúde, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Política Nacional de Saúde da Pessoa com Deficiência. Brasília: Ministério da Saúde, 2002.

BATISTÃO, G.T.; CHAVES, M.D.; OLIVEIRA G.J. Análise de dispositivos externos de acessibilidade nos serviços municipais de saúde: uma abordagem para deficientes físicos. Revista Brasileira de Pesquisa em Saúde, v. 16, n. 4, 2015.

BAZZO, L. M. F; NORONHA, C. V. A ótica dos usuários sobre a oferta do atendimento fonoaudiólogo no Sistema Único de Saúde (SUS) em Salvador. Ciência e Saúde Coletiva, v.14, n.1, p. 1553-1564, 2009.

CARVALHO, A.C.P., et al. Considerações no tratamento odontológico e periodontal do paciente deficiente visual. Revista Odontológica do Brasil Central, v. 19, n. 49, 2010.

CASTRO, S.S., et al. Dificuldades na comunicação entre pessoas com deficiência auditiva e profissionais de saúde: uma questão de saúde pública. Revista da Sociedade Brasileira de Fonoaudiologia, v. 17, n. 2, p. 128-134, 2012.

CHAVEIRO, N.; PORTO, C.C.; ALVES B.M. Relação do paciente surdo com o médico. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, v. 75, n. 1, 2009.

DA CRUZ, R. P., et al. Acessibilidade para pessoas com deficiência na atenção básica de saúde em Três Rios, Centro Sul Fluminense. Revista Brasileira de Enfermagem. v. 18, n. 1, p. 95-104, 2019.

DIAS, J. P. Projeto de sinalética para deficientes visuais focado em escolas de Ensino Fundamental e Médio. 2017. Monografia (Graduação em Design) – Universidade do Vale do Taquari - Univates, Lajeado, jun. 2017.

FAVRETTO, D. O.; DE CARVALHO, E. C.; CANINI, S. R. M. S. Intervenções realizadas pelo enfermeiro para melhorar a comunicação com deficientes visuais. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 9, n. 3, p. 68-73, 2008

FERREIRA, Y. C. S. As dificuldades dos profissionais de enfermagem da Atenção Básica em prestar atendimento à Pessoa Com Deficiência (PCD) auditiva e/ou fala. Revista Científica do Instituto Ideia, v.1, n. 8, p. 233-250, 2019.

FRANÇA, C.R.; BORGES, J.A.; SAMPAIO, F.F. Tupi–Recursos de acessibilidade para educação especial e inclusiva dos deficientes motores. (In: Anais do Simpósio Brasileiro de Informática na Educação-SBIE). 2005; Juiz de Fora. Juiz de Fora (MG). UFJF; 2005. p.591-600.

IBGE- Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo Demográfico 2010. Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: Ministério do Planejamento Orçamento e Gestão, IBGE, 2010, p.1-215.

INTERNODATO, G. C.; GREGUOL, M. Promoção da saúde de pessoas com deficiência: uma revisão sistemática. HU Revista, v. 37, n. 3, p. 369-375, 2012.

LEVINO, D.A., et al. Libras na graduação médica: o despertar para uma nova língua. Revista Brasileira de Educação Médica, v.37, n. 2, p. 291-297, 2013.

MACIEL, M. R. C. Portadores de Deficiência: a questão da inclusão social. São Paulo em Perspectiva, v. 14, n 2, p. 51-56, 2010.

MISSEL, A.; COSTA, C.C.; SANFELICE, G.R. Humanização da saúde e inclusão social no atendimento de pessoas com deficiência física. Trabalho, Educação e Saúde, v. 15, n. 2, p. 575-597, 2017.

NASCIMENTO, E. L.; MARQUES, L. A. M. O Deficiente Visual e a Atenção Farmacêutica. Lat. Am. J Pharm. [Internet], v. 28, n. 2, p. 203-10, 2009.

NASCIMENTO, V. F. F. Acessibilidade de deficientes físicos em uma unidade de saúde da família. Revista Eletrônica Gestão e Saúde, n. 3, p. 753-766, 2012.

NASCIMENTO, G. B.; FORTES, L.O.; KESSLER, T. M. Estratégias de comunicação como dispositivo para o atendimento humanizado em saúde da pessoa surda. Saúde (Santa Maria), v. 41, n. 2, p. 241-250, 2015.

OTHERO M.B.; DALMASO A.S.W. Pessoas com deficiência na atenção primária: discurso e prática de profissionais em um centro de saúde-escola. Interface (Botucatu), v. 13, n 28, p. 177-188, 2009.

STEFANELLI, M. C.; CARVALHO, E. C. A comunicação nos diferentes contextos da enfermagem. [S.l: s.n.], 2012.

SIQUEIRA, F. C. V., et al. Barreiras arquitetônicas a idosos e portadores de deficiência física: um estudo epidemiológico da estrutura física das unidades básicas de saúde em sete estados do Brasil. Ciência & Saúde Coletiva, v. 14, p. 39-44, 2009.

SOUSA, I. M. Acessibilidade para Usuários com Deficiência nas Unidades Básicas de Saúde de Imperatriz. Imperatriz: UFMA, 2016. p. 78. Dissertação (Mestrado) - Programa de Pós-Graduação em Rede - Rede Nordeste de Formação em Saúde da Família/ccbs, Universidade Federal do Maranhão, Universidade Federal do Maranhão, Imperatriz, 2016.

TUON, L., CERETTA, L.B. (organizadoras). Rede de cuidado à pessoa com deficiência [Recurso eletrônico on-line]. 1. ed. Tubarão: Copiart, 2017.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-184

Refbacks

  • There are currently no refbacks.