A inclusão escolar de alunos com altas habilidades/superdotação no ambiente escolar / The school inclusion of high skill/overachieving students in the school environment

Kese Kristina Ferreira Reis, Lia Regina Conter

Abstract


Este artigo tem como objetivo apresentar os desafios encontrados na Educação Especial para a inclusão e dos alunos com altas habilidades/superdotação no ambiente escolar. Quando a inclusão dos alunos com necessidades educativas especiais é analisada, verifica –se uma tendência a estudar alunos com deficiência intelectual, deficiência física ou motora, deficiência auditiva, deficiência visual entre outras que colaboram para a dificuldade na aprendizagem ou na socialização com os demais alunos; raramente são mencionados os alunos com altas habilidades, pois os mesmos não são rotulados como aluno-problema, ou são confundidos com alunos hiperativos, ou com outra deficiência, sendo na maioria das vezes invisíveis na escola. Verifica-se a necessidade de um olhar diferenciado do professor a esses alunos e um ambiente escolar acolhedor para que possam desenvolver plenamente suas habilidades, uma vez que, o aluno pode possuir habilidades em apenas uma área de conhecimento e identifica- lá é de fundamental importância para a formação integral desse aluno.


Keywords


Altas Habilidades/Superdotação, Inclusão, Educação Especial.

References


BECKER, Jaqueline. Inteligência e aprendizagem. - Curitiba,2016. Material didático da disciplina de Inteligência e aprendizagem- Faculdade São Braz (FSB),2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB 5.692, de 11 de agosto de 1971.

BRASIL. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDB 9.394, de 20 de dezembro de 1996.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria da Educação Especial. Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. MEC/SEESP, Brasília, 2008.

BRASIL. Conselho Nacional de Educação. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. Resolução nº 7.611 de 17 de novembro de 2011. Brasília: 2011.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Disponível em: Acesso em: 17/04/2018.

BRASIL. O atendimento do aluno superdotado: o papel dos professores. MEC/CENESP/FNDE/UERJ/CENHU/EDU- Rio de Janeiro,1985.

BRASIL Ministério da Educação. Secretaria da Educação Especial. Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. Brasília: MEC/SEEP,2001.

BASMAGE.P; GERALDI.N. Conceitos e características dos alunos com altas habilidades/superdotação. SED, Mato Grosso do Sul,2013.

COCCIA. M.T. O papel do professor na identificação e atendimento ao aluno com altas habilidades/superdotação: uma discussão pertinente. SED. Paraná. PDE. Jacarezinho, 2016.

DAVIS, C; OLIVEIRA, Z. Psicologia na educação. 3ed.- São Paulo: Cortez,2010.

DECLARAÇÃO DE SALAMANCA: Sobre Princípios, Políticas e Práticas na Área das Necessidades Educativas Especiais, 1994, Salamanca-Espanha. http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf 17/04/2018

FLEITH. D.S. A construção de práticas educacionais para alunos com altas habilidades/superdotação: vol.1: orientação a professores/ organização: Denise de Souza Fleitth. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial,2007.

GARDNER, H. Inteligências múltiplas: a teoria na prática/ trad. Maria Adriana Veríssimo Veronese. Porto Alegre: Artes Médicas,1995.

GARDNER, H. Inteligência: um conceito reformulado. Rio de Janeiro: Objetiva, 1999

MANTOAN.M.T. E; PIETRO.R.G. Inclusão escolar: pontos e contrapontos; São Paulo: Summus, 2006.

PARANÁ. Indicação nº 01/03 de 02 de junho de 2006. Elabora normas complementares para a Educação Especial no Paraná. Câmara de Ensino Fundamental. Curitiba: SEED, 2003.

PÉREZ, S. G. P. B. Sobre perguntas e conceitos. In: FREITAS, S. N. (Org.). Educação e altas habilidades/superdotação: A ousadia de rever conceitos e práticas. Santa Maria: Ed. da UFSM, 2006, p. 37-60.

RENZULLI, J. S. O que é esta coisa chamada superdotação e como a desenvolvemos? Retrospectiva de vinte e cinco anos. Revista Educação, Porto Alegre, ano 27 n. 1, p. 75- 134, jan. /abr. 2004.

RENZULLI, J.S. A concepção da superdotação no modelo dos três anéis: um modelo de desenvolvimento para a promoção da produtividade criativa. In: Altas Habilidades/Superdotação, inteligência e criatividade. Orgs. Ângela Virgolim e Elisabete C. Konkiewtz. Ed. Papirus. Campinas, SP.2014.

RENZULLI, J.S. Reexaminando o papel da educação para superdotados e o desenvolvimento de talentos para o século XXI: uma abordagem teórica em quatro partes. In: Altas Habilidades/Superdotação: processos criativos, afetivos e desenvolvimento de potenciais. Org. Ângela Virgolim. Curitiba: Juruá,2018.

SABATELLA, M.L.P. Talento e superdotação: solução ou problema? Curitiba: Ibpex,2005.

SANTANA, C.A. Identificação e avaliação das AHSD no contexto escolar. - Curitiba. Material didático da disciplina de Identificação e avaliação das AHSD no contexto escolar- Faculdade São Braz (FSB),2017.

STERNBERG, R.J.; GRIGORENKO, E.L. Inteligência plena: ensinando e incentivando a aprendizagem e a realização dos alunos. Porto Alegre: Artmed, 2003.

URBANEK, D., ROSS, P. Educação inclusiva. Curitiba. Editora Fael,2011.

VIRGOLIM, A. M. R. O indivíduo superdotado: história, concepção e identificação. Psicologia: Teoria e Pesquisa, v. 13, p. 173-183, jan. /abr. 1997.

VIRGOLIM, A. M. R. A inteligência em seus aspectos cognitivos e não cognitivos na pessoa com altas habilidades: uma visão histórica. In: Altas Habilidades/ Superdotação, inteligência e criatividade. Orgs. Ângela Virgolim e Elisabete C. Konkiewtz. Ed. Papirus. Campinas, SP.2014.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-165

Refbacks

  • There are currently no refbacks.