Estratégias defensivas utilizadas frente à conciliação maternidade e trabalho: um olhar para as profissionais da educação / Defensive strategies used in the face of work and motherhood reconciliation: a look at education professionals

Cristiano de Jesus Andrade, Luci Praun, Hilda Rosa Capelão Avoglia

Abstract


Comumente ao fim do período de licença maternidade as mulheres experimentam sofrimento psíquico. Uma vez que conciliar trabalho produtivo (fora de casa), trabalho reprodutivo (atividades domésticas) e a maternagem se configura como uma tarefa exigente a estas trabalhadoras/mães. Neste sentido, este artigo apresenta resultados parciais de um estudo que teve como parte de seus objetivos analisar as estratégias defensivas utilizadas por mulheres egressas da licença maternidade. Adotou-se como método de investigação a pesquisa qualitativa do tipo estudo de caso com recorte transversal. Participaram da pesquisa 13 profissionais da área de educação, todas vinculadas à administração pública de um município do Estado de Minas Gerais. A entrevista semiestruturada, foi utilizada como instrumento de coleta, cujos conteúdos foram analisados à luz das premissas teóricas da análise de conteúdo de Bardin. Os resultados demonstram que, ao contrário do que sugerem teóricos da psicodinâmica do trabalho, as participantes deste estudo fazem uso das estratégias defensivas, não para se defenderem no contexto de trabalho, mas sim para saberem como lidar com seus conflitos pessoais frente à demanda de ser uma “boa mãe”. Considerando que na maior parte dos discursos a carreira se apresentou de modo antagônico ao papel de mãe e do exercício da maternagem.

Keywords


Servidoras públicas; Licença maternidade; Trabalho X maternidade; Estratégias defensivas.

References


Andrade, C. de J.; Praun, L. D.; Avoglia, H. R. C. O sentido do trabalho para mulheres após a licença maternidade: um estudo com profissionais de educação. SEMINA. Ciências Sociais E Humanas (ONLINE), v. 39, p. 147-158, 2018.

AMARAL, G. A. ; MENDES, A. M. B. ; FACAS, E. P. . (Im)possibilidade de mobilização subjetiva na clínica das patologias do trabalho: o caso das professoras readaptadas. SUBJETIVIDADES , v. 19, p. 15-29, 2019.

Bardin, L. Análise de conteúdo. São Paulo: edições 70, 2016.

Carnut, L. Pesquisa social ou pesquisa qualitativa? Uma dis(des)cu(constru)ss(ç)ão em pauta na saúde coletiva. Saúde em Debate, v. 43, p. 170-180, 2019.

Dejours, C. (1987). A loucura do trabalho. São Paulo: Oboré.

Dejours, C. (1992). A loucura do trabalho: estudo de psicopatologia do trabalho. São Paulo: Cortez.

Dejours, C. (1994). Psicodinâmica do trabalho. São Paulo: Atlas.

Dejours, C. (1999). A Banalização da injustiça social. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999.

Dejours, C. (2012a). Trabalho vivo: trabalho e emancipação. Brasília: Paralelo, Quize, (1).

FACAS, EMÍLIO PERES ; GHIZONI, LILIAM DEISY . TRABALHO COMO ESTRUTURANTE PSÍQUICO E SOCIOPOLÍTICO EM TEMPOS DE HIPERMODERNIDADE. Trabalho (En)Cena , v. 2, p. 1, 2017.

FREITAS, L. G. ; GHIZONI, L. D. ; BOTTEGA, C. G. ; CASTRO, T. C. M. . PENSAR, AGIR, TRABALHAR.. Revista Trabalho En Cena , v. 4, p. 152-153, 2019.

GARCIA, C. F. ; VIECILI, Juliane . Implicações do retorno ao trabalho após licença-maternidade na rotina e no trabalho da mulher. Fractal: revista de psicologia, v. 30, p. 271-280, 2018.

GIANNINI, R. ; SZNELWAR, L. I. ; UCHIDA, Seiji ; LANCMAN, SELMA . A cooperação como instrumento de enfrentamento do real: o caso dos magistrados do trabalho No BrasilLa cooperación como instrumento de enfrentamiento de lo real: el caso de los magistrados en materia laboral en BrasilLa coopération comme outil pour la gestion du travail réel: le cas des magistrats du travail au BrésilCooperation as a tool to face the real work: the case of labor judges in Brazil.

LABOREAL (PORTO. ONLINE) , v. 15, p. 1-10, 2019.

Jerusalinsky, J. (2009). A criação da criança: letra e gozo nos primórdios do psiquismo. Tese de Doutorado, Programa de Estudos Pós-Graduados em Psicologia: Psicologia Clínica, Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo, 122-134.

LIMA, SIMONE PEDROSA ; SANTOS, Evanguelia Kotzias Atherino dos ; Erdmann, Alacoque Lorenzini ; SOUZA, Ana Izabel Jatobá de . DESVELANDO O SIGNIFICADO DA EXPERIÊNCIA VIVIDA PARA O SER-MULHER NA AMAMENTAÇÃO COM COMPLICAÇÕES PUERPERAIS. Texto e Contexto. (UFSC Impresso) , v. 27, p. e0880016, 2018.

Martins, C. A., Abreu, W. J. C. P., & Figueiredo, M. C. A. B. (2014). Torna-se pai e mãe: Um papel socialmente construído. Revista de Enfermagem Referência, 4(2), 121-131.

Mendes, A. M. (1996). Comportamento defensivo: uma estratégia para suportar o sofrimento no trabalho. Revista de Psicologia da UFC, Ceará, 13-14(1-2), 27-32.

Mendes, A. M. (2004). Cultura Organizacional e prazer-sofrimento no trabalho: uma abordagem psicodinâmica. In: A. Tamayo. Cultura e Saúde nas Organizações. Porto Alegre: Artmed, 60-76.

Mendes, A. M. (2007). Da psicodinâmica à psicopatologia do trabalho. In: A. M. Mendes (Ed.). Psicodinâmica do trabalho: teoria, método e pesquisas. São Paulo: Casa do Psicólogo, 23-48.

Mendes, A. M., & Facas, E. P. (2011). Subjetividade e trabalho com automação. In R. D. de. Moraes & A. C. L. Vasconcelos (Eds.). Subjetividade e trabalho com automação: estudo piloto no polo industrial de Manaus, Manaus: EDUA, 18-37.

Rocha-Coutinho, R. R. & Rocha-Coutinho, R. R. (2011). Mulheres Brasileiras em posições de liderança: novas perspectivas para antigos desafios. Revista Economia Global e Gestão, 16(1), 61-80.

Tschiedel, R. M., & Traesel, E. S. (2013). Mulher e dor: um estudo na perspectiva da Psicodinâmica do Trabalho. Estudos e Pesquisas em Psicologia, 13(2), 611-624.

Turato, E. R.; Bastos, R. A.; Vieira, A. S. L.; Weber, A. As pesquisas qualitativas: desafios de sua cientificidade. In: Bicudo M. A. V; Costa, A.P. (Org.). Leituras em pesquisa qualitativa. 1ed. São Paulo: Editora Livraria da Física, 2019, v. 1, p. 135-144.




DOI: https://doi.org/10.34117/bjdv6n6-181

Refbacks

  • There are currently no refbacks.